Apoie!

Seja aliada da Pública

Seja aliada

Agência de Jornalismo Investigativo

Gabinete que coordena ações da inteligência brasileira confima visita de agente da Stratfor – mas se nega a revelar mais.

2 de maio de 2012

No final de março, ao ser procurado para a reportagem Os Alunos de Clouseau, realizada a partir dos documentos da empresa de inteligência Stratfor vazados pelo WikiLeaks, o GSI garantiu que o ministro José Macedo Soares daria uma entrevista à Pública quando voltasse de férias.

Macedo Soares aparece nos documentos relatando diversas informações sensíveis à agente da Stratfor, uma empresa de inteligência que tem entre seus clientes diversas corporações e também alguns departamentos do governo americano. Ele teria dito que a inteligência brasileira capturou vários ‘terroristas’ em São Paulo – pessoas da Al Qaeda, Hezbollah, e até pessoas ligadas aos ataques de 11 de setembro – mas não iria admitir isso publicamente. Também teria afirmado que há alvos de terrorismo no Brasil, inclusive uma “casa noturna israelense” em São Paulo. Além disso, Bhalla teria ouvido que o combate à entrada de precursores químicos na Amazônia teria ajudado na explosão do consumo de crack no país.

Depois de publicada a reportagem, o GSI respondeu por escrito. As respostas, enviadas em meados de abril, são um verdadeiro show de falta de transparência no trato governamental. Das dez questões, apenas cinco foram, parcialmente, respondidas.

O GSI confirma a visita da analista, no dia 06 de janeiro de 2011, “em virtude de solicitação formulada por um colega do Ministério das Relações Exteriores” – sem revelar o nome. Além do ministro, estavam presentes no encontro o Secretário de Acompanhamento e Assuntos Institucionais, Carlos Alberto Matias, e outro assessor do GSI (de novo, sem dar o nome).

O encontro teria sido “sobre os trabalhos realizados pela Stratfor, a instalação dessa empresa no Brasil e a intenção da Sra. Reva Bhalla de visitar outros órgãos, tais como os Ministérios da Defesa e Relações Exteriores”. Ele escreve ainda, que, “na ocasião, foi entregue a ela um mapa, sem valor geopolítico”. Além disso, Reva Bhalla teve a oportunidade de cumprimentar o Ministro-Chefe do Gabinete de Segurança Institucional em seu gabinete, brevemente.

A assessoria não responde se o GSI ou a Abin assinam os boletins da Stratfor, mas diz que o Ministro os assina em caráter particular.

Sobre os questionamentos a respeito das relações do Núcleo do Centro de Coordenação das Atividades de Prevenção e Combate ao Terrorismo com agências de segurança e inteligência americanas, o GSI apenas informa que o órgão “encontra-se inativo”.

As perguntas sobre como esse órgão atuava, de que forma os terroristas mencionados por Bhalla nas trocas de e-mail foram capturados ou quais seriam as medidas tomadas contra o terrorismo haja vista a Copa do Mundo de 2012, não foram respondidas.

A pergunta feita sobre a afirmação de Bhalla a respeito da expansão do crack no Brasil – que seria um efeito colateral do controle aos insumos para fabricação de cocaína – também não foi respondida pelo órgão. O GSI não ofereceu nenhum dado a respeito do controle aos insumos que entram no país.

Baixe aqui a íntegra da resposta.

 

Seja aliada da Pública

Faça parte do nosso novo programa de apoio recorrente e promova jornalismo investigativo de qualidade. Doações a partir de R$ 10,00/mês.

Comentários de nossos aliados

 Ver comentários

Esta é a área de comentários dos nossos aliados. Quer se tornar aliado? Clique aqui!

Carregando…
Você precisa ser um aliado para comentar.
Só aliados podem denunciar comentários.
Fechar

Explore também

Parte IV: No horizonte, a retirada das tropas…

27 de setembro de 2011 | por e

Ex-representante da OEA reclama de interferência políticae diz que missão de segurança perdeu sentido depois do terremoto

Os russos estão chegando

13 de maio de 2014 | por

A dica veio do parceiro Jeremy Bigwood: vale a pena ler o blog de William Blum, analista – crítico – da política externa americana, oficial e não-oficial, no mundo

Morte por mil mordidas, corrupção municipal no Brasil

7 de julho de 2011 | por

Telegrama fala sobre formas de corrupção que acontecem nos municípios brasileiros. Segundo o texto, são como "picadas de formigas de fogo”.

Mais recentes

Dos barões amigos de meu avô às prisões de hoje

18 de junho de 2019 | por

O repórter Matias Maxx conta a história por trás de sua bombástica reportagem sobre a vida de presos não pertencentes a facções

Crédito de bancos permite “fluir a economia” ligada ao trabalho escravo, diz procurador do MPT

17 de junho de 2019 | por

Segundo Rafael de Araújo Gomes, é a primeira vez no mundo que uma ação tenta responsabilizar os bancos pelo financiamento de empresas denunciadas na lista suja

Disputa por terra pode ter levado a assassinato de sindicalista no Pará

13 de junho de 2019 | por

Polícia Civil de Rio Maria trabalha com duas linhas principais de investigação para a morte com sinais de execução de Carlos Cabral; nossa reportagem esteve lá e conta como os conflitos de terra fazem da região a líder de chacinas no país

Login para aliados

Participe e seja aliado.

Fechar