Empresário ligado à bilionária Isabel dos Santos e ao governo do ex-ditador angolano é denunciado por lavagem de dinheiro e fraude em investimento de US$ 13 milhões

Empresário ligado à bilionária Isabel dos Santos e ao governo do ex-ditador angolano é denunciado por lavagem de dinheiro e fraude em investimento de US$ 13 milhões

24 de março de 2021
12:03
Especial: Luanda Leaks

Durante dez anos, o Mussulo Resort foi o símbolo da prosperidade que prometia chegar ao litoral da Paraíba. Fundado em 2009, o resort, que fica a 40 quilômetros ao sul da capital João Pessoa, era descrito como “paraibadisíaco”: os hóspedes tinham direito a comer e beber durante 24 horas, além de frequentar piscinas, sauna e spa na propriedade de 96 mil metros quadrados com mais de uma centena de bangalôs. Como único resort de luxo dentre as dezenas de praias de água claras – algumas são chamadas de “caribe nordestino” –, o empreendimento recebia a elite paraibana com a possibilidade de um dia de lazer com serviço “all-inclusive”.     

Pois a má sorte do Mussulo, que acabou fechando em outubro de 2019 sob acusações de dar calote nos funcionários e clientes, parece entrar em uma nova fase. Em dezembro do ano passado, o Ministério Público Federal da Paraíba (MPF/PB), através do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), denunciou os empresários por trás desse empreendimento milionário de lavagem do dinheiro usado na sua construção. O dinheiro teria sido internalizado no Brasil através de crimes financeiros ligados à falsificação de dados em contratos de câmbio. As acusações tiveram início a partir de um inquérito da Polícia Federal que a Agência Pública revelou em 2020, que apontou uma rede internacional para lavagem de dinheiro de corrupção no Nordeste brasileiro.

Segundo o MPF, o chefe do esquema era o empresário angolano José Carlos de Castro Paiva, empresário notoriamente próximo a João Manuel Vicente, ex-vice-presidente de Angola no governo de José Eduardo dos Santos, e de sua filha Isabel dos Santos, a mulher mais rica da África, dona de uma fortuna estimada pela Forbes em algo próximo de US$ 2,3 bilhões. Isabel dos Santos é alvo de dezenas de denúncias de corrupção reveladas por uma investigação transnacional do Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos (ICIJ) da qual a Pública fez parte. A Polícia Federal estima que Castro Paiva tenha investido um total de R$ 70 milhões no resort.

Como o dinheiro angolano desembarcou na Paraíba    

A denúncia afirma que Castro Paiva teria contado com o auxílio do português João Carlos Guerra Alves Pina Ferreira, do angolano Alcindo Joaquim Diniz, e dos brasileiros Francisco Antônio de Melo Bomfim e Humberto Luis Soares Gomes para se valer “de intrincada estrutura empresarial, constituída em centros financeiros offshore, de interpostas pessoas e de falsos arranjos contratuais para distanciar a origem dos dólares de sua pessoa, obscurecendo-se como beneficiário final e permitindo que ele mantivesse o controle indireto sobre o empreendimento MUSSULO Beach Resort”. 

O empresário José Carlos de Castro Paiva é investigado pelo MPF por desvios milionários e ocultação de patrimônio

Segundo a denúncia, o esquema utilizado para esconder de onde vinham os recursos para o resort era complexo. Através de laranjas e empresas de fachada, Castro Paiva teria conseguido internalizar um total de US$ 12,9 milhões, entre 2007 e 2009, “omitindo a origem e a natureza dos recursos destinados”. 

Interrogado pela PF em 2017, o brasileiro Francisco Bomfim afirmou que foi para Luanda, capital de Angola, para “promover o empreendimento” e vendeu unidades “para aproximadamente quarenta investidores”, por cerca de US$ 180 mil a unidade, e que a empresa GBF teve que fazer um empréstimo junto ao Banco Angolano de Investimentos (BAI) para cobrir a inadimplência desses investidores. Mas, segundo a PF, essas viagens nunca ocorreram. Os nomes dos investidores não foram revelados. 

Na época da internalização das divisas, José Castro Paiva já era presidente do Conselho de Administração do BAI — banco privado angolano cujo principal acionista é a Sonangol, a petroleira do governo de Angola. Antes disso, Castro Paiva foi diretor-geral em Londres da Sonangol durante 25 anos, ao mesmo tempo em que a empresa era presidida pela filha do ex-ditador, Isabel dos Santos.

Em 2010, uma investigação do Senado dos Estados Unidos apontou que executivos da Sonangol ocupavam cargos-chave no BAI e que o próprio Castro Paiva detinha 18,5% das ações do banco a partir de empresas offshore, com o objetivo de “não atrair atenção indesejada”.

Castro Paiva e João Pina também são alvo de outras investigações do MPF da Paraíba em relação a um dos empreendimentos mais bem-sucedidos da capital, o Solar Tambaú, prédio de luxo que fica bem diante da placa de “Eu ❤️ Jampa”, na praia de Tambaú, principal ponto procurado por turistas que visitam a cidade, com dezenas de sorveterias, lojas de lembrancinhas e artesanatos locais. 

Em 2017, a PF realizou diligências em João Pessoa e conseguiu apreender computadores e celulares de Castro Paiva. Os materiais analisados permitiram a denúncia atual e outros avanços na investigação, segundo uma fonte do MPF. 

Uma fonte próxima à investigação afirmou à Agência Pública que as comunicações do celular deixam claro que Castro Paiva era um homem de confiança do ex-vice-presidente angolano Manuel Vicente, pois foram encontradas no celular diversas conversas com Vicente. Nessas conversas. Isabel dos Santos era chamada de “princesa”.

Luanda Leaks 

A empresária angolana viu seu império ruir com a publicação de uma investigação transnacional sobre os seus negócios, em janeiro de 2020. O ICIJ descobriu que Santos, seu marido e intermediários construíram um império com mais de quatrocentas empresas e subsidiárias em 41 países, incluindo pelo menos 94 em jurisdições sigilosas como Malta, Maurício e Hong Kong. Na última década, essas empresas conseguiram contratos de consultoria, empréstimos, obras públicas e licenças em valores de bilhões de dólares do governo angolano. Documentos também mostraram empresas ligadas ao casal desviando taxas de consultoria, empréstimos e contratos para empresas de fachada que eles controlam nas Ilhas Virgens Britânicas, na Holanda e em Malta.

Segundo a Forbes, Isabel dos Santos tem uma fortuna estimada em S$ 2,3 bilhões. Conhecida como a mulher mais rica da África, ela é alvo de dezenas de denúncias de corrupção

Isabel dos Santos nega veementemente quaisquer irregularidades

O presidente angolano, João Lourenço, chegou ao poder em 2017 com a promessa de combater a corrupção. Seu governo afirma ter rastreado pelo menos US$ 24 bilhões roubados sob o regime anterior, liderado pelo pai de Isabel dos Santos, José Eduardo dos Santos.

Após as revelações do “Luanda Leaks”, Isabel dos Santos virou alvo de investigações em Angola, em Portugal e na Holanda, segundo o ICIJ. 

Em 2017, a reportagem da Pública visitou anonimamente o Mussulo resort

A estratégia do Ministério Público 

A denúncia apresentada no ano passado não entra no mérito da origem do dinheiro e nem menciona Isabel dos Santos. Mas, para um representante do Gaeco, essa é apenas a primeira de outras denúncias que virão, já que as investigações a respeito desse grupo de empresários segue. “A expectativa é que a gente continue aprofundando a investigação, para chegar de fato a todos os responsáveis pela lavagem de dinheiro no Brasil”, diz o representante. 

“A gente não pode permitir que eventual dinheiro que tenha sido desviado do exterior, produto de crime do exterior, venha a ser lavado pro Brasil em empreendimentos de luxo. Isso é péssimo para nossa economia. Não pode transformar o Brasil num paraíso de lavador de dinheiro”.

Todos os réus moram no Brasil, exceto Castro Paiva. Por isso, explica o procurador, a denúncia será entregue no endereço do empresário angolano em Londres. Caso ele não seja encontrado, a juíza brasileira pode pedir a prisão dele e, nesse caso, pode-se emitir um comunicado internacional pedindo a prisão do empresário denunciado. 

O MPF da Paraíba até tentou, mas afirma que até agora não recebeu nenhum apoio para cooperação internacional com a justiça angolana. “Até 2017, Angola tinha um governo autoritário, então a gente achou por bem não esperar que chegasse a investigação de lá, e resolveu denunciar os réus”, disse à reportagem um dos representantes do Gaeco.  

Segundo o Gaeco, a denúncia trata apenas da primeira internalização de divisas relativas ao Mussulo. O resort, embora fechado, continua sob investigação. “A gente denunciou apenas, por enquanto, a entrada do dinheiro para construção do Mussulo. Todos os dez anos de funcionamento do Mussulo, que abriga a investigação de lavagem de dinheiro, como serviu para lavar dinheiro do regime, ainda é objeto de investigação”, diz um procurador. 

A reportagem tentou contato com Castro Paiva via o banco BAI, com João Carlos Pina Ferreira através de um número de celular e do contato do Solar Tambaú, e com o email oficial do Mussulo Resort. Não houve respostas.

Seja aliada da Pública

Bom jornalismo é remédio contra o autoritarismo. Quer defender a democracia? Doe mensalmente para a Pública.
Divulgação BAI
Nuno Coimbra

Leia também

O império de Isabel

19 de janeiro de 2020 | por

Como a filha do ex-presidente de Angola aproveitou o poder político do pai para, com empresas de fachada e informações privilegiadas, se tornar a mulher mais rica da África

Como o dinheiro desviado de Angola pelo governo corrupto veio parar na Paraíba

19 de janeiro de 2020 | por , e

Inquérito da PF obtido pela Pública acusa político próximo do ex-presidente angolano José Eduardo dos Santos e sua filha Isabel dos Santos de lavar dinheiro de corrupção no Nordeste

Mais recentes

Farmácias venderam mais de 52 milhões de comprimidos do “kit covid” na pandemia

20 de abril de 2021 | por e

Hidroxicloroquina, propagandeada por Bolsonaro, teve mais de 1,3 milhão de caixas vendidas no país

Movimento de médicos que mistura aborto com cloroquina tem ligações com Ministério da Saúde

19 de abril de 2021 | por

“Ainda Há Bem” espalhou dez outdoors antiaborto e em defesa de um suposto tratamento precoce para Covid-19 em Fortaleza

Viveu uma situação de abuso sexual envolvendo a família Klein? Queremos te ouvir

15 de abril de 2021 | por

Você ou alguém que conhece viveu uma situação de violência ou abuso sexual envolvendo o fundador das Casas Bahia, outro membro da família Klein ou um grande empresário? A Pública quer te ouvir