Os vencedores vão ficar hospedados por até um mês na Casa Pública, enquanto produzem reportagens sobre violações de direitos humanos nos Jogos Olímpicos

Os vencedores vão ficar hospedados por até um mês na Casa Pública, enquanto produzem reportagens sobre violações de direitos humanos nos Jogos Olímpicos

23 de maio de 2016
19:43
Este texto foi publicado há mais de 4 anos.

Na última semana, lemos com muito cuidado cada uma das 177 inscrições recebidas de candidatos de 42 países para o nosso programa de Residências. Agradecemos o empenho dos repórteres interessados em investigar os Jogos Olímpicos no Brasil, propondo pautas variadas sobre o tema.

13235287_516401081901749_4341799676642141049_o

Analisamos as melhores propostas e chegamos a dez finalistas, entrevistados por Skype. Foi assim que elegemos os quatro jornalistas que virão ao Brasil entre 20 de julho e 20 de agosto para realizar as reportagens.

Temos vencedores do Chile, Equador, Quênia e Itália/França. Eles ficarão hospedados na Casa Pública e receberão uma bolsa de 7 mil reais. As reportagens serão publicadas pelos veículos indicados pelos repórteres e pela Agência Pública.

Confira quem são os selecionados:

Jorge Rojas Gonzalez, do The Clinic – Chile

Jornalista desde 2007, trabalha na revista The Clinic há 10 anos. É especializado em crônica jornalística e seu trabalho busca denunciar conflitos políticos e sociais.  Recebeu o prêmio de excelência jornalística concedido pela Universidade Alberto Hurtado em 2013.

Desirée Yépez, do Plan V – Equador

Repórter da revista digital Plan V, um dos principais veículos independentes do Equador. Também contribui em coberturas especiais com o jornal espanhol El Mundo. Já trabalhou para os principais veículos do Equador, como Diario Expreso, Revista Vanguardia e Diario El Comercio.  Foi reconhecida como a melhor estudante do curso de jornalismo da Universidad Tecnológica Equinoccial em 2014.

Diane Jeantet e Caterina Clerici – revista Time e outros – França/Itália

Diane Jeantet é correspondente do jornal francês Le Figaro no México. Como freelancer, contribuiu com os jornais The Guardian, Le Monde, Financial Times, Slate, Monocle, The American Lawyer e outros. Formada em 2012 pela Escola de Jornalismo da Universidade de Columbia, tornou-se bolsista da French American Foundation em 2015.

Caterina Clerici é uma jornalista multimídia freelancer italiana, que atualmente vive em Nova York. Formada em 2012 pela Escola de Jornalismo da Universidade de Columbia, trabalha como editora de fotografia na revista TIME.  Tem trabalhos publicados nos jornais The Guardian Estados Unidos, Guardian Weekly, TIME.com, Slate, Repubblica, La Stampa, Zeit Online, Libération, among others. Foi contemplada duas vezes com a bolsa de Inovação e Desenvolvimento do  Centro Europeu de Jornalismo.

Roy Gachuhi – Content House – Quênia

Repórter Sênior do The Content House desde 2010, foi fundador e ex-coordenador  da East Africa School of Journalism (2002 – 2010), fundador e diretor da Peare Associates Ltd, companhia de consultoria editorial (2000 – 2002), editor associado do The Standard Media Group (1998-2000). Vencedor do prêmio de Jornalista do Ano em 1981, 1984 e 2000. Publicou em 2000 o livro “Como se tornar um jornalista – um guia para estudantes do ensino médio”.

Parabéns aos selecionados!

Seja aliada da Pública

Que tal participar da luta contra as fake news sobre coronavírus? Apoie a Pública. A sua contribuição se transforma em jornalismo sério e corajoso, com impactos reais.

Mais recentes

“Quanto maior o colapso do governo, maior a virulência da guerra cultural”, diz pesquisador da Uerj

28 de maio de 2020 | por

Para o professor João Cezar de Castro Rocha, uma visão revanchista e revisionista da história brasileira moldou Bolsonaro e os bolsonaristas; é essa narrativa que justifica a criação e eliminação de inimigos em série enquanto, ao mesmo tempo, torna impossível governar

“O Brasil poderá ser conhecido como o país que enraizou o negacionismo científico”, diz Nicolelis

27 de maio de 2020 | por

Para evitar uma catástrofe, o renomado neurocientista Miguel Nicolelis afirma que é o momento de adotar medidas drásticas contra o coronavírus: lockdown em locais onde a ocupação dos hospitais esteja acima de 80%, acompanhado de um auxílio econômico que, de fato, permita às pessoas ficar em casa

Milicianos invadem área ambiental e formam máfia da areia no Rio de Janeiro

26 de maio de 2020 | por

Moradores vivem sob regime de medo dentro de uma APA na Baixada Fluminense que tinha oito areais clandestinos funcionando; empresa flagrada tem 11 notificações de órgãos ambientais