Buscar
Agência de jornalismo investigativo
Checagem

Senadora exagera número de aposentados que recebem salário mínimo

Afirmação foi feita por Gleisi Hoffmann (PT-PR) durante entrevista, mas dados mostram que porcentual é menor

Checagem
15 de fevereiro de 2017
16:10
Este artigo tem mais de 6 ano
A senadora Gleisi Hoffmann,(PT-PR) afirmou que 80% dos aposentados ganham salário mínimo
A senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR) durante debate no Senado. Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado

“Hoje 80% de quem é aposentado na Previdência ganha salário mínimo.” – senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR), em entrevista à Rádio Brasil Atual no dia 30 de janeiro.

Exagerado

Convidada a falar sobre a Previdência Social em entrevista à Rádio Brasil Atual, a senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR) criticou a reforma previdenciária proposta pelo governo Temer e afirmou que 80% dos beneficiários de aposentadorias da Previdência Social são contemplados com apenas um salário mínimo ao mês. Procurado pela reportagem, o gabinete da senadora informou que o dado citado “está no Boletim Estatístico da Previdência Social, disponível no site da Previdência”.

O dado apresentado por Hoffmann foi usado para criticar o fim da política de valorização do salário mínimo. Isso porque 2017 é o primeiro ano desde 2003 em que não houve aumento real do mínimo, ou seja, não houve reajuste acima da inflação. O aumento do salário mínimo para 2017 foi fixado em 6,48%, enquanto o reajuste da aposentadoria para quem ganha acima do salário mínimo foi de 6,58%. Desde 1997 o reajuste para benefícios que ultrapassam o piso não é maior que o reajuste do salário mínimo.

Para tentar descobrir se a informação é verdadeira, o Truco – projeto de checagem da Agência Pública – localizou a última edição do boletim estatístico citado pela assessoria da senadora, que data de dezembro de 2016, mas ele não traz a informação mencionada. O relatório informa apenas qual a porcentagem de beneficiários de todos os programas da previdência que recebe o piso previdenciário, que é equivalente ao salário mínimo. De acordo com a tabela 12 do boletim, 66% dos beneficiários da Previdência Social recebem um salário mínimo por mês. Outros 2,3% recebem valores inferiores ao piso previdenciário; isso ocorre porque, em alguns casos, o valor de uma pensão pode ser dividido entre mais de um beneficiário.

Já o número de brasileiros beneficiados pelo benefício da aposentadoria que recebe este valor por mês é um pouco inferior: 63% das aposentadorias pagas correspondiam ao salário mínimo em dezembro de 2016, de acordo com a assessoria de comunicação da secretaria de Previdência. O dado foi extraído pela área técnica do órgão, responsável pelos boletins estatísticos – como o que foi citado pela parlamentar – e não está disponível para consulta em nenhum site do governo.

A alegação da senadora de que 80% dos aposentados brasileiros recebe um salário mínimo é, portanto, considerada exagerada, já que a afirmação não usa dados certos, mas aponta um conceito verdadeiro ou uma tendência correta.

Precisamos te contar uma coisa: Investigar uma reportagem como essa dá muito trabalho e custa caro. Temos que contratar repórteres, editores, fotógrafos, ilustradores, profissionais de redes sociais, advogados… e muitas vezes nossa equipe passa meses mergulhada em uma mesma história para documentar crimes ou abusos de poder e te informar sobre eles. 

Agora, pense bem: quanto vale saber as coisas que a Pública revela? Alguma reportagem nossa já te revoltou? É fundamental que a gente continue denunciando o que está errado em nosso país? 

Assim como você, milhares de leitores da Pública acreditam no valor do nosso trabalho e, por isso, doam mensalmente para fortalecer nossas investigações.

Apoie a Pública hoje e dê a sua contribuição para o jornalismo valente e independente que fazemos todos os dias!

apoie agora!

Truco

Este texto foi produzido pelo Truco, o projeto de fact-checking da Agência Pública. Entenda a nossa metodologia de checagem e conheça os selos de classificação adotados em https://apublica.org/truco. Sugestões, críticas e observações sobre esta checagem podem ser enviadas para o e-mail truco@apublica.org e por WhatsApp ou Telegram: (11) 99816-3949. Acompanhe também no Twitter e no Facebook. Desde o dia 30 de julho de 2018, os selos “Distorcido” e “Contraditório” deixaram de ser usados no Truco. Além disso, adotamos um novo selo, “Subestimado”. Saiba mais sobre a mudança.

Leia também

Ao criticar reforma trabalhista, deputado exagera dados do governo Lula

Por

Parlamentar afirmou que desemprego chegava a 4,8% e não houve alterações na CLT, durante discussão da reforma trabalhista na Câmara

Argumento de Lula em defesa de Temer é falso

Por

Procuradoria-Geral da República não precisa ter provas materiais, como alegou o ex-presidente, para fazer denúncia

Notas mais recentes

8 de janeiro: Militares e PM trocam acusações e se contradizem sobre dia de invasões no DF


Gilmar anula provas sobre assessor de Lira, arquiva inquéritos e manda “inutilizar” dados


Pioneira em aborto legal por telemedicina tem painel cancelado novamente


Deputados debatem hidrovia Araguaia-Tocantins sem ouvir afetados em obra: “nos excluíram”


Multa por pesca ilegal contra Bolsonaro volta a valer, decide Ibama


Leia também

Ao criticar reforma trabalhista, deputado exagera dados do governo Lula


Argumento de Lula em defesa de Temer é falso


Faça parte

Saiba de tudo que investigamos

Fique por dentro

Receba conteúdos exclusivos da Pública de graça no seu email.