Cantando o novo consumo brasileiro, o funk ostentação nasceu na Baixada Santista, em São Paulo, e chegou às periferias das capitais brasileiras

Cantando o novo consumo brasileiro, o funk ostentação nasceu na Baixada Santista, em São Paulo, e chegou às periferias das capitais brasileiras

19 de setembro de 2014
11:30
Este texto foi publicado há mais de 5 anos.

Depois de uma década de programas de inclusão social, marcada principalmente pela ampliação do poder de consumo dos mais pobres, o Funk Ostentação ganhou notoriedade entre o público jovem das grandes cidades: seus videoclipes têm milhões de centenas de acesso no Youtube, seus shows atraem multidões nas periferias de todo o país.

A Pública buscou conhecer mais sobre esse universo ouvindo MCs, produtores e fãs do “ostentação”. Para eles, atraente é quem usa roupas, acessórios e carros caros, correntes de ouro, notas de R$ 100. Nas palavras de Washington Rodrigues Veloso, um dos principais produtores de videoclipes do ritmo no eixo Rio-São Paulo, para “bombar na internet precisa ter carros, de luxo, mansões, dinheiro, ouro, mulheres bonitas, champanhe, essas coisas”.

O minidoc “Onde Deus é uma nota de 100” – que teve o apoio do Canal Futura – apresenta o outro lado desse universo. Os protagonistas dessa cena nos levam para o seu mundo, na periferia onde viveram histórias de pobreza e violência na infância, e onde agora exaltam, com o funk, a ascensão social como um troféu de vitória. Seus depoimentos traçam um retrato das transformações sociais vividas pelo país nos últimos 20 anos. Na sociedade do novo consumo, ser da periferia ainda é sua identidade principal – mas a ordem é ter para existir.

Confira o Minidoc:

Seja aliada da Pública

Que tal participar da luta contra as fake news sobre coronavírus? Apoie a Pública. A sua contribuição se transforma em jornalismo sério e corajoso, com impactos reais.

Mais recentes

Especialistas apontam semelhanças entre os 300 de Sara Winter e grupos fascistas europeus

28 de maio de 2020 | por e

Filme “300”, que inspira acampamento bolsonarista também é referência para grupos racistas e neonazistas; como os europeus, o grupo brasileiro apela à desobediência civil e à violência

“Quanto maior o colapso do governo, maior a virulência da guerra cultural”, diz pesquisador da Uerj

28 de maio de 2020 | por

Para o professor João Cezar de Castro Rocha, uma visão revanchista e revisionista da história brasileira moldou Bolsonaro e os bolsonaristas; é essa narrativa que justifica a criação e eliminação de inimigos em série enquanto, ao mesmo tempo, torna impossível governar

“O Brasil poderá ser conhecido como o país que enraizou o negacionismo científico”, diz Nicolelis

27 de maio de 2020 | por

Para evitar uma catástrofe, o renomado neurocientista Miguel Nicolelis afirma que é o momento de adotar medidas drásticas contra o coronavírus: lockdown em locais onde a ocupação dos hospitais esteja acima de 80%, acompanhado de um auxílio econômico que, de fato, permita às pessoas ficar em casa