AGÊNCIA DE REPORTAGEM E JORNALISMO INVESTIGATIVO

Microbolsas para Reportagem Investigativa – Agência Pública

Regulamento para seleção e produção das Microbolsas para Reportagem Investigativa da Pública, projeto voltado a jornalistas freelancers e independentes do Brasil, com apoio da Ford Foundation.

“Jornalismo genuinamente objetivo é aquele que não apenas apura os fatos, mas compreende o significado dos acontecimentos. É impactante não apenas hoje, mas resiste à passagem do tempo. É validado não apenas por ‘fontes confiáveis’, mas pelo desenrolar da história. E dez, vinte, quinze anos depois ainda serve como espelho verdadeiro e inteligente do que aconteceu” – T.D.Allman 

REGULAMENTO

Condições para seleção e produção das Microbolsas para Reportagem Investigativa da Pública, projeto voltado a jornalistas freelancers e independentes do Brasil, com apoio da Ford Foundation.

OBJETIVOS

A Pública, primeira agência de jornalismo investigativo sem fins lucrativos do Brasil, tem como missão incentivar, produzir e difundir conteúdo jornalístico de qualidade pautado pelo interesse público, resgatando o papel do jornalismo como ferramenta da sociedade.

Buscando qualificar o debate democrático sobre temas importantes para o país, a Pública trabalha para estimular a produção e a cobertura de pautas que contribuam para a transparência pública, a justiça social e a defesa intransigente dos direitos humanos.

O projeto das microbolsas de reportagem investigativa faz parte dos esforços para alcançar esses objetivos gerais, com o foco específico nos repórteres que pretendem produzir jornalismo investigativo independente, inovador e em sintonia com as oportunidades que o momento atual oferece.

Destina-se, portanto, a jornalistas com experiência em reportagem e interesse em trabalhar com temas de interesse público de maneira independente, sem vínculo de exclusividade com veículos de mídia.

As reportagens devem ser realizadas em formato adequado à publicação online no site da Pública, em texto, incluindo fotos, ou vídeo (com o roteiro escrito).

INSCRIÇÕES

Serão elegíveis a 4 microbolsas para reportagem investigative no valor de R$ 4.000,00 os projetos apresentados por jornalistas profissionais, diplomados ou não, com comprovada experiência em realização de pautas de maneira independente.

As inscrições devem ser feitas até o dia 30 de março de 2012 (anteriormente dia 23 de março) através do email contato.publica@gmail.com, tendo como título das mensagem “Microbolsas”. Os responsáveis pela proposta receberão a confirmação das suas inscrições após o prazo final.

As propostas de reportagem inscritas podem ter um ou mais autor, devidamente identificados.

A Pública se compromete a não divulgar os projetos de reportagem, nem se utilizar das pautas enviadas.

Para evitar dúvidas futuras, dois conselheiros da Pública – Carlos Azevedo e Jan Rocha – receberão uma cópia com todos os projetos da agência para os próximos meses.

COMO SE INSCREVER

O projeto inscrito deve ser apresentado por meio de arquivo de word, com tamanho máximo de 3 páginas. Deve conter:

a) pequena biografia do jornalista proponente focada na experiência professional, com link de reportagens investigativas realizadas de maneira independente. Se for necessário o proponente deve anexar arquivos em PDF à proposta.

b) proposta de pauta inédita detalhada, com pesquisa inicial, contexto, relevância e possíveis fontes

c) plano de trabalho, incluindo tempo de pesquisa, viagens, métodos jornalísticos a serem empregados e produtos a serem entregues (texto, fotos, vídeo, infograficos).

d) duas referências profissionais, com telefones de contato

e) Plano de orçamento, incluindo todos custos (passagens, transportes, diárias) e o pagamento do repórter, na proporção que ele escolher.

DO JULGAMENTO

A avaliação final que selecionará os melhores projetos inscritos será realizada por uma Comissão Julgadora, composta por cinco conselheiros da Pública – Carlos Azevedo, Eliane Brum, Jan Rocha, Leonardo Sakamoto e Ricardo Kostcho – e pelas coordenadoras Marina Amaral e Natalia Viana.

A Comissão Julgadora levará em conta os seguintes critérios:

– consistência na pré-apuração

– originalidade e relevância da pauta

– experiência do repórter e capacidade de realizar reportagens de forma independente.

– segurança e viabilidade da investigação

– recursos e métodos jornalisticos a serem utilizados

DA PREMIAÇÃO

Os projetos selecionados serão apresentados no dia 9 de abril de 2012 (anteriormente, dia 2 de abril) em nosso site, e os finalistas receberão também uma comunicação por email acompanhada de um termo de compromisso que deve ser assinado e devolvido à Pública.

O termo de compromisso não consitutiu vínculo empregatício, nem a Pública se responsabiliza por quaisquer questões de saúde, previdência ou impostos por parte dos vencedores durante a produção do trabalho.

Os vencedores receberão metade da verba total (R$2.000) a título de adiantamento e a segunda metade depois da realização da reportagem. O pagamento do repórter fica a seu critério, de acordo com o plano de trabalho. Será necessário também apresentar notas fiscais de gastos.

O prazo de realização da reportagem é de três meses, encerrando-se no dia 3 de julho. No caso do projeto não ser concluído o vencedor deverá devolver integralmente o valor recebido.

A cada 15 dias os premiados farão reunião de planejamento/acompanhamento das reportagens com as coordenadoras da Pública. As reuniões podem ser realizadas remotamente. Na impossibilidade desse contato – viagens para locais distantes por exemplo – serão fixadas novas datas, sem exceder o prazo máximo de 21 dias.

A Pública se reserva o direito de editar o conteúdo final das reportagens em contato com o repórter, dentro do espírito colaborativo que vigora na organização.

Respeitadas todas as etapas previstas nesse regulamento e no projeto de investigação jornalística, depois da publicação da reportagem, os selecionados receberão um certificado de participação no projeto Microbolsas Pública.

Os recursos das Microbolsas podem ser utilizados para pagamento de salários e gastos com viagens e pesquisas, por exemplo.

As reportagens geradas pelas propostas vencedoras serão publicadas ou levadas ao ar entre os meses de junho e outubro de 2012, no site da Pública.

Os autores cederão à Pública o direito de reproduzir seus trabalhos em outros produtos (livro, web, cd etc.).

Lembramos que a Pública trabalha em sistema de creative commons e, portanto, todas as reportagens poderão ser republicadas livremente por outros veículos sem ferir direitos autorais.

Para saber o que é jornalismo investigativo, recomendamos a leitura deste compilado da Abraji (Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo).

Para dúvidas ou mais informações: 11 3661-3887.

Tags: ,

Comentários

Opte por Disqus ou Facebook

  • Ana Carolina Abiahy

     ” jornalistas profissionais, diplomados ou não” lamentável que um concurso não valorize a necessidade da formação acadêmica do profissional! vou divulgar, mas com essa ressalva… uma pena que uma instituição não dê valor à formação universitária no campo de atuação!

  • Prostituta Investigativa

    Padeiro, açougueiro, camelô, médico, engenheiro, advogado, prostituta e até jornalista podem participar deste concurso de jornalismo investigativo. Dois erros são destacados: Existe algum tipo de jornalismo que não seja investigativo? Jornalismo não deveria ser feito só por jornalistas?

  • JAck

    A ideia do concurso é muito boa, porém, cheia de burocracia em suas regras, assim é difícil manter umas rotina equilibrada entre trabalho fixo e trabalho remoto no caso da reportagem. É basicamente um TCC com verba.

A jararaca vai para o pau 14

| por | 30 de novembro de 2017

À frente nas pesquisas para 2018 e condenado por Moro, Lula radicaliza discurso e pede para ser julgado pelo povo. Divórcio de Palocci, a quem considerava o homem mais inteligente do Brasil, é mais uma pedra no caminho