Morro da Providência sofre desocupações compulsórias para sediar projeto Porto Maravilha, com teleférico e plano inclinado para gringo ver

Morro da Providência sofre desocupações compulsórias para sediar projeto Porto Maravilha, com teleférico e plano inclinado para gringo ver

24 de janeiro de 2012
08:00
Este texto foi publicado há mais de 10 anos.
Especial: Copa Pública

No site da prefeitura do Rio de Janeiro, em letras garrafais, a manchete anuncia: “Condomínio da Providência livra famílias de áreas de risco”.

O texto segue o tom publicitário, prevendo um futuro melhor para as 119 famílias moradoras das comunidades de Pedra Lisa e Providência, que se inicia no primeiro semestre de 2012, quando elas trocarão suas casas “atualmente em situação de risco” por pequenos apartamentos em outras regiões.

Mas, já na primeira explicação, o engenheiro da Secretaria Municipal de Habitação, Glauco Campos, escorrega: “Essas unidades vão receber as famílias que estão sendo tiradas da comunidade por estarem em área de risco ou por conta de alguma outra obra nossa. Isso aqui é fundamental (para o projeto). Porque, se a gente não puder oferecer novas unidades, não tem como retirá-los dos locais onde vão acontecer as obras”.

Ou seja, a intenção real do projeto não é proteger a comunidade mais antiga do Rio – foi a partir de uma vegetação que crescia ali, a “favela”, que o termo foi popularizado – e que já está sendo removida à força.  A questão é abrir espaço para as obras do Porto Maravilha projeto ambicioso da prefeitura em parceria com empreiteiras privadas que prevê, dentre outras coisas, um teleférico, um plano inclinado, e outras “melhorias” para gringo ver, quando os megaeventos chegarem.

Não vamos sair

A violência contra a população da Providência – que em 2010 recebeu a primeira UPP -, está documentada em um vídeo produzido pela Anistia Internacional, que traz depoimentos como o da moradora Rosete Marinho, afirmando que a comunidade não vai sair “só porque querem construir o Porto Maravilha” e tirar as “casas feias” da favela.

Os moradores também denunciam que suas casas são marcadas para demolição sem nenhum aviso.

Cada vez que um morador se rende à pressão da prefeitura e sua casa é demolida, as casas ao redor têm suas estruturas abaladas. É isso que estaria provocando a situação de risco, usada como pretexto para a prefeitura desalojá-los.

Aos que resolvem sair, é oferecido apenas um aluguel social de R$ 450, sem indenizá-los pela construção.

O número de famílias a ser removidas também é bem maior do que o anunciado no site da prefeitura: segundo engenheiros voluntários do CREA-RJ, ao menos 832 famílias devem ser desalojadas para a implantação do projeto.

Segundo o parecer técnico dos engenheiros, realizado nas Comunidades da Providência e Pedra Lisa, e divulgado pelo Fórum Comunitário do Porto que você pode ler na íntegra AQUI,“há inúmeros indicadores que demonstram que as necessidades dos moradores dessas duas comunidades ficaram relegadas no projeto de urbanização, o que se explica pelo fato de esse projeto, como todas as intervenções previstas na região da Zona Portuária, envolver interesses especulativos de grandes grupos privados, fazendo parte de um “pacote” que, sob o eufemismo da “revitalização”, pretende abrir novas fronteiras para o lucro privado, utilizando-se, para tanto, de fartos recursos públicos, além da apropriação de imóveis públicos que correspondem a 70% dos terrenos vazios existentes nessa região”.

Veja o vídeo:

O blog Copa Pública é uma experiência de jornalismo cidadão que mostra como a população brasileira tem sido afetada pelos preparativos para a Copa de 2014 – e como está se organizando para não ficar de fora.

 

O blog Copa Pública é uma experiência de jornalismo cidadão que mostra como a população brasileira tem sido afetada pelos preparativos para a Copa de 2014 – e como está se organizando para não ficar de fora.

Precisamos te contar uma coisa: Investigar uma reportagem como essa dá muito trabalho e custa caro. Temos que contratar repórteres, editores, fotógrafos, ilustradores, profissionais de redes sociais, advogados… e muitas vezes nossa equipe passa meses mergulhada em uma mesma história para documentar crimes ou abusos de poder e te informar sobre eles. 

Agora, pense bem: quanto vale saber as coisas que a Pública revela? Alguma reportagem nossa já te revoltou? É fundamental que a gente continue denunciando o que está errado em nosso país? 

Assim como você, milhares de leitores da Pública acreditam no valor do nosso trabalho e, por isso, doam mensalmente para fortalecer nossas investigações.

Apoie a Pública hoje e dê a sua contribuição para o jornalismo valente e independente que fazemos todos os dias!

Mais recentes

TRE desaprova prestação de contas de Rosângela Moro, eleita deputada federal

9 de dezembro de 2022 | por

"Inconsistências graves" representam mais de 30% dos gastos de campanha, diz parecer da área técnica

Suspeito de agredir mulher em ato contra Estatuto do Nascituro participa de atos golpistas

8 de dezembro de 2022 | por e

Alex Sandro Viana está entre os bolsonaristas acampados em frente a um quartel do Exército em Brasília

Doadores bancaram R$ 8 milhões para eleição de políticos da tropa de choque bolsonarista

7 de dezembro de 2022 | por

Mapeamos os principais doadores de 30 dos deputados federais do PL mais alinhados com o bolsonarismo