Apoie!

Seja aliada da Pública

Seja aliada

Agência de Jornalismo Investigativo

Censura e represália contra o jornalismo investigativo no México

20 de março de 2015

Uma inesperada batalha pela liberdade de expressão como resultado da investigação jornalística se iniciou no México quando a renomada radiojornalista ​Carmen Aristegui foi despedida da rede MVS (conglomerado de mídia mexicano) na noite do último dia 12 de março.

​A empresa alegou quebra de confiança após uma crise desencadeada assim que o programa de Aristegui ​foi vinculado ao ​Mexicoleaks, uma nova iniciativa de denúncia cidadã e jornalismo independente na qual participam ​publicações e organizações prestigiadas de jornalistas como ​Animal Político, Emeequis, Proceso, Periodistas de a Pie, entre outras.

A MVS afirmou que o caso foi um “uso da marca [sic]​ sem autorização expressa”.

Carmen Aristegui retrucou dizendo que se trata de uma campanha planejada “com muita antecipação, com muitos recursos e com muito poder”. “Esta equipe de jornalistas está decidida a travar sua batalha pela liberdade de expressão”, disse. “Nossos advogados nos dizem que isso é um atentado à liberdade de expressão e que há um conjunto de irregularidades e situações absolutamente denunciáveis”, completou.

​A crise começou no último dia 12 quando​ a MVS despediu os repórteres Daniel Lizárraga e Irving Huerta, da unidade de investigação da equipe de Aristegui. Ambos investigaram em novembro passado o caso do escândalo da Casa Branca, no qual se revelou que Angélica Rivera, a esposa do presidente mexicano Enrique Peña Nieto, tem una casa avaliada em sete milhões de dólares, localizada en Las Lomas, no Distrito Federal do México. A casa foi construída pelo Grupo Higa, uma das empresas que ganhou a licitação do trem México-Querétaro, e que havia construído obras no estado do México, quando Peña Nieto era governador.

​A investigação teve grande impacto na opinião pública e foi um duro golpe para a imagem de Peña Nieto, no meio da onda nacional de indignação pelas mortes dos estudantes em Iguala.

Mensagem de Carmem Aristegui, na última sexta-feira, 13 de março (em espanhol)

“Em vez de despedir dois jornalistas, deveríamos premiá-los. São dois jornalistas fundamentais que deram aos nossos ouvintes um trabalho de alto nível”, declarou Carmen Aristegui na sexta-feira passada.

A jornalista comentou que Daniel Lizárraga e  Irving Huerta estavam investigando outro caso: a casa do Secretário da Fazenda e um dos homens mais próximos a Peña Nieto, Luis Videgaray. Segundo a denuncia, o funcionário comprou a residência do Grupo Higa –também envolvido no caso Casa Branca – por meio de um crédito a taxas menores que as do mercado.

Aristegui exigiu que os jornalistas fossem reintegrados à redação. A MVS negou o pedido e encerrou a relação de trabalho com ela.

Comunicado da MVS Radio (em espanhol)

Gabriel Sosa Plata, ombudsman da MVS, afirmou que Carmen Aristegui “deveria ter pedido autorização” para o acordo com o Mexicoleaks. Contudo, indicou que as ações da empresa com os jornalistas foram um “mecanismo de pressão inédito de uma empresa para com alguns de seus próprios jornalistas e trabalhadores, que poderia afetar seu desempenho jornalístico”.

​Vários comentaristas apoiaram Aristegui, entre eles a reconhecida acadêmica Dennise Dresser, que afirmou que “temos que defender, proteger e brigar por Carmen Aristegui e seus espaços. Porque são os nossos. Porque para nós, como beneficiários de seu trabalho, nos cabe construir uma defesa robusta da liberdade de expressão, do pluralismo, da necessidade de ser irreverente e desafiador”.

O caso vem causando uma ampla repercusssão na imprensa internacional.

Até onde se sabe, é uma das primeiras vezes, se não a primeira, na qual um argumento de “uso de marca” é utilizado para reprimir o jornalismo investigativo.

 

Publicada originalmente no site IDL-Reporteros, em 16 de março de 2015

Seja aliada da Pública

Faça parte do nosso novo programa de apoio recorrente e promova jornalismo investigativo de qualidade. Doações a partir de R$ 10,00/mês.

[Atualização 17/03/15] A aliança Mexicoleaks rechaçou a decisão da MVS de demitir Carmen Aristegui e expressou sua solidariedade com os outros jornalistas demitidos.

Além disso, a Secretaria de Gobernación manifestou o desejo de que o “conflito de interesses” se resolva. Em um curto comunicado, o órgão afirmou que o governo mexicano “tem respeitado e valorizado o exercício crítico e profissional do jornalismo”.

Comentários de nossos aliados

 Ver comentários

Esta é a área de comentários dos nossos aliados, um espaço de debate para boas discussões sobre as reportagens da Pública. Veja nossa política de comentários.

Carregando…
Você precisa ser um aliado para comentar.
Fechar
Só aliados podem denunciar comentários.
Fechar

Explore também

A Funai está sendo desvalorizada e sua autonomia totalmente desconsiderada, diz ex-presidente

27 de janeiro de 2015 | por

Na primeira entrevista desde que deixou o cargo, Maria Augusta Assirati fala sobre a interferência política no órgão indigenista, liderada pela Casa Civil e pelo Ministério da Justiça. E revela a manobra do governo para licenciar a usina de São Luiz do Tapajós

Laísa luta pela terra e pela memória da irmã

8 de julho de 2013 | por

Irmã de Maria, assassinada junto com Zé Cláudio, diz que o julgamento dos acusados foi pior que o assassinato: “Estão selando três caixões”

A Guerra da Brahma – ops, Brahva – na Guatemala

28 de novembro de 2014 | por

Como a AmBev Centroamerica se meteu em uma tremenda disputa familiar no coração da elite guatemalteca

Mais recentes

Mais terras públicas para o mercado, menos áreas coletivas

17 de maio de 2019 | por

Retrocesso na reforma agrária soma-se ao avanço de titulação em assentamentos ambientalmente diferenciados; registro de títulos individuais explode a partir de 2017, em especial na Amazônia

Não há registro de entrada na Câmara para assessor de Bolsonaro investigado pela Justiça

16 de maio de 2019 | por , , e

Além de Nelson Alves Rabello, que teve sigilo bancário quebrado, Pública revela mais cinco assessores sem crachá de funcionários na Câmara; “Wal do Açaí” é uma delas. Agora são 11 os assessores do então deputado federal sem registro de entrada no Congresso

Professores acusam Laureate de forjar documentos para obter o reconhecimento de cursos EAD no Brasil

15 de maio de 2019 | por

Docentes denunciam irregularidades, dizem que foram obrigados a mentir para o MEC e a dar aulas em disciplinas fora de sua área de formação; documentos e áudio obtido pela Pública apontam algumas denúncias

Login para aliados

Participe e seja aliado.

Fechar