Apoie!

Seja aliada da Pública

Seja aliada

Agência de Jornalismo Investigativo

Como estamos nos preparando para o próximo ano

10 de dezembro de 2018
14:00

A Agência Pública nasceu com o objetivo de produzir reportagens investigativas sobre governos e empresas, sob o ponto de vista do interesse público e da defesa dos direitos humanos.

Durante a campanha eleitoral de 2018, acompanhamos os ataques a jornalistas que fizeram reportagens sobre Jair Bolsonaro e seus aliados e as ameaças do novo governo a defensores dos direitos humanos.

Olhamos para esses fatos com pesar, mas também com a certeza de que nossos repórteres precisam estar na rua, atentos ao que vem por aí. O jornalismo é fundamental para garantir o bom funcionamento da democracia, fincada na liberdade de imprensa, no direito à informação e na liberdade de expressão de todos os cidadãos.

José Cícero da Silva/Agência Pública
Equipe da Agência Pública

Por isso, nos próximos quatro anos a Agência Pública estará focada em investigar o governo Bolsonaro e as consequências que ações do governo terão na vida dos brasileiros – em especial, das populações mais vulneráveis.

Com a decisão de focar nas reportagens investigativas, o Truco, nosso projeto de fact-checking, deixa de ser um projeto permanente. A Pública, que teve a honra de ser pioneira na produção de checagens no Brasil, segue acreditando no fact-checking e em sua relevância para um debate público mais qualificado. Depois de quatro anos de Truco, o fact-checking se tornou um método aplicado por várias organizações jornalísticas e acreditamos que nossa contribuição será mais consistente se concentrada na reportagem investigativa.

Hoje lançamos um projeto de investigação de um tema de grande relevância pública, o uso de agrotóxicos pela indústria do agronegócio. Será uma cobertura de dois anos em parceria com a organização Repórter Brasil, com jornalistas percorrendo o país para noticiar e investigar a indústria que está por trás da produção de alimentos. Veja o site do projeto aqui.

Vamos reforçar também nossa cobertura em Brasília, agora sob comando do experiente repórter Vasconcelo Quadros, que tem passagens por grandes redações como Jornal do BrasilEstadão e IstoÉ.

Entramos em um ano crucial para o jornalismo brasileiro, e agora mais que nunca o apoio e o compromisso dos nossos leitores serão fundamentais. Contamos com vocês para avisar os amigos, distribuir nosso conteúdo, criticar, sugerir pautas e manter um diálogo constante com a redação.

Participe! Fale conosco por email: redacao@apublica.org, assine nossa newsletter semanal (https://goo.gl/2kiXYB) e nos siga pelo Facebook, Twitter e Instagram.

A partir de hoje lançamos um serviço de WhatsApp e Telegram. Nele você receberá alertas diários sobre nossas reportagens. Para começar, adicione nosso número entre seus contatos e envie uma mensagem para nosso WhatsApp (11 99816-3949) ou entre no canal da Pública se você está no Telegram.

Seja aliada da Pública

Faça parte do nosso novo programa de apoio recorrente e promova jornalismo investigativo de qualidade. Doações a partir de R$ 10,00/mês.

Mais recentes

No Maranhão, cada guardião da floresta é um Paulino Guajajara

12 de novembro de 2019 | por

Responsáveis pela vigilância dos territórios indígenas, guardiões relatam à Pública cotidiano de ameaças e agressões provocadas por madeireiros, grileiros e traficantes invasores

Flávio Dino explica o que fará pela segurança das terras indígenas do Maranhão

12 de novembro de 2019 | por

Em entrevista à Pública, governador detalha atuação de força-tarefa criada para acompanhar a segurança pública nas TIs do estado e critica “política isolacionista” de Bolsonaro

Esse camponês argentino lutou até a morte contra os estragos causados pelos agrotóxicos

11 de novembro de 2019 | por e

Durante mais de uma década, Fabián Amaranto conviveu com doença neurológica causada por pesticidas e virou símbolo de movimento contra veneno