Buscar
Agência de jornalismo investigativo
Checagem

Haddad erra histórico eleitoral de Paulo Maluf

Político não teve mais de 45% dos votos no 1º turno em duas eleições e perdeu várias disputas em São Paulo – quando ultrapassou esse porcentual, ganhou no 2º turno

Checagem
10 de outubro de 2018
17:47
Este artigo tem mais de 5 ano
Paulo Maluf, na época em que era deputado federal: político teve o mandato cassado em agosto
Paulo Maluf, na época em que era deputado federal: político teve o mandato cassado em agosto

“Você sabe que o Maluf aqui em São Paulo quase ganhou duas eleições com mais de 45% dos votos no 1º turno, depois perdeu no 2º [turno].” – Fernando Haddad, candidato à Presidência pelo PT, em entrevista à rádio Guaíba.

Falso

Em entrevista à rádio Guaíba, em 9 de outubro, o candidato Fernando Haddad (PT) comparou o desempenho de Paulo Maluf em duas eleições com o resultado do 1º turno da atual disputa à Presidência. Jair Bolsonaro (PSL) ficou com 46,03% dos votos válidos, enquanto o petista teve 29,28%. Segundo Haddad, Maluf teve mais de 45% dos votos no 1º turno em duas eleições em São Paulo, mas perdeu na segunda etapa dessas disputas. A assessoria de imprensa do candidato não indicou as fontes. O Truco – projeto de checagem de fatos da Agência Pública – classificou a frase como falsa.

Desde a redemocratização, Maluf disputou o segundo turno quatro vezes para cargos do Executivo no município e no estado de São Paulo. De acordo com o repositório de dados eleitorais do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), na eleição para governador de 1990, Paulo Maluf (então no PDS) teve 5.872.473 dos votos (43,50%), enquanto Luiz Antônio Fleury Filho (PMDB) conseguiu 3.803.159 (28,17%). A porcentagem é inferior à citada por Haddad. No 2º turno, o peemedebista venceu a eleição com 7.368.730 votos (51,77%) contra 6.865.157 (48,23%).

Em 1992, na eleição para a prefeitura da capital paulista, Maluf conseguiu 48,85% dos votos (2.036.776). Eduardo Suplicy (PT) ficou em segundo lugar, com 30,69% dos votos (1.279.231). Contudo, diferentemente da afirmação de Haddad, ele conseguiu ser eleito com 58,08% dos votos válidos (2.805.201) contra 41,92% do seu adversário (2.024.957).

Nas eleições de 1998 para o governo do estado, Maluf – então filiado ao PPB – obteve 32,21% dos votos válidos (5.351.026), enquanto Mário Covas (PSDB) ficou com 22,95% (3.813.186). Covas conseguiu a vitória no 2º turno, com 55,37% (9.800.253), contra 44,63% de Maluf (7.900.598).

A última vez em que o político conseguiu ir para o 2º turno foi nas eleições para prefeito de 2000. No 1º turno, Maluf obteve 17,39% (960.581) e Marta Suplicy (PT) conseguiu 38,12% dos votos válidos (2.105.013). A candidata petista elegeu-se com 3.247.900 (58,51%), enquanto Paulo Maluf teve 2.303.508 (41,49%).

Wilson Dias/Agência Brasil

Precisamos te contar uma coisa: Investigar uma reportagem como essa dá muito trabalho e custa caro. Temos que contratar repórteres, editores, fotógrafos, ilustradores, profissionais de redes sociais, advogados… e muitas vezes nossa equipe passa meses mergulhada em uma mesma história para documentar crimes ou abusos de poder e te informar sobre eles. 

Agora, pense bem: quanto vale saber as coisas que a Pública revela? Alguma reportagem nossa já te revoltou? É fundamental que a gente continue denunciando o que está errado em nosso país? 

Assim como você, milhares de leitores da Pública acreditam no valor do nosso trabalho e, por isso, doam mensalmente para fortalecer nossas investigações.

Apoie a Pública hoje e dê a sua contribuição para o jornalismo valente e independente que fazemos todos os dias!

apoie agora!

Quer entender melhor? A Pública te ajuda.

Truco

Este texto foi produzido pelo Truco, o projeto de fact-checking da Agência Pública. Entenda a nossa metodologia de checagem e conheça os selos de classificação adotados em https://apublica.org/truco. Sugestões, críticas e observações sobre esta checagem podem ser enviadas para o e-mail truco@apublica.org e por WhatsApp ou Telegram: (11) 99816-3949. Acompanhe também no Twitter e no Facebook. Desde o dia 30 de julho de 2018, os selos “Distorcido” e “Contraditório” deixaram de ser usados no Truco. Além disso, adotamos um novo selo, “Subestimado”. Saiba mais sobre a mudança.

Leia também

Mensagem falsa diz que Haddad autorizou livro infantil que trata de incesto

Por

Obra foi avaliada pelo governo e distribuída em escolas públicas quando o candidato do PT não era mais ministro da Educação

O candidato à Presidência Fernando Haddad (PT), em evento da Unecs: comparação sobre desigualdade e violência está correta

Países tão desiguais como o Brasil têm violência menor

Por

Comparação de dois rankings com índice de homicídios por 100 mil habitantes mostra que afirmação de Fernando Haddad (PT) está correta

Notas mais recentes

Gênio de Uberlândia: Suposto autor de estudo contra urnas apurou fraudes para governos


Projeto de senador do PT que dá porte de armas a agentes socioeducativos avança no Senado


Alunos trans não podem usar seus banheiros em escolas, decide Comissão de Direitos Humanos


CPI da Braskem abre trabalhos no Congresso: o que isso tem a ver com a eleição em Alagoas


MPF apura denúncia de que bancos de sangue privados jogam doações de plasma em lixões


Leia também

Mensagem falsa diz que Haddad autorizou livro infantil que trata de incesto


Países tão desiguais como o Brasil têm violência menor


Faça parte

Saiba de tudo que investigamos

Fique por dentro

Receba conteúdos exclusivos da Pública de graça no seu email.

Artigos mais recentes