Buscar
Agência de jornalismo investigativo
Checagem

Pesquisa falsa coloca Bolsonaro com 52% e Haddad, com 48%

Texto diz que números vêm de levantamento interno encomendado pelo banco BTG Pactual, mas instituição não produz esse tipo de análise

Checagem
23 de outubro de 2018
17:40
Este artigo tem mais de 5 ano
O presidenciável Jair Bolsonaro, durante o debate da TV Bandeirantes, em 9 de agosto
O presidenciável Jair Bolsonaro, durante o debate da TV Bandeirantes, em 9 de agosto

“Tracking BTG que acabou de sair para o mercado financeiro: Bolsonaro, 52%; Haddad, 48%. P.S.: Votos válidos.” – Corrente sobre a disputa presidencial que circula pelo WhatsApp.

Falso

Circula no WhatsApp uma mensagem que atribui ao banco BTG Pactual um tracking da eleição presidencial “que acabou de sair”. Trackings são pesquisas de opinião feitas para monitoramento interno de empresas e campanhas políticas. A mensagem diz que a pesquisa do banco, voltada para o mercado financeiro, mostra o candidato Jair Bolsonaro (PSL) com 52% dos votos válidos, enquanto Fernando Haddad (PT) teria 48%.

O banco BTG Pactual não realiza trackings exclusivos para o mercado financeiro, apenas pesquisas oficiais de intenção de voto para presidente. Na última, divulgada em 22 de outubro de 2018, Haddad tinha apenas 40% dos votos válidos, contra 60% de Bolsonaro. Assim, o Truco – projeto de checagem de fatos da Agência Pública – classificou a corrente como falsa.

Corrente cita pesquisa falsa do BTG Pactual
Corrente cita pesquisa falsa do BTG Pactual

Procurado pela reportagem, o BTG Pactual afirmou que não realiza trackings para o mercado financeiro, apenas pesquisas presidenciais encomendadas ao Instituto FSB Pesquisa e devidamente registradas no Tribunal Superior Eleitoral (TSE). No total, foram oito pesquisas, todas encomendadas ao FSB Pesquisa, desde 27 de agosto. Depois do primeiro turno, realizado no dia 7 de outubro, foram apenas duas pesquisas divulgadas, sempre às segundas-feiras.

A mais recente foi realizada nos dias 20 e 21 de outubro e divulgada em 22 de outubro, sob o registro BR-03689/2018 no TSE. Na simulação de intenção de voto estimulada, Haddad aparece com 40% dos votos válidos e Bolsonaro tem 60%. O instituto entrevistou, por telefone, 2.000 eleitores com idade a partir de 16 anos nas 27 unidades da federação. A margem de erro no total da amostra é de 2 pontos porcentuais, com intervalo de confiança de 95%.

Em nenhum dos dois levantamentos do FSB Pesquisa feitos após o primeiro turno Haddad aparece com a porcentagem de votos válidos indicada na mensagem. Na simulação anterior, feita em 13 e 14 de outubro e divulgada no dia 15 de outubro, e registrada no TSE com o número BR-07950/2018, Haddad tinha 41% dos votos válidos e Bolsonaro tinha 59%.

A mensagem do WhatsApp traz ainda alguns elementos comuns em notícias falsas. Entre eles estão a urgência em pedir para que a corrente seja enviada para mais pessoas (“Temos que espalhar ao máximo” e “Compartilhem sem dó!”) e a falta de dados mais específicos sobre a data de realização da suposta pesquisa (“acabou de sair”).

Kelly Fuzaro/Band
Reprodução

Não é todo mundo que chega até aqui não! Você faz parte do grupo mais fiel da Pública, que costuma vir com a gente até a última palavra do texto. Mas sabia que menos de 1% de nossos leitores apoiam nosso trabalho financeiramente? Estes são Aliados da Pública, que são muito bem recompensados pela ajuda que eles dão. São descontos em livros, streaming de graça, participação nas nossas newsletters e contato direto com a redação em troca de um apoio que custa menos de R$ 1 por dia.

Clica aqui pra saber mais!

Quer entender melhor? A Pública te ajuda.

Truco

Este texto foi produzido pelo Truco, o projeto de fact-checking da Agência Pública. Entenda a nossa metodologia de checagem e conheça os selos de classificação adotados em https://apublica.org/truco. Sugestões, críticas e observações sobre esta checagem podem ser enviadas para o e-mail truco@apublica.org e por WhatsApp ou Telegram: (11) 99816-3949. Acompanhe também no Twitter e no Facebook. Desde o dia 30 de julho de 2018, os selos “Distorcido” e “Contraditório” deixaram de ser usados no Truco. Além disso, adotamos um novo selo, “Subestimado”. Saiba mais sobre a mudança.

Leia também

Encontro do candidato a presidência da República, Fernando Haddad (PT), com coletivos culturais periféricos, no Conjunto Promorar Raposo Tavares

Corrente falsa usa até homônimo para inflar processos contra Haddad

Por

Imagem que circula pelo WhatsApp diz que candidato do PT responde a 22 ações, mas ele é réu em apenas dois dos processos listados

O que é falso ou verdadeiro em corrente contra Bolsonaro

Por

Mensagem que circula no WhatsApp faz dez acusações contra o candidato, mas cinco são inverídicas e apenas três, verdadeiras

Notas mais recentes

Médico antiaborto vai representar CFM em audiência sobre violência contra mulheres


Delegado que investigou ex-assessor de Arthur Lira vira alvo da PF


Rio Grande do Sul: De culpados a cheia intencional, inundação é tema de 4,3 mi de mentiras


Quilombolas têm 98% dos territórios ameaçados, aponta instituto


Flávio Bolsonaro nega causa da crise climática em votação de projeto sobre adaptação


Leia também

Corrente falsa usa até homônimo para inflar processos contra Haddad


O que é falso ou verdadeiro em corrente contra Bolsonaro


Faça parte

Saiba de tudo que investigamos

Fique por dentro

Receba conteúdos exclusivos da Pública de graça no seu email.

Artigos mais recentes