Buscar

Concurso teve recorde de inscrições – saiba quem são os quatro escolhidos para ganhar as bolsas de 7 mil reais e produzir suas reportagens sobre maconha

Da Redação
8 de maio de 2017
08:57
Este artigo tem mais de 6 ano

No fim de março, a Agência Pública lançou o Concurso Microbolsas Maconha, em parceria com o Centro de Estudos de Segurança e Cidadania da Universidade Cândido Mendes – CESeC. O objetivo do concurso é produzir, publicar e disseminar reportagens que ampliem o conhecimento sobre os mecanismos de consumo, uso e repressão à maconha.

Durante o último mês, recebemos 197 pautas – recorde de inscrições em concursos de microbolsas. As inscrições vieram de 44 cidades brasileiras, espalhadas por 15 estados. Nesta sétima edição das microbolsas, passamos a aceitar pautas sobre outros países. Recebemos 12 inscrições vindas de fora do Brasil, propostas por repórteres baseados em países como Espanha, Argentina, Estados Unidos, Canadá e Itália.

Abaixo, apresentamos os repórteres vencedores do concurso, selecionados pelas diretoras da Agência Pública, Marina Amaral e Natalia Viana, e pela coordenadora do CESeC, Julita Lemgruber. Os escolhidos vão receber uma bolsa de 7 mil reais e a mentoria da Pública para produzir a pauta proposta.

Cadu Barcellos – É formado na Escola de Cinema Darcy Ribeiro e ESPOCC (Escola Popular de Comunicação Critica) no Observatório de Favela, onde também foi coordenador de metodologia do curso nos anos de 2012 e 2013. Dirigiu o curta “Feira da Teixeira” (2006) e o programa “Crônicas da Cidade” (2007), do Canal Futura. Foi diretor e roteirista da série “Mais X Favela” (Multishow), diretor e agumentista do episódio “Deixa Voar”, que compõe o longa “Cinco vezes favela Agora por nós mesmos” (2010), produzido por Carlos Diegues e escolhido para a Seleção Oficial do Festival de Cannes de 2010.

Gil Luiz Mendes – Jornalista recifense com dez anos de experiência e passagens por rádio, impresso e internet. Vencedor do 5º prêmio Tim Lopes de Jornalismo Investigativo, Menção Honrosa no 32º prêmio Vladmir Herzorg de Direitos humanos e finalista do 2º Prêmio Sebrae de Jornalismo.

Tarso Araújo – É jornalista desde 2004, tendo passado pelas redações do jornal Folha de S.Paulo e das revistas Superinteressante, Galileu, Placar e Men’s Health. Com reportagens sobre drogas, venceu o prêmio Gilberto Velho Mídia e Drogas 2014, o Prêmio Abril de Jornalismo 2009 na categoria Esporte e o Prêmio Esso de Criação Gráfica em Jornalismo de 2008, além de uma medalha de bronze no Malofiej 2017. É autor do livro “Almanaque das Drogas” e co-diretor do filme “Ilegal”.

Matias Maxx – É fotografo e jornalista. Começou sua carreira em 1998 publicando em revistas de entretenimento como BiZZ e Trip. Desde 2010 é correspondente da VICE Brasil, onde dentre muitas pautas destacam-se entrevista com Rafael Braga, com a prostituta que denunciou as violações perpretadas pela polícia no “prédio da caixa” em Niterói, e a reportagem “A pacificação do complexo alemão deu certo?”, contemplada com o primeiro lugar no V Prêmio Latinoamericano de Jornalismo Sobre Drogas. Também já produziu e fotografou reportagens em vídeo para agências internacionais como VICE News e Al-Jazeera. Participa da organização da Marcha da Maconha do Rio de Janeiro desde 2007 e em 2012 fundou e editou os quatro números da revista semSemente, a primeira revista impressa sobre maconha no Brasil.

O resultado dessas mentorias você confere aqui em nosso site nos próximos meses!

Precisamos te contar uma coisa: Investigar uma reportagem como essa dá muito trabalho e custa caro. Temos que contratar repórteres, editores, fotógrafos, ilustradores, profissionais de redes sociais, advogados… e muitas vezes nossa equipe passa meses mergulhada em uma mesma história para documentar crimes ou abusos de poder e te informar sobre eles. 

Agora, pense bem: quanto vale saber as coisas que a Pública revela? Alguma reportagem nossa já te revoltou? É fundamental que a gente continue denunciando o que está errado em nosso país? 

Assim como você, milhares de leitores da Pública acreditam no valor do nosso trabalho e, por isso, doam mensalmente para fortalecer nossas investigações.

Apoie a Pública hoje e dê a sua contribuição para o jornalismo valente e independente que fazemos todos os dias!

apoie agora!

Quer entender melhor? A Pública te ajuda.

Faça parte

Saiba de tudo que investigamos

Fique por dentro

Receba conteúdos exclusivos da Pública de graça no seu email.

Artigos mais recentes