Adicione nosso novo número para receber conteúdos gratuitos diariamente

Adicione nosso novo número para receber conteúdos gratuitos diariamente

4 de novembro de 2020
14:33

Com mais de 120 milhões de usuários ativos mensalmente, o WhatsApp é fonte de informação para a maior parte dos brasileiros: 79% disseram receber notícias sempre pela rede social, segundo uma pesquisa realizada pela Câmara dos Deputados e pelo Senado.

Para levar o jornalismo confiável e corajoso a todos os leitores, a Agência Pública envia pelo WhatsApp resumos diários das nossas mais recentes reportagens sobre o governo Jair Bolsonaro, o impacto dos agrotóxicos no meio ambiente e violações de direitos humanos. 

Como fazer parte da nossa lista:  

  • Adicione o nosso novo número: (11) 98886-8465. Esta etapa é essencial, pois o aplicativo exige que o usuário tenha o número registrado nos contatos para receber as mensagens da lista de transmissão. 
  • Clique neste link para enviar uma mensagem e solicitar entrada. 
  • Aguarde e em breve os resumos chegarão em seu celular! 

As mensagens também são enviadas pelo Telegram –  basta entrar nesta lista.

Seja aliada da Pública

Ajude a Pública a investigar os poderosos. Sua doação permite que a gente revele os abusos que outros preferem esconder.

Mais recentes

Coronel insufla seguidores extremistas a defender Bolsonaro de golpe imaginário

18 de junho de 2021 | por

Em artigo dirigido a grupos da Escola Superior de Guerra e divulgado nas redes bolsonaristas, coronel da reserva fala em fantasioso movimento armado de esquerda e em guerra civil

Ajude a mapear a perseguição política nas universidades brasileiras

17 de junho de 2021 | por e

Você conhece algum professor que foi processado por sua posição política? Sabe de pesquisas acadêmicas vetadas por abordarem temas polêmicos? Conte sua história

Acusados de garimpo ilegal em terra Munduruku pedem ao governo mineração no entorno da TI

16 de junho de 2021 | por e

Levantamento da Pública mostra que um dos réus por mineração ilegal na Terra Indígena, do sudoeste do Pará fez pedidos de lavra garimpeira também no entorno do território