Buscar
Nota

Após 4 dias de hesitação, governo começa a retirar invasores de terra indígena Apyterewa

2 de outubro de 2023
13:01

Com quatro dias de atraso, o governo federal colocou em marcha, na manhã desta segunda-feira (2), a operação de retirada dos invasores da Apyterewa, no sul do Pará, a terra indígena mais desmatada no país durante o governo de Jair Bolsonaro (2019-2022). A demora foi provocada por articulações políticas do governo do Pará que, segundo organizações indígenas e fontes consultadas pela Agência Pública, tentavam adiar a operação. Ela ocorre em um reduto bolsonarista governado por um prefeito do mesmo partido do governador do Pará, Helder Barbalho (MDB).

A operação mobiliza mais de 300 servidores de 14 órgãos públicos diferentes, incluindo Força Nacional, Funai e Polícia Federal. Nesta manhã, estão sendo distribuídas aos invasores cópias de um comunicado sobre a ordem de saída “imediata”. Há duas decisões judiciais pendentes de cumprimento, uma expedida pelo ministro do STF Luís Roberto Barroso e outra, pela Justiça Federal de primeira instância em Redenção (PA).

O comando da operação estima que 2 mil pessoas hoje ocupam ilegalmente a terra indígena. De acordo com o Censo de 2022, há 1.383 pessoas residentes na Apyterewa, das quais 767 são indígenas (55% do total). Nos últimos anos, de 60 a mil a 100 mil cabeças de gado foram espalhadas dentro do território indígena na tentativa de consumar o esbulho do território, de acordo com o governo.

Conforme a Pública revelou na semana passada, estava tudo pronto para o início da operação na quinta-feira (28), mas as equipes de servidores, metade das quais mobilizada em Marabá (PA), foram orientadas a paralisar os trabalhos até que houvesse uma decisão política em Brasília. 

A operação é considerada sensível por ter como cenário uma região que já registrou diversos ataques a equipes de fiscalização do Ibama pelos invasores. O discurso propagado por lideranças políticas de que o território indígena poderia ser reduzido levou ao recrudescimento da invasão. Além disso, a ação envolve órgãos diversos dentro do governo. Por isso, a ação é articulada pela Secretaria Geral da Presidência da República, em Brasília, a exemplo do que ocorreu na desintrusão da Terra Indígena Alto Rio Guamá, no Maranhão, que ocorreu em maio sem confrontos nem feridos. 

Governador silencia

A Pública confirmou junto à Casa Civil da Presidência que o governador Helder Barbalho esteve com o ministro da Casa Civil, Rui Costa, em Brasília no mesmo exato dia em que a operação deveria ter começado, na quinta-feira (28). A Casa Civil, contudo, se recusou a informar se Barbalho solicitou o adiamento da operação. 

“Em reunião ocorrida no dia de ontem (28), o ministro Rui Costa e o governador Helder Barbalho conversaram sobre diversos assuntos, entre eles a organização da COP 30, em Belém. Sobre eventuais pedidos do governador, sugerimos que consulte sua assessoria de imprensa”, disse a assessoria.

A resposta da Casa Civil só foi enviada 48 horas depois do primeiro pedido de informações encaminhado ao órgão pela Pública na quarta-feira (27). A audiência concedida por Costa a Barbalho ocorreu na quinta-feira (28). Ao retardar a resposta à reportagem, a Casa Civil evitou explicar que Barbalho estaria no prédio no dia seguinte. A agenda diária de compromissos não é publicada no mesmo dia dos eventos, apenas dias depois. A Casa Civil diz que, ao agir assim, cumpre a legislação.

A Pública também procura o governo do Pará desde a semana passada. Não houve qualquer resposta aos questionamentos. Barbalho tem se apresentado como um grande defensor da floresta amazônica porque o Brasil conseguiu, por meio de articulação política do governo Lula, atribuir a Belém (PA) a sede da conferência da ONU sobre a emergência climática prevista para novembro de 2025.

Edição:

Não é todo mundo que chega até aqui não! Você faz parte do grupo mais fiel da Pública, que costuma vir com a gente até a última palavra do texto. Mas sabia que menos de 1% de nossos leitores apoiam nosso trabalho financeiramente? Estes são Aliados da Pública, que são muito bem recompensados pela ajuda que eles dão. São descontos em livros, streaming de graça, participação nas nossas newsletters e contato direto com a redação em troca de um apoio que custa menos de R$ 1 por dia.

Clica aqui pra saber mais!

Quer entender melhor? A Pública te ajuda.

Notas mais recentes

Governo e bancada feminina da Câmara tentam aprovar Política Nacional de Cuidados


Governo define áreas de conflito que serão priorizadas em reforma agrária


Tocantins regularizou mais de 50 mil hectares com lei pró-grilagem questionada no STF


Frente ambientalista denuncia paralisação da Comissão de Meio Ambiente da Câmara


Ministra da Saúde cita dificuldades para vacinar Yanomami e adota meta de 70% até 2027


Faça parte

Saiba de tudo que investigamos

Fique por dentro

Receba conteúdos exclusivos da Pública de graça no seu email.

Artigos mais recentes