Segundo Benjamin Teitelbaum, da Universidade do Colorado, Olavo de Carvalho, no Brasil, Aleksandr Dugin, na Rússia, e Steve Bannon, nos EUA, são adeptos do tradicionalismo, “a completa rejeição política, ideológica e espiritual do status quo”

Segundo Benjamin Teitelbaum, da Universidade do Colorado, Olavo de Carvalho, no Brasil, Aleksandr Dugin, na Rússia, e Steve Bannon, nos EUA, são adeptos do tradicionalismo, “a completa rejeição política, ideológica e espiritual do status quo”

29 de junho de 2020
12:00
Especial: Coronavírus
Você tem alguma denúncia sobre a pandemia do coronavírus? Conhece alguém que tomou cloroquina e faleceu? A Pública quer te ouvir. Conte sua história e nos ajude a investigar as injustiças por trás dessa crise. Clique aqui e participe.

Há um paralelo a ser feito entre os governos de Rússia, Estados Unidos e Brasil, segundo o pesquisador Benjamin Teitelbaum, professor assistente da Universidade do Colorado, nos Estados Unidos. Os três governos são influenciados e abrigam quadros políticos ligados a três intelectuais que exercem influência externa nas instituições governamentais: Steve Bannon, nos EUA; Aleksandr Dugin, na Rússia, e Olavo de Carvalho, no Brasil. Há ainda, de acordo com Teitelbaum, apesar de terem atuações e métodos distintos, uma linha em comum entre esses pensadores, que foram entrevistados no livro: os três são influenciados por uma tradição intelectual chamada tradicionalismo. É o que ele argumenta em seu novo livro War for eternity: inside Bannon’s far-right circle of global power brokers (“Guerra pela eternidade: dentro do círculo de influenciadores políticos globais de Bannon”, numa tradução livre) — lançado em abril, ainda não há uma tradução brasileira.

O tradicionalismo, segundo Teitelbaum, é uma doutrina complexa que reúne princípios em comum. Um de seus pilares é um olhar crítico à modernidade, no sentido dado ao termo por historiadores e cientistas sociais, como um período histórico e método de organização da vida social que incluem traços como o declínio da influência religiosa nas instituições diante da razão e à ciência, o declínio do simbolismo e da espiritualidade ante o materialismo, a organização social e política em torno de agrupamentos cada vez maiores, como Estados nacionais e, posteriormente, organizações supranacionais (batizadas de “globalistas”), o que leva, no olhar dos tradicionalistas, a uma padronização da vida social. Há, também, a crença de que a história corre de maneira cíclica e de que é necessário engajar-se numa “batalha espiritual” para restaurar os valores morais da sociedade, já que vivemos em um tempo de declínio moral.

Em seu livro, o pesquisador se debruça sobre a interpretação própria que esses ideólogos dos governos de Brasil, Rússia e Estados Unidos fizeram do tradicionalismo. Teitelbaum aponta filósofos esotéricos como o francês René Guénon e o italiano Julius Évola como grandes estruturadores do tradicionalismo, mas realça que nem todos os personagens de seu livro professam a doutrina integralmente (Olavo, por exemplo, critica a visão cíclica da história).

Esses princípios, no entanto, podem assumir diferentes identidades como discurso político nos dias de hoje. A doutrina foi adotada, por exemplo, por influenciadores de políticos europeus que se opõem firmemente à imigração de refugiados à Europa, como é o caso do historiador húngaro Gábor Vona, que até 2018 foi o principal ideólogo do Jobbik, partido de extrema direita europeu que está à direita do atual primeiro-ministro húngaro, Viktor Orbán. Mas também, segundo Teitelbaum, o tradicionalismo pode ser “anticapitalista, por exemplo, e pode ser anticristão. Condena o Estado nacional como uma construção modernista e celebra aspectos do Islã e do Oriente de maneira geral. Soa de direita?”, pergunta Teitelbaum em seu livro.

Na entrevista a seguir, realizada por email, ele analisa a influência de Olavo nos ministérios da Educação e das Relações Exteriores, a relação entre o chamado populismo de direita e o tradicionalismo e alerta para a oportunidade trazida pela Covid-19 para seus ideólogos engajarem-se no combate às instituições supranacionais como a Organização Mundial de Saúde (OMS).

Benjamin Teitelbaum é professor assistente da Universidade do Colorado. Após um livro sobre a extrema-direita nos países Europeus nórdicos, lança agora “War for Eternity”

Como você define o Tradicionalismo?

Tradicionalismo é uma desconhecida, complicada e estranha escola filosófica e espiritual que praticamente não tinha qualquer influência na política até recentemente. Ela ensina que há muito tempo existia uma religião autêntica cujas verdades foram perdidas gradualmente na humanidade e que agora existe somente em fragmentos espalhados entre algumas tradições religiosas. Tradicionalistas tentam entender o que essa verdade perdida era, e o fazem tanto pelo estudo de religião comparada, e pela participação e conversão em práticas religiosas disponíveis ainda hoje, especialmente o islamismo sufista, hinduísmo, e às vezes a cristandade ortodoxa ou o catolicismo. Mas os Tradicionalistas tendem a considerar todas essas religiões como caminhos imperfeitos. Elas são apenas as melhores opções disponíveis.

E como ela se relaciona com a política?

Para entender o que essa doutrina tem a ver com a política em geral e com a direita política em particular, considere o que ela afirma sobre a noção moderna de “progresso.” A história, para a maioria dos Tradicionalistas, se constitui de um declínio e as instituições que nós temos disponíveis hoje são fracas e estão se enfraquecendo. A única forma de experimentar a virtude é entrar em contato com o passado. Fortuitamente, para os Tradicionalistas, eles pensam que é possível apenas fazer isto: inspirando-se no hinduísmo, eles acreditam num tempo cíclico e não linear, especialmente que sociedades atravessam quatro Eras distintas movendo-se de uma Era de Ouro, para uma de Prata, de Bronze, e para uma Sombria, antes de completar o ciclo voltando à Era de Ouro novamente. Isso significa, não apenas que o passado, o presente, e o futuro desenrolam-se juntos nesta visão de mundo, mas também que o declínio que eles veem na sociedade guarda uma promessa de renovação — o quão pior as coisas cheguem, o mais próximos estamos do fim da Era Sombria e do princípio da Era de Ouro.

Por que esses ideólogos tradicionalistas como Bannon, Dugin e Olavo de Carvalho, que pregam uma doutrina ideológica tão única e até isolada, ganharam tamanha influência em países relevantes no cenário geopolítico internacional como EUA, Rússia e Brasil? Eles simplesmente ofereceram um bom discurso político-eleitoral?

Essa é a questão-chave do meu livro, é a principal reflexão que tento trazer aos leitores. É uma questão, no entanto, de que eu me aproximo e me afasto com mais curiosidade do que tiro conclusões. Uma coisa de que tenho certeza é que essas figuras não foram atraídas pelo tradicionalismo porque pensaram que poderia trazer apelo de massa. O tradicionalismo é estranho, alienante, radical e elitista. É tudo que alguém que queira conseguir apoio social mais amplo quer evitar. Mas, mesmo que eu não ache que funcione como ferramenta de autopromoção pública, o papel [do tradicionalismo] como motivação das ações desses ideólogos é impressionante. Permanece como uma questão para mim mesmo se suas ações [Dugin, Bannon e Olavo] se alinham a outros populistas na extrema direita porque elas [as ações] nos mostram que essas figuras, em particular, nunca estiveram interessadas em ser meros populistas. Em vez disso, eles se veem como seguidores de uma obscura doutrina esotérica.

Por quê? Especulo que o que o tradicionalismo lhes oferece é uma completa rejeição ideológica e espiritual do status quo. Tradicionalistas se definem como antimodernistas, em vez de esquerdistas ou direitistas, e isso é uma afirmação que os coloca além das fronteiras de praticamente todas as ideologias políticas contemporâneas que nós discutimos: liberalismo, conservadorismo, comunismo, mesmo o nazismo ou fascismo, que eram muito modernistas à própria maneira. Quando nós consideramos isso, que a adoção deles ao tradicionalismo – mesmo que pareça dissimulado, mesmo que a ideologia em si seja tão difusa e pouco clara a ponto de ser praticamente sem sentido para guiar políticas públicas –, envia uma mensagem clara da intenção deles: significa que eles, paradoxalmente, querem algo completamente novo, algo radicalmente diferente do que nós esperamos da política. Um otimista diria que isso estabelece as condições para a inovação; um pessimista, um caminho para a imprudência e a destruição.

No seu livro, você argumenta que Steve Bannon e Olavo de Carvalho compartilham uma interpretação do tradicionalismo. Ambos defendem que a população camponesa, rural, e mesmo a população mais pobre e não escolarizada nas cidades – o “Brasil profundo” de Olavo de Carvalho (ou “A América de verdade”, no caso de Bannon) – são guardiões de alguns dos valores do tradicionalismo, como uma vida orientada pela religião e o patriotismo. Você diz que Olavo e Bannon veem essa parte da população como “guardiões do espírito”. Você acha que essa visão de mundo pode resultar em políticas públicas que vão contra o Estado laico? Para onde você acha que essa ideologia pode guiar Brasil e Estados Unidos no futuro?

Historicamente, visões de mundo similares a essa – o nacionalismo romântico na Europa em particular – sofreram porque o “povo” que estava sendo idealizado raramente era quem os ideólogos da elite urbana pensavam. As vidas dessas pessoas nem sempre eram tão diferentes dos modos de vida “modernos”, como pintores e poetas imaginaram, por exemplo. E daí nasceu uma estética baseada em idealizações do povo em vez das pessoas como elas realmente são – é uma encarnação artística e conservadora do que também aconteceu com os revolucionários marxistas procurando por um proletariado que não existia em lugar nenhum. Forma-se um problema teórico disso tudo, mas me parece que a ideia reversa [a essa idealização] é mais incendiária: correspondendo a essa idealização dessa versão do “povo”, nós vemos o desprezo pelo que não é esse povo, a rejeição das virtudes mantidas por uma elite burocrática e esclarecida. E, ainda que eu celebre questionamentos ao elitismo como um processo natural e saudável pelo qual as sociedades devem passar, eu também fico preocupado pelo potencial do amplo desprezo à competência profissional e às instituições que recebe uma justificação espiritual e ideológica por meio do tradicionalismo. Quando você questiona aonde essa ideologia está nos levando, é nisto que penso primeiro: a tendência antiestablishment comum aos movimentos populistas agora tem uma incumbência divina entre um setor de influenciadores de alto nível que estão operando com grande fervor.

Benjamin Teitelbaum aponta semelhanças entre “gurus” ideológicos, como Olavo de Carvalho, Steve Bannon e Aleksandr Dugin: eles são influenciados por uma tradição intelectual chamada tradicionalismo

Políticas educacionais são assunto de grande interesse para os seguidores de Olavo de Carvalho que possuem relevância política. Eles afirmam que as instituições brasileiras, sobretudo as de área da cultura e educação, foram infiltradas por pessoas que defendem (conscientemente ou não) valores comunistas como parte de uma estratégia que remonta ao pensamento do filósofo italiano Antonio Gramsci. Na visão deles, essa suposta infiltração é parte de uma estratégia global para a implantação do comunismo, que o movimento comunista internacional adotou após ter desistido da chamada luta armada de guerrilhas. Olavo se alinha também a uma visão do chamado populismo de direita de que há um establishment cosmopolita tentando implantar um suposto “governo mundial” sobreposto às soberanias nacionais que também defende valores a que os tradicionalistas parecem se opor. Que tipo de políticas educacionais pode resultar desses elementos?

Eu nunca discuti políticas educacionais a fundo com nenhum dos principais personagens do meu livro, mas perspectivas tradicionalistas podem interagir com a pauta da educação de múltiplas maneiras. Primeiramente, a maioria dos tradicionalistas sustenta que os valores mais em voga na sociedade hoje são exatamente o oposto do que deveriam ser – alguns chamam isso de inversão e veem isso como uma consequência da nossa vida em uma era sombria onde tudo está fora de ordem. Isso significa, além de outros aspectos, que instituições e a própria credibilidade dada a elas devem estar sob suspeita: médicos prejudicam em vez de curar, a mídia desinforma, políticos trabalham contra o interesse da população que representam, artistas criam feiura e se afastam de um ideal de beleza. Com certeza, isso pode levar alguém a desprezar o atual sistema de educação e saudar qualquer esforço de desmontá-lo completamente. Em segundo lugar – e isso também está ligado à noção de que nós vivemos em uma era de inversão onde nada é como deveria ser –, tradicionalistas tendem a desprezar meios convencionais de mudança política. Se há um consenso na sociedade – e é propagado a cidadãos de nações democráticas que eles podem alterar suas respectivas realidades políticas por meio da participação no processo democrático –, isso provavelmente é uma mentira. A noção de que mudanças políticas vêm, não por meio de partidos, políticos, e votações, mas em vez disso secretamente, por meio da cultura, é algo que pode unir alguém inspirado pelo tradicionalismo e o neomarxismo de alguém como Antonio Gramsci, que disse que a cultura, mais além do que meras relações materiais, pode ser a força política das mudanças, e por isso eles querem se opor a isso. A produção de canais alternativos de educação e política educacional, que Dugin e Olavo têm e Bannon aspira a ter, é uma forma não convencional de estimular mudanças políticas.

Finalmente, devemos atentar que o globalismo de qualquer espécie tende a ser desprezado pelo tradicionalismo. Um dos traços do declínio que vivemos, de acordo com essa filosofia, é a homogeneização da sociedade. Para alguns, isso significa a perda da hierarquia e o nivelamento igualitário de tudo de acordo com o mínimo denominador comum da sociedade. Para outros, homogeneização ocorre em uma dimensão mais horizontal do que vertical, com a erradicação de fronteiras separando diferentes comunidades, nações e civilizações e tudo se integra numa Nova Ordem Mundial. Para Aleksandr Dugin, o liberalismo ocidental é a força globalizante mais ameaçadora; para Olavo, é o comunismo. De fato, junto a críticas ao secularismo e ao materialismo, o medo da globalização é uma característica que distingue os oponentes do comunismo inspirados pelo tradicionalismo.

Tudo isso se emaranha nas críticas de Olavo às instituições educacionais no Brasil: ele sustenta que seus oponentes marxistas corretamente compreenderam um dos reais núcleos de mudança na sociedade (a cultura, que é produzida, entre outros espaços, nas escolas), e estão usando essas instituições para espalhar os valores materialistas e seculares do globalismo.

Você escreveu, referindo-se à trajetória de Olavo de Carvalho, a seguinte afirmação: “O líder da tariqa [seita esotérica muçulmana] e o caubói armado da área rural da Virgínia – não eram somente a mesma pessoa, mas talvez a mesma persona”. Você poderia explicar um pouco melhor essa ideia?

Quando você analisa a biografia de Olavo, pode aparentar que ele tenha alternado identidades bastante diferentes, sendo um tipo de pessoa um dia e outro tipo completamente diferente de pessoa no dia seguinte. Mas, quando eu analisei as duas identidades que eu estudei mais a fundo para o meu livro – o filósofo esotérico que liderou uma tariqa sufista e o Olavo que agora é um guerreiro das mídias sociais lutando por um presidente populista –, eu me impressionei com o quanto essas identidades eram semelhantes, apesar do fato de que elas aparentam ter uma imagem diferente. Olavo quis se definir como um dissidente e um outsider durante toda a sua vida. Ele rejeita o convencional em termos de intelectualismo, ciência, educação ou política – e, novamente, por que você não adotaria essa postura se você acredita que estamos vivendo em um mundo virado de cabeça para baixo, um mundo invertido? Isso é o que permanece constante em Olavo, esteja ele vestindo um turbante ou um chapéu de caubói. O desafio para tais figuras é, claro, como sustentar essa identidade como um dissidente quando você ascende ao poder e pode passar a ser visto como parte do establishment. Para colocar em termos tradicionalistas, se a sociedade passa a reconhecer você como fonte da verdade e do conhecimento, você não deveria também estar sob suspeita de estar espalhando mentiras e confusão?

No livro, você descreve também uma tentativa de aproximação de Steve Bannon em direção a Aleksandr Dugin. Você diz que Bannon quer que Dugin abra mão de seu projeto eurasiano, de estabelecer a Rússia como líder de uma zona de influência entre a Ásia e Europa para opor-se ao domínio internacional dos Estados Unidos, para alinhar-se aos Estados Unidos geopoliticamente. Antes de assumir seu posto no Ministério de Relações Exteriores, Ernesto Araújo defendeu, em um texto intitulado “Trump e o Ocidente”, um pacto cristão entre Brasil, Rússia e Estados Unidos. Você avalia que Bannon conta com o Brasil como um aliado no seu projeto de convencimento de Dugin e da Rússia em direção a esse alinhamento com os EUA?

Certamente. No mínimo, Bannon considera a ala de influência de Olavo no governo, por exemplo, nos ministérios de Relações Exteriores e da Educação, como aliados. Mas ele sabe, também, que não há um alinhamento das visões dele com o governo, e que, para trabalhar em direção a um rompimento entre Brasil e China, como Bannon também deseja, Araújo estará trabalhando contra uma ordem política e econômica profundamente arraigada no país. Mudar isso requer mais do que apenas um presidente – requer uma convulsão política e administrativa em Brasília, e também uma mudança de discurso político e sentimento popular no seu país. Isso pode explicar por que Araújo e Olavo possuem tamanha atração e apreço por Bannon. Eles não somente são favoráveis a uma visão política que ele compartilha, se empenham em campanhas culturais para alcançá-la; seja essa campanha perseguida por tuítes e vídeos de Olavo ou pelo ensaio de Araújo. Isso se alinha com o arsenal de estratégias de Bannon para a mudança política.

Como Bannon quer mudar as relações entre China e Brasil?

Ele não foi muito claro comigo nesse aspecto, mas ele certamente vem pressionando o Brasil a resistir à expansão de determinados interesses econômicos chineses, como a rede de 5G da Huawei, por exemplo. Mas ele também está tentando reforçar as vozes de gente como Ernesto Araújo, que quer enquadrar o Brasil como uma sociedade judaico-cristã e, portanto, uma sociedade deve ter suas alianças geopolíticas primárias com outras nações judaico-cristãs (um movimento que prioriza um aspecto espiritual sobre outros interesses materiais) em vez de países como a China com quem, supostamente, há pouca espiritualidade em comum.

Qual a relação entre Bannon e Filipe Martins, assessor especial da Presidência da República para Assuntos Internacionais?

Eu não estou a par do que eles tratam entre si, mas Martins é, definitivamente, parte da rede Olavo-Bannon-Araújo, que se encontrou diversas vezes em Washington e Nova York. Ele esteve presente nos primeiros encontros entre Bannon e Eduardo Bolsonaro. Outro ponto de contato dessa rede no governo brasileiro parece agora ser Cesar Ranquetat Jr [nomeado por Ernesto Araújo no último dia 19 para a banca examinadora do Instituto Rio Branco]. Ele é um dos mais qualificados seguidores de Julius Évola [filósofo esotérico, escritor, pintor e poeta italiano do século 20] na América do Sul.

Bannon permanece influente na Casa Branca mesmo depois de ter sido afastado do governo Trump?

Se ele mantém influência na Casa Branca, como algumas coberturas recentes na mídia americana afirmam, será difícil de rastrear e confirmar. Essa influência se daria apenas através de canais privados e intermediários. No entanto, há muita gente o consultando, formal e informalmente, em Washington, e algumas dessas pessoas estão na Casa Branca, inclusive em posições consideráveis, ligados ao chefe de gabinete da Casa Branca, Mark Meadows.

Em um artigo recente para o The Nation, você escreveu que a pandemia da Covid-19 poderia oferecer uma grande oportunidade aos tradicionalistas para consolidarem uma oposição firme ao chamado “consenso liberal” que emergiu no mundo desde o fim da Segunda Guerra Mundial, como o multilateralismo, a ascensão das organizações supranacionais, o individualismo, a globalização. Recentemente, nós vimos Trump anunciar, por exemplo, a retirada de financiamento da OMS. Como você acha que os tradicionalistas vão forçar essa pauta contra as instituições do mundo moderno após a pandemia? Que tipo de mundo você acha que eles querem?

O que eles querem é um mundo menos integrado, um mundo dividido por fronteiras, instituições políticas e culturais de menor escala. Um mundo sem globalismos de qualquer tipo, em outras palavras. Para Dugin em particular, o surto de coronavírus é um possível meio de alcançar esse mundo. Da forma como ele avalia, nós estamos sendo punidos por estarmos globalmente conectados. O vírus está viajando pelos canais de comunicação globais, pelas viagens e trocas culturais globais, e está nos matando. Aqueles que vão sobreviver são aqueles que consigam escapar do globalismo, que consigam escapar desse movimento global e que se rendam ao valor das fronteiras. Olavo também tem falado sobre a globalização e sua relação com o vírus, mais especificamente referindo-se ao vírus como algo instigado pela China comunista. Ele também vem comentando a fraqueza da OMS. E, como você diria, o que eles têm em comum é a esperança de que, depois disso, os globalismos que ainda sobrevivem no mundo hoje – as organizações multilaterais, o capitalismo global, os esforços comunistas globais – sejam enfraquecidos.

Como eles vão buscar essa agenda? Não está claro o que Olavo está fazendo, além de aproveitar a oportunidade de contestar a atuação da OMS – lembre-se da crítica tradicionalista à atuação e à expertise institucionalizada. Bannon está em modo de ataque contra o Partido Comunista Chinês, produzindo um podcast com alcance relativamente amplo sobre a pandemia. Ele avalia que o desafio trazido pelo vírus ao globalismo de maneira mais ampla não precisa ser estimulado, no entanto, já que convulsões desse tipo estão destinadas a acontecer e vão ocorrer independentemente das movimentações dos políticos. Dugin também pensa que a queda do globalismo é destino – que nós estamos vivendo no fim do que uma antiga profecia previu como uma era sombria – e que a destruição e a dor do nosso tempo nos guiarão até uma era de ouro. O coronavírus lhe parece um instrumento necessário para a destruição – dolorosa, mas com a promessa de salvação.

E o que é o Bem e o Mal — o Ouro e as Trevas — na visão dos tradicionalistas?

Eles consideram a sociedade mais virtuosa quando apresenta uma hierarquia indo-europeia de castas com uma pequena elite de Sacerdotes no topo de uma pirâmide, descendendo para uma casta de Guerreiros, para os Mercadores, e finalmente para uma massa de Escravos. A hierarquia fica intacta e a espiritualidade dos Sacerdotes reina na Era de Ouro. Na Era Sombria, o materialismo dos Escravos e Mercadores reina e a hierarquia em si se dissolve quando a humanidade é homogeneizada seguindo nossos ímpetos mais baixos. Nesta Era, mesmo as pessoas e as instituições que parecem pertencer a uma casta superior perdida (a Igreja, o Exército, etc.) são apenas miragens e fachadas escondendo os mesmos desejos materialistas que o restante da sociedade.

O Tradicionalismo que se manifesta na política, em outras palavras, é uma visão envenenada para desacreditar o conhecimento e o profissionalismo institucionalizado, para interpretar a globalização, a democratização, e a igualdade como indicações proféticas de que estamos vivendo a Era Sombria, e para saudar a destruição da sociedade de massas e a ordem estabelecida como um meio para trazer de volta uma sociedade global mais segmentada — se não hierárquica — e espiritualizada.

Seja aliada da Pública

Quer saber como nossos repórteres descobriram estas injustiças? Doe para a Pública e ajude a lançar um novo podcast com bastidores das nossas reportagens.
Reprodução/Colorado University
Reprodução Youtube e Wikimedia Commons

Mais recentes

“Fome tem que ser combatida com renda básica e imposto sobre riqueza”, diz economista

18 de setembro de 2020 | por

Francisco Menezes afirma que dados do IBGE divulgados ontem revelam que a prorrogação do auxílio emergencial é indispensável para conter o crescimento da fome no país

Incêndios já tomam quase metade das terras indígenas no Pantanal

17 de setembro de 2020 | por , e

Dados indicam que parte das queimadas começou em terras privadas; indígenas relatam que “fogo veio de fora” e “destruiu tudo”

Apesar de lobby pelo agrotóxico, Anvisa mantém proibição do paraquate

15 de setembro de 2020 | por e

Após intensa campanha de fabricantes de agrotóxicos e de produtores rurais, votação acirrada dentro da agência confirma o banimento do agrotóxico letal. Retirada do produto do mercado deve ocorrer no dia 22 de setembro