Apoie!

Seja aliada da Pública

Seja aliada

Agência de Jornalismo Investigativo

Gabinete que coordena ações da inteligência brasileira confima visita de agente da Stratfor – mas se nega a revelar mais.

2 de maio de 2012
15:32

No final de março, ao ser procurado para a reportagem Os Alunos de Clouseau, realizada a partir dos documentos da empresa de inteligência Stratfor vazados pelo WikiLeaks, o GSI garantiu que o ministro José Macedo Soares daria uma entrevista à Pública quando voltasse de férias.

Macedo Soares aparece nos documentos relatando diversas informações sensíveis à agente da Stratfor, uma empresa de inteligência que tem entre seus clientes diversas corporações e também alguns departamentos do governo americano. Ele teria dito que a inteligência brasileira capturou vários ‘terroristas’ em São Paulo – pessoas da Al Qaeda, Hezbollah, e até pessoas ligadas aos ataques de 11 de setembro – mas não iria admitir isso publicamente. Também teria afirmado que há alvos de terrorismo no Brasil, inclusive uma “casa noturna israelense” em São Paulo. Além disso, Bhalla teria ouvido que o combate à entrada de precursores químicos na Amazônia teria ajudado na explosão do consumo de crack no país.

Depois de publicada a reportagem, o GSI respondeu por escrito. As respostas, enviadas em meados de abril, são um verdadeiro show de falta de transparência no trato governamental. Das dez questões, apenas cinco foram, parcialmente, respondidas.

O GSI confirma a visita da analista, no dia 06 de janeiro de 2011, “em virtude de solicitação formulada por um colega do Ministério das Relações Exteriores” – sem revelar o nome. Além do ministro, estavam presentes no encontro o Secretário de Acompanhamento e Assuntos Institucionais, Carlos Alberto Matias, e outro assessor do GSI (de novo, sem dar o nome).

O encontro teria sido “sobre os trabalhos realizados pela Stratfor, a instalação dessa empresa no Brasil e a intenção da Sra. Reva Bhalla de visitar outros órgãos, tais como os Ministérios da Defesa e Relações Exteriores”. Ele escreve ainda, que, “na ocasião, foi entregue a ela um mapa, sem valor geopolítico”. Além disso, Reva Bhalla teve a oportunidade de cumprimentar o Ministro-Chefe do Gabinete de Segurança Institucional em seu gabinete, brevemente.

A assessoria não responde se o GSI ou a Abin assinam os boletins da Stratfor, mas diz que o Ministro os assina em caráter particular.

Sobre os questionamentos a respeito das relações do Núcleo do Centro de Coordenação das Atividades de Prevenção e Combate ao Terrorismo com agências de segurança e inteligência americanas, o GSI apenas informa que o órgão “encontra-se inativo”.

As perguntas sobre como esse órgão atuava, de que forma os terroristas mencionados por Bhalla nas trocas de e-mail foram capturados ou quais seriam as medidas tomadas contra o terrorismo haja vista a Copa do Mundo de 2012, não foram respondidas.

A pergunta feita sobre a afirmação de Bhalla a respeito da expansão do crack no Brasil – que seria um efeito colateral do controle aos insumos para fabricação de cocaína – também não foi respondida pelo órgão. O GSI não ofereceu nenhum dado a respeito do controle aos insumos que entram no país.

Baixe aqui a íntegra da resposta.

 

Seja aliada da Pública

Faça parte do nosso novo programa de apoio recorrente e promova jornalismo investigativo de qualidade. Doações a partir de R$ 10,00/mês.

Mais recentes

O Estado não existe na terra indígena mais letal para os guardiões da floresta

5 de dezembro de 2019 | por

Fomos até a Terra Indígena Arariboia no Maranhão, onde nasceram os Guardiões da Floresta, para investigar as mais de 20 mortes de indígenas que até hoje seguem impunes

Testemunhas oculares desmentem versão da polícia sobre mortes em Paraisópolis

4 de dezembro de 2019 | por

Nosso repórter conversou com pessoas que moram, trabalham ou estavam no baile que se transformou em massacre com a entrada da PM; nenhum deles confirma a versão da polícia

Dom Erwin: “Tirar as condições de vida de povos é matar, é contra o mandamento de Deus”

4 de dezembro de 2019 | por

Bispo emérito do Xingu, que atua há anos no Pará sob escolta devido a ameaças, falou à Pública sobre a onda de ataques à floresta sob o governo Bolsonaro