Agência de Jornalismo Investigativo

Edição extra do Concurso de Microbolsas terá como tema os preparativos para a Copa do Mundo; serão financiadas quatro reportagens investigativas no valor de R$ 4 mil

12 de novembro de 2013

A Pública está em busca de repórteres que queiram contar boas histórias e também investigar os preparativos da Copa do Mundo no Brasil. Se você já trabalha na cobertura esportiva e tem aquela pauta engavetada, essa é a hora de torná-la possível. Todas as reportagens podem ser publicadas também pelo seu veículo, em parceria com a Agência Pública!

Vamos distribuir quatro microbolsas no valor de R$ 4 mil para a realização de boas reportagens investigativas sobre a Copa do Mundo, que serão publicadas no site da Agência Pública e em jornais e sites parceiros.

As reportagens escolhidas vão fazer parte do blog Copa Pública, uma experiência de jornalismo cidadão que mostra como a população brasileira tem sido afetada pelos preparativos para a Copa de 2014 – e como está se organizando para não ficar de fora. Veja aqui as reportagens já produzidas pela nossa equipe.

Todas as reportagens vão ser coordenadas e orientadas pela equipe da Pública, no espírito colaborativo que marca nosso trabalho.

Leia o regulamento do Concurso.

Está no ar a edição extra do Concurso de Microbolsas
Está no ar a edição extra do Concurso de Microbolsas

Para se inscrever, basta preencher o formulário com as informações sobre a sua pauta, até o dia 6 de dezembro. O resultado final será divulgado no dia 11 de dezembro e a publicação das reportagens escolhidas está prevista para o primeiro semestre de 2014.

Veja abaixo as perguntas mais frequentes

– A inscrição é individual ou pode ser em dupla/grupo?

A inscrição pode ser realizada tanto individualmente como em grupo. A diferença, é que no caso da inscrição em grupo, o valor da premiação (R$ 4 mil) será dividido entre todos os componentes.

– Quem trabalha em algum veículo pode se inscrever?

Sim. Aquelas pessoas que têm interesse em inscrever um projeto, mas trabalham para algum outro veículo devem confirmar junto ao seu local de trabalho se o contrato prevê exclusividade. Caso não haja exclusividade e o veículo também tenha interesse em republicar a reportagem vencedora, a Pública está aberta para uma parceria com o veículo.

– Estudante pode se inscrever? Mas como eu vou comprovar experiência em reportagem investigativa?

Sim, estudantes podem participar. No caso específico de estudantes, a Pública aceita como exemplos reportagens realizadas durante a faculdade. O estudante deve provar ser capaz de realizar uma pauta bem apurada, com múltiplas fontes.

– E se eu não conseguir realizar a minha pauta, o que acontece?

Se mesmo sob orientação o microbolsista não conseguir realizar a pauta, o caso será analisado pela equipe da Pública para que se encontre uma solução viável. Em último caso, o microbolsista deverá devolver o dinheiro recebido através do concurso.

[relacionados]

– Eu moro longe de São Paulo. Posso participar?

Sim. Interessados que não residam em São Paulo podem sim participar do concurso. Nesse caso, as reuniões com as editoras da Pública serão realizadas via skype, em datas pré-definidas.

– Pode ser projeto de infografia ou animação?

Sim. A Pública busca por novas narrativas dentro do Jornalismo, e incentiva projetos que apresentem dados e histórias de maneira visualmente atraente, interativa e inovadora. Mas o crucial é a apuração e a boa reportagem, independente do formato.

– O prêmio de R$ 4 mil pode ser utilizado apenas para o pagamento do repórter?

Sim. Uma vez tendo sua pauta escolhida, o repórter tem autonomia na utilização do dinheiro recebido da maneira que lhe convier.

– Posso fazer uma viagem para o exterior?

Sim. Como dito anteriormente, uma vez tendo sua pauta escolhida, o repórter tem autonomia na utilização do dinheiro recebido da maneira que lhe convier. A Pública não cobre custos de saúde e vai avaliar caso a caso os riscos para o repórter e a capacidade de realizar a pauta.

 – Tem que ser brasileiro para poder participar?

Não. O concurso está aberto para jornalistas estrangeiros. Porém, todas as reportagens devem ser apresentadas em português.

– A Pública oferece identificação provisória (crachá)?

Sim.

– E sobre a segurança do repórter? Como a Pública pode ajudar?

As pautas serão pré-selecionadas pela equipe da Pública, e apenas as pautas que oferecem o mínimo de segurança para o repórter serão votadas pelo público. Ainda assim, solicitamos que o repórter considere os gastos com seguro no orçamento, caso isso seja necessário.

– Qual é o prazo final para a entrega da reportagem?

O prazo será definido pelo repórter e pelo editor responsável por coordenar a reportagem.

– Quando as reportagens serão publicadas?

As reportagens serão publicadas a partir de fevereiro, à medida que forem entregues à Agência Pública.

– Onde a reportagem será publicada?

A reportagem será publicada no site da Pública (http://apublica.org), que distribuiu o conteúdo via licença Creative Commons, podendo ser republicado em mais de 60 veículos parceiros.

Sua dúvida não foi respondida? Envie-nos um email: contato.publica@gmail.com

Explore também

Rio, recordista de tuberculose em tempos olímpicos

12 de maio de 2016 | por

O município do Rio tem a maior taxa de mortalidade por tuberculose do país: mais de uma pessoa por dia. Para erradicar a doença é urgente urbanizar as favelas, explicam estudiosos

“Não estamos preparados para aceitar que as mulheres são as mães que podem ser”, diz pesquisadora

1 de agosto de 2018 | por

Laura Davis Mattar, doutora em saúde pública pela USP, é coautora de artigo que aponta as desigualdades de direitos entre as mães estabelecidas pela hierarquia social e perpetuadas por leis e práticas de um direito “feito por homens”

Operação policial financiada por empresários cariocas mira moradores de rua

19 de fevereiro de 2016 | por

Patrulhamento é pago pela Federação do Comércio, que escolheu os bairros a serem atendidos, no Rio de Janeiro. “Você sabe, como em qualquer lugar do mundo, quem financia escolhe”, diz secretário do governo

Mais recentes

Como a internet está matando a democracia

19 de março de 2019 | por

Em entrevista à Pública, o pesquisador e autor inglês Jamie Bartlett diz que hoje em dia cuidar do nosso comportamento online é mais importante que votar

Um ministro em órbita

18 de março de 2019 | por

Falta de articulação política de Pontes, titular do Ministério da Ciência e Tecnologia, um dos “patinhos feios” do Planalto, preocupa comunidade científica, que aguarda implantação de projetos

Atmosfera em universidades brasileiras preocupa organização internacional que protege acadêmicos ameaçados

18 de março de 2019 | por

Em entrevista à Pública, pesquisadora do Scholars at Risk diz que tem sido procurada por professores que querem deixar o país temendo pela própria vida