Preparamos uma seleção com perguntas e respostas recorrentes sobre o Concurso de Microbolsas para Reportagens sobre Criança e Água, realizado pela Pública em parceria com o projeto Prioridade Absoluta

Preparamos uma seleção com perguntas e respostas recorrentes sobre o Concurso de Microbolsas para Reportagens sobre Criança e Água, realizado pela Pública em parceria com o projeto Prioridade Absoluta

22 de abril de 2015
14:13
Este texto foi publicado há mais de 7 anos.

11130161_1094483510578662_4753203075639171856_n

Ficou com alguma dúvida sobre o Concurso de Microbolsas para Reportagens sobre Criança e Água?

Veja as dúvidas mais frequentes:

A proposta de pauta tem necessariamente que relacionar as crianças à atual crise de abastecimento de água?

Não necessariamente. Consideramos muito importante revelar histórias escondidas sobre como as crianças têm sido afetadas pela crise de abastecimento em meio a uma das maiores secas da história, em todas as regiões do país. No entanto, também aceitamos pautas sobre enchentes, falta de saneamento básico e má qualidade da água.

– A inscrição é individual ou pode ser em dupla/grupo?

A inscrição pode ser realizada tanto individualmente como em grupo. A diferença, é que no caso da inscrição em grupo, o valor da premiação (R$ 5 mil) será dividido entre todos os componentes.

– Quem trabalha em algum veículo pode se inscrever?

Sim. Aquelas pessoas que têm interesse em inscrever um projeto, mas trabalham para algum outro veículo devem confirmar junto ao seu local de trabalho se o contrato prevê exclusividade.

– Posso inscrever mais de uma pauta?

Sim, os repórteres podem inscrever mais de uma pauta.

– Estudante pode se inscrever? Mas como eu vou comprovar experiência em reportagem investigativa?

Sim, estudantes podem participar. No caso específico de estudantes, a Pública aceita como exemplos reportagens realizadas durante a faculdade. O estudante deve provar ser capaz de realizar uma pauta bem apurada, com múltiplas fontes.

– E se eu não conseguir realizar a minha pauta, o que acontece?

Se mesmo sob orientação o microbolsista não conseguir realizar a pauta, o caso será analisado pela equipe da Pública para que se encontre uma solução viável. Em último caso, o microbolsista deverá devolver o dinheiro recebido através do concurso.

– Eu moro longe de São Paulo, onde fica a sede da Pública. Posso participar?

Sim. Interessados que não residam em São Paulo podem e devem sim participar do concurso. A Pública dará prioridade à multiplicidade de regiões na seleção das pautas.  Nesse caso, as reuniões com as editoras da Pública serão realizadas via skype, em datas pré-definidas.

– Pode ser projeto de infografia ou animação?

Sim. A Pública busca por novas narrativas dentro do Jornalismo, e incentiva projetos que apresentem dados e histórias de maneira visualmente atraente, interativa e inovadora. Mas o crucial é a apuração e a boa reportagem, independente do formato.

– O prêmio de R$ 5 mil pode ser utilizado apenas para o pagamento do repórter?

Sim. Uma vez tendo sua pauta escolhida, o repórter tem autonomia na utilização do dinheiro recebido da maneira que lhe convier.

– Tem que ser brasileiro para poder participar?

Não, estrangeiros residentes no país também podem participar. Lembrando que as reportagens devem ser feitas no Brasil.

– A Pública oferece identificação provisória (crachá)?

Sim.

Sua dúvida não foi respondida? Envie-nos um email: marinadias@apublica.org

Seja aliada da Pública

Todos precisam conhecer as injustiças que a Pública revela. Ajude nosso jornalismo a pautar o debate público.

Mais recentes

Conexões e mortes entre dois estados com a presença do Comando Vermelho

6 de julho de 2022 | por

Como a operação que matou mais de 20 pessoas na Vila Cruzeiro, no Rio de Janeiro, se conecta com a guerra entre facções no Pará

Em discurso, à tribuna no Senado, senadora Simone Tebet.

Fazendeira e ruralista, Simone Tebet perde aliados no MS ao se afastar do bolsonarismo

5 de julho de 2022 | por

Proprietária em região de conflito com os Guarani-Kaiowá, senadora já defendeu indenizações em dinheiro para fazendas em áreas indígenas e suspensão de demarcações

Mais cinco já admitiram ocultação de bens e corpos de Bruno e Dom, diz PF

5 de julho de 2022 | por e

Delegado que coordena os trabalhos da Polícia Federal diz que “trabalha com hipótese” de mandante, mas que hoje não tem elementos para indiciar ou fazer buscas contra alguém