Agência de Jornalismo Investigativo

Tapajós, um rio em disputa

11 de Fevereiro de 2015

Às vésperas de perderem suas terras para mais uma megausina hidrelétrica estratégica para o governo federal, comunidades do Rio Tapajós, um dos mais preservados do país, preparam-se para defender o que é seu. Assista ao documentário produzido pela Agência Pública

O Tapajós, no Pará, realmente é um rio mágico. Cheio de nuances, contrastes, luzes e cores. À primeira vista, águas calmas que correm sempre em frente; depois de 25 dias de imersão se sobrepõem as corredeiras,  cachoeiras, banzeiros, redemunhos, espocos e rebojos. Todas as imagens, que apreendi junto ao povo local, refletem a atual situação de conflito. As sete usinas hidrelétricas previstas pelo governo federal para a bacia do Tapajós ainda nem saíram do papel e a vida dos ribeirinhos e indígenas já foi afetada profundamente.

Depois de duas idas ao Tapajós desde 2013, muita coisa me chamou atenção positivamente no oeste do Pará. Gente hospitaleira, comida boa, fartura de água. Nos ribeirinhos e indígenas, também me impressionou a disposição em  correr atrás de seus direitos. Aos seus olhos, o governo federal é uma “entidade”, distante, que quer porque quer fazer as usinas. De fato, falta informação, falta diálogo e sobram denúncias de desrespeito às leis e aos direitos dos moradores.

Foi numa daquelas tardes calorentas, sobre uma canoa de pesca, que o neto do pescador “Tatá” interrompeu, sem cerimônia, nossa entrevista. “O que o povo faz?”, perguntou ao avô, que durante toda a travessia reclamara do descaso “desse povo”. “Não, meu filho, eles querem fazer uma barragem aqui . Aí nós vamos sair daqui, vamos embora não sei pra onde”.  O menino de cerca de 5 anos mora na bonita Vila de Pimental, que será  alagada pela usina de São Luiz do Tapajós se os planos atuais forem levados adiante. Foi assim que ele soube que seu mundo pode desaparecer.

 A realização dessa reportagem só foi possível graças a uma bolsa da organização Mongabay.

Comentários

Mais recentes

Não repara a bagunça

8 de dezembro de 2017

Na terra dos Arara

7 de novembro de 2017

Explore também

Correntes no WhatsApp afirmam que podem chegar a milhões em pouco tempo

Uma corrente de WhatsApp pode atingir todos os brasileiros?

6 de Março de 2017 | por

Checamos como funcionaria o compartilhamento de mensagens pelo aplicativo se todo mundo repassasse o texto para pelo menos seis contatos

Pesca predatória dizima peixes no sul do Pacífico

17 de Fevereiro de 2012 | por

A situação do peixe cavala, que teve uma redução de 90% da sua população, é um prenúncio de uma crise global que está começando; o peixe pode acabar

Quanto mais presos, maior o lucro

27 de Maio de 2014 | por

Na primeira penitenciária privada desde a licitação, o Estado garante 90% de lotação mínima e seleciona os presos para facilitar o sucesso do projeto. Veja o Minidoc e a reportagem