Agência de Jornalismo Investigativo

De acordo com mensagem que viralizou no aplicativo, governo prepara decreto que “atinge diretamente a classe média”

23 de fevereiro de 2017
Corrente que circula no WhatsApp fala que alíquota do IR vai mudar. Reprodução

“IMPOSTO DE RENDA – Decreto que aumenta de 27,5% para 35% a alíquota do Imposto de Renda.
– Este reajuste atinge diretamente a classe média.
– Sem querer cortar gastos, o governo com sua exuberante incompetência, quer como sempre, repassar para a população.
– Assim é moleza, roubam, administram mal, e nos dão a conta para pagar. Passe adiante…
– Se cada pessoa passar para 10 amigos de setores diferentes, no 6° repasse atingiremos milhões de brasileiros.
– Vamos tirar 5 minutos para mudar o Brasil e defender nossas famílias e nosso suado dinheiro. Eu fiz minha parte! Faça a sua!” – Mensagem divulgada no WhatsApp

FalsoHá algumas semanas viralizou no aplicativo WhatsApp um alerta sobre uma mudança no Imposto de Renda “que atinge diretamente a classe média”. A mensagem afirma que estaria em criação um decreto com o objetivo de aumentar a alíquota máxima do IR de 27,5% para 35%. O Truco – projeto de checagem da Agência Pública – analisou a veracidade das informações divulgadas pela corrente.

Como o texto não indica quem seria o autor nem dá quaisquer pistas sobre a pessoa responsável por escrevê-lo, não foi possível solicitar a fonte primária do dado. Procurada, a Receita Federal informou que “desconhece as informações” divulgadas na corrente. O órgão reitera ainda que a informação de que uma nova alíquota está sendo criada “é falsa” e lembra que “qualquer mudança na tributação só pode ocorrer mediante alterações na legislação atual.”

O segundo passo foi procurar notícias de fontes confiáveis que pudessem dar uma pista sobre a origem desse boato. Em 2015, ainda durante o governo Dilma Rousseff, o então ministro da Fazenda, Joaquim Levy, disse à imprensa que a pasta estudava soluções para aumentar a arrecadação e que uma das possibilidade seria aumentar a tributação sobre os salários mais altos. À Folha de S.Paulo, assessores do ministro afirmaram, em setembro de 2015, que o governo estudava criar uma nova faixa do IR. Essa nova faixa de tributação ficaria acima da atual alíquota mais elevada, de 27,5% para salários acima de R$ 4.664,68 por mês, e seria algo entre 30% e 35%.

A proposta nunca chegou a ser oficializada pelo governo e também foi mencionada por outros veículos na época, como Bloomberg e G1. A reportagem não encontrou registros mais recentes de que esta nova tributação estaria ainda em estudo ou outras informações atuais sobre decretos de alteração das alíquotas do IR.

Ainda que a proposta de Levy estivesse sendo retomada, a nova alíquota de tributação dificilmente atingiria “diretamente a classe média”, como diz a mensagem anônima que circula no WhatsApp. A mudança que foi estudada em 2015 e então abandonada não previa alterações na última faixa de IR, mas a criação de uma quinta faixa para salários superiores aos que se encaixam nos atuais 27,5% da quarta faixa de tributação.

Base de cálculo (R$) Alíquota (%) Parcela a deduzir do IRPF (R$)
Até 1.903,98
De 1.903,99 até 2.826,65 7,5 142,80
De 2.826,66 até 3.751,05 15 354,80
De 3.751,06 até 4.664,68 22,5 636,13
Acima de 4.664,68 27,5 869,36
Fonte: Receita Federal (https://idg.receita.fazenda.gov.br/acesso-rapido/tributos/irpf-imposto-de-renda-pessoa-fisica)

 

O Truco classifica esta corrente de WhatsApp como falsa, já que a análise dos dados apresentados e de outras fontes mostra que a afirmação está incorreta.

Truco

Este texto foi produzido pelo Truco, o projeto de fact-checking da Agência Pública. Entenda a nossa metodologia de checagem e conheça os selos de classificação adotados em https://apublica.org/truco. Sugestões, críticas e observações sobre esta checagem podem ser enviadas para o e-mail truco@apublica.org e por WhatsApp ou Telegram: (11) 96488-5119. Acompanhe também no Twitter e no Facebook. A partir do dia 30 de julho de 2018, os selos “Distorcido” e “Contraditório” deixaram de ser usados no Truco. Além disso, adotamos um novo selo, “Subestimado”. Saiba mais sobre a mudança.

Mais recentes

Guilherme Boulos, em entrevista à EBC: dados atuais mostram que 40% dos presos no país são provisórios, não 30%

Boulos subestima o número de presos provisórios

24 de setembro de 2018 | por

Segundo Conselho Nacional de Justiça, 40% dos detentos são provisórios no Brasil – não 30%, como disse o candidato à Presidência pelo PSOL

Haddad em ato realizado em São Paulo em janeiro: dinheiro para educação cresceu menos do que o anunciado pelo político na sua gestão

Haddad exagera crescimento de verbas do Ministério da Educação

24 de setembro de 2018 | por

Candidato do PT diz que quintuplicou o Orçamento da pasta na sua gestão, mas aumento foi de três vezes

Marina Silva participa de evento da CNA, em agosto de 2018: não há estudos que confirmem dado citado pela candidata

Marina Silva usa dado inexistente sobre leitos ociosos no SUS

20 de setembro de 2018 | por

Candidata da REDE afirma que taxa de ociosidade no sistema é de 50%, mas ministério não possui estatística nacional

Truco!

#leitegate: Eduardo Leite rompeu contrato com Banrisul para obter verbas do PAC

25 de setembro de 2018

Enquanto prefeito de Pelotas, candidato ao Piratini pelo PSDB diz que fez acordo judicial com o banco estadual porque o município poderia ficar impedido de receber financiamento federal para obras de infraestrutura. Ofício do Tesouro Nacional confirma informação

Hospitais filantrópicos realizaram 67% das cirurgias “difíceis” do SUS no Paraná

24 de setembro de 2018

Hospitais públicos atendem mais a média complexidade, deixando a oferta de leitos e a alta complexidade para as instituições filantrópicas

Correto, Anastasia: Minas Gerais teve dois primeiros lugares no IDEB em 2013

24 de setembro de 2018

Ex-governador cita corretamente os dados da pesquisa que avalia o desempenho dos alunos

Explore também

Carro incendiado em São Paulo não foi resposta à recusa de dinheiro com carimbo “Lula Livre”

9 de julho de 2018 | por

Segundo a PM, motivação para atear fogo ao carro é diferente ao que tem se espalhado nas redes sociais

Exagerado, distorcido ou discutível

Mendonça e fosfoetanolamina. Não é bem assim!

26 de novembro de 2015 | por

“Entendo que a pesquisa [da fosfoetanolamina] deve estar à frente de tudo e que devemos ter cuidado com milagreiros. Mas, nesse caso específico, fiquei surpreso com tantas curas e resultados positivos”, afirmou Rogério Peninha Mendonça (PMDB-SC), deputado federal, no plenário, na terça-feira (24)

O secretário da Segurança Pública do Estado de São Paulo, Mágino Alves Barbosa Filho

Secretário erra ao dizer que SP tem melhores indicadores criminais do país

17 de março de 2017 | por

Há estados com resultado superior em pelo menos três índices; maioria das secretarias ainda não divulgou dados de janeiro