Os comitês populares de diversas cidades já estão discutindo a Copa do Mundo de 2014 – e produzindo arte sobre o tema

Os comitês populares de diversas cidades já estão discutindo a Copa do Mundo de 2014 – e produzindo arte sobre o tema

3 de fevereiro de 2012
07:00
Este texto foi publicado há mais de 10 anos.
Especial: Copa Pública

O cartunista e jornalista gaúcho Leandro Dóro fez uma série de charges a partir dos problemas discutidos nas reuniões dos Comitês Populares das 12 cidades que receberão a Copa do mundo, no Fórum Social Temático que aconteceu em janeiro em Porto Alegre.

Os comites, formados por moradores de comunidades ameaçadas, organizações não governamentais, urbanistas, professores e cidadãos em geral condenaram os despejos que já aconteceram em nome dos megaeventos e discutiram estratégias para barrar a Lei Geral da Copa, considerada abusiva em vários aspectos.

” Não sou dos que creêm que a Copa do Mundo é um mal para o Brasil, mas sim uma oportunidade para obter visibilidade e mercado internacional, tão necessário para equilibrar a balança comercial” Explica Dóro. “Ainda acredito ser uma boa maneira de gerar melhorias às cidades que, devido a burocracia, demorariam décadas para ocorrer. Mas o poder público e os empresários estão tentando se aproveitar da premissa da pressa para, mais uma vez, gerar desmandos”.

“Infelizmente a população carente brasileira sempre foi manipulada pela elite que a nega e a exclui. Através da janela dos seus apartamentos com ar-condicionado e de seus automóveis hermeticamente fechados enxergam um país que desejam higienizar como fariam com a área de serviço de qualquer apartamento ou casa” diz. “A luta pelos direitos das comunidades carentes precisa persistir, por mais difícil que seja” conclui o cartunista.

O blog Copa Pública é uma experiência de jornalismo cidadão que mostra como a população brasileira tem sido afetada pelos preparativos para a Copa de 2014 – e como está se organizando para não ficar de fora.

 

Precisamos te contar uma coisa: Investigar uma reportagem como essa dá muito trabalho e custa caro. Temos que contratar repórteres, editores, fotógrafos, ilustradores, profissionais de redes sociais, advogados… e muitas vezes nossa equipe passa meses mergulhada em uma mesma história para documentar crimes ou abusos de poder e te informar sobre eles. 

Agora, pense bem: quanto vale saber as coisas que a Pública revela? Alguma reportagem nossa já te revoltou? É fundamental que a gente continue denunciando o que está errado em nosso país? 

Assim como você, milhares de leitores da Pública acreditam no valor do nosso trabalho e, por isso, doam mensalmente para fortalecer nossas investigações.

Apoie a Pública hoje e dê a sua contribuição para o jornalismo valente e independente que fazemos todos os dias!

Mais recentes

Garimpo ilegal utilizou base da Funai que deveria proteger Yanomami, mostra ofício inédito

27 de janeiro de 2023 | por

Documento de 2021 cita helicópteros clandestinos, homens armados e garimpo utilizando estrutura do governo dentro da TI

Gravações colocam governador do MT sob suspeita de tramar contra jornalista

26 de janeiro de 2023 | por

Infiltrado no esquema, repórter denunciou intenção de atingir o colega, Alexandre Aprá, que desagradava governador

Primeiras imagens do STF mostram facilidade de bolsonaristas na invasão ao Tribunal

25 de janeiro de 2023 | por

Policiais não barraram acesso de grupos golpistas; Polícia Judicial deixou vulnerável prédio principal