Documento realizado a 40 mãos na África do Sul diz que comitês locais precisam ter cuidado ao anunciar os benefícios de megaeventos

Documento realizado a 40 mãos na África do Sul diz que comitês locais precisam ter cuidado ao anunciar os benefícios de megaeventos

27 de julho de 2012
09:00
Este texto foi publicado há mais de 9 anos.
Especial: Copa Pública

Pela segunda vez, a Pública se debruça sobre o legado da Copa da África do Sul – e de megaeventos como as Olimpíadas de Londres – a partir de estudos realizados por estudiosos africanos.

Trata-se do documento resultante de um simpósio internacional realizado pela University of the Western Cape, Flemish Government e Flemish Interuniversiray Council em março de 2008 na Cidade do Cabo. A ideia era discutir os impactos reais da Copa do Mundo que aconteceria em 2010 através da análise de 40 pesquisadores africanos, para minimizar os efeitos negativos e ampliar os positivos, antes, durante e principalmente depois dos jogos.

O documento já refletia, inclusive, sobre o possível impacto das Olimpíadas de Londres, que têm início oficial nesta sexta-feira.

O comitê olímpico dos jogos de Londres 2012 precisa ter cuidado ao apresentar o potencial do ‘efeito olímpico’, evitando criar expectativas que não podem cumprir. Os Jogos de Commonwealth (comunidade das nações ligadas ao governo britânico) não tiveram nenhum impacto mensurável. A menos que as Olimpíadas estejam inseridas em uma estratégia de desenvolvimento em longo prazo, é muito pouco provável que tenham qualquer impacto. 

O texto afirma que, embora a Organização das Nações Unidas (ONU) enxerge o esporte como ferramenta para que se alcancem os Objetivos do Milênio (oito metas a serem alcançadas pelos países até 2015), sozinho ele não produz efeitos positivos ou negativos. Um bom planejamento, ações pensadas e sustentáveis são necessárias para desbloquear este potencial.

Segundo o documento, enquanto a propaganda oficial promete que ao receber um megaevento o país recebe capital estrangeiro através do turismo e a população ganha com o desenvolvimento das cidades, o que geralmente se vê é uma série de violações de direitos humanos, causando graves dificuldades e miséria.

Este lado obscuro dos megaeventos está em contraste gritante com os ideais admiráveis que frequentemente são citados nas cerimônias de abertura.

O relatório também explica que países em desenvolvimento tendem a usar megaeventos esportivos de maneira diferente dos países desenvolvidos. Na África do Sul, por exemplo, o desejo era reconectar o país com o resto do mundo, mostrar que era um lugar “civilizado”, renascido, capaz de receber turistas. Um ano após o megaevento, a imprensa noticiava que os hotéis luxuosos que foram construidos para essa nova fase estavam às moscas – alguns fechando as portas.

Comitês locais mentiram

O documento fala que as expectativas criadas pelo comitê organizador local para a Copa de 2010 eram de que, em curto prazo, 159.000 postos de trabalho seriam criados, a contribuição para o PIB seria de R$ 51,1 bilhões e as receitas fiscais de R$ 7,2 bilhões.

Seis novos estádios de futebol seriam entregues e mais quatro seriam atualizados para o evento de 2010. Novas obras de infraestrutura, melhora no transporte público e a renovação urbana também eram esperadas.

Mas a dois anos da Copa, os pesquisadores mostravam-se pessimistas, explicando que estas previsões foram feitas de forma tendenciosa e oportunista pelo comitê local responsável pela organização dos jogos, e que na verdade outros megaeventos passados foram decepcionantes.

Na Alemanha a expectativa era de um aumento de dois milhões de euros nas vendas do varejo, mas as vendas em junho e julho de 2006 foram menores do que as do mesmo período em 2005. Aparentemente, o consumo é desviado para os parceiros da Fifa nos jogos e nas fan parks.

 

Finalmente, os pesquisadores africanos reivindicavam que organizadores locais e internacionais de megaeventos acordem para o fato de que estes não acontecem em um vácuo social, especialmente nos países em desenvolvimento. É importante promover o esporte local e principalmente ser legitimo quanto ao legado, com documentos que justifiquem a propaganda.

Para os estudiosos, a participação efetiva da sociedade desde o início dos preparativos também é essencial. Eles também sugerem a criação de uma agenda de desenvolvimento que inclua a criação de empregos a provisão de habitação acessível, o apoio a pequenos negócios, o planejamento dos transportes, melhoras efetivas para os municípios e mais uma vez a participação da comunidade – que eles apontam como uma tarefa não tão simples.

É preciso ter em mente que a tarefa do Comitê Organizador Local e internacional é a de incluir os interesses de todos, a fim de criar um método em que todos ganhem, em situações diversas e heterogêneas

O documento também sugere que seja criado um estudo de impacto que sirva de referência para outros países no futuro.

Infelizmente, quatro anos depois – e nos primeiros dias das Olimpíadas de Londres– nada disso foi feito.

Leia o texto na íntegra (em inglês) AQUI

Leia entrevista com opesquisador sulafricano Eddie Cottle aqui


Seja aliada da Pública

Todos precisam conhecer as injustiças que a Pública revela. Ajude nosso jornalismo a pautar o debate público.

O blog Copa Pública é uma experiência de jornalismo cidadão que mostra como a população brasileira tem sido afetada pelos preparativos para a Copa de 2014 – e como está se organizando para não ficar de fora.

Mais recentes

Imagem mostra área alagada e com risco de desabamento, graças às chuvas intensas

2022 e clima: “Não precisamos esperar o futuro, o clima já está mudando”, diz pesquisador

21 de janeiro de 2022 | por

Eventos climáticos extremos serão cada vez mais extremos — e rotina —, diz José Marengo, climatologista classificado pela Reuters como um dos cientistas mais influentes do mundo

Em uma sala de uma unidade de saúde, enfermeiras aplicam teste de coronavírus em pacientes

2022 e a pandemia: Ômicron, vacinas e o futuro da covid-19 no Brasil segundo pesquisadores

20 de janeiro de 2022 | por e

Entrevistamos três cientistas para saber se estamos no início do fim da pandemia ou não, quais as perspectivas para os próximos meses e os riscos que a covid-19 ainda reserva

De modelo internacional à extinção: como morre uma política pública

19 de janeiro de 2022 | por , e

Programa de diversificação do cultivo de tabaco que beneficia agricultores do setor foi alterado no governo Bolsonaro. Detalhe: o programa era referência internacional