Apoie!

Seja aliada da Pública

Seja aliada

Agência de Jornalismo Investigativo

Serão distribuídas quatro bolsas de R$ 7 mil para investigar as causas e impactos da violência policial no Brasil e de intervenções militares como a do Rio de Janeiro

23 de abril de 2018
16:09

O Brasil tem uma das polícias que mais mata e mais morre no mundo. Segundo o Anuário Brasileiro de Segurança Pública, mais de 4 mil pessoas morreram em 2016 em decorrência de intervenções policiais e 437 agentes de segurança pública foram vítimas de homicídio. No ano em que o Estado do Rio de Janeiro passa por uma intervenção militar na área de segurança pública, questões como essas precisam ser investigadas com urgência.

É para trazer luz para debates como esses que a Agência Pública e a Conectas Direitos Humanos lançam o Concurso de Microbolsas para Reportagens Sobre Violência Policial e Intervenção Militar. Serão distribuídas quatro bolsas no valor de 7 mil reais para os repórteres que propuserem pautas inéditas e originais sobre os temas. As inscrições devem ser feitas até o dia 25 de maio através deste formulário online

Podem se inscrever jornalistas de todo o Brasil interessados em produzir investigações aprofundadas sobre violência policial, intervenção militar e suas causas e impactos. É importante que o repórter já tenha produzido reportagens investigativas.

“Em um cenário de polarização, em que há um aplauso e um rechaço às forças de segurança no Brasil, faltam reportagens investigativas, aprofundadas, que ajudem a mostrar por que nossa polícia é tão letal, mas também por que morrem tantos policiais. Por outro lado, com os militares atuando cada vez mais na segurança pública, o jornalismo tem que se capacitar para monitorar também essa atuação. É o que pretendemos fazer com esse concurso de Microbolsas”, diz Natalia Viana, codiretora da Agência Pública.

Para Rafael Custódio, coordenador do programa de Violência Institucional da Conectas ,“a lógica militarizada, autoritária e racista que impera na estrutura policial brasileira é fonte considerável de violações no Brasil. Quando apontamos tais falhas estruturais, não nos referimos à figura do policial, mas a uma política de Estado, herança da ditadura, mas ainda corroborada pelos governos democráticos. Chama a atenção a omissão e conivência dos órgãos de controle externo, como o Ministério Público, e o crescente uso das Forças Armadas em atribuições que são de natureza civil, como a Segurança Pública”.

Na inscrição, os candidatos devem detalhar sua pauta, planos de trabalho e de orçamento. Também é necessário comprovar a experiência na produção de reportagens investigativas. A utilização da bolsa fica a critério do repórter e pode ser usada para pagar despesas da produção da reportagem.

Os vencedores serão definidos pela direção da Agência Pública e da Conectas. Além da bolsa, os jornalistas recebem uma mentoria da Agência Pública para realizar a reportagem. Também fica a cargo da Pública editar, publicar e distribuir o material. Nesta edição, os candidatos que forem pré-selecionados vão passar por uma fase de entrevistas. Os vencedores serão anunciados no dia 11 de junho.

Leia aqui o regulamento do concurso. Para mais informações, entrar em contato através do e-mail contato@apublica.org.

Seja aliada da Pública

Faça parte do nosso novo programa de apoio recorrente e promova jornalismo investigativo de qualidade. Doações a partir de R$ 10,00/mês.

Mais recentes

MPF cita “omissão” do Incra por insegurança no assentamento idealizado por Dorothy Stang

20 de setembro de 2019 | por e

Áudio obtido pela Pública traz pedido de ajuda de morador: "Tá uma bagunça, manda o Ibama pelo amor de Deus"; Incra contradiz MPF e diz manter seguranças no assentamento, no Pará

“A indústria teme os millennials”, diz diretor de organização que chamou Greve pelo Clima

20 de setembro de 2019 | por

Diretor de campanhas da 350.org explica o que os organizadores esperam dos protestos que começam hoje e denuncia cerceamento da sociedade civil nos leilões do Pré-Sal

“Não há segurança de que o ouro do seu anel não seja clandestino”, diz procurador do MPF

18 de setembro de 2019 | por e

Luís de Camões Boaventura explicou à Pública o descontrole da cadeia econômica do ouro paraense, que movimenta ilegalmente seis vezes mais recursos que o mercado legal