Buscar
Nota

Família de jornalista assassinado na ditadura pede à OEA que monitore julgamento no Brasil

15 de agosto de 2023
11:59

Os familiares de Luiz Eduardo da Rocha Merlino dirigiram uma carta à Comissão Interamericana de Direitos Humanos, vinculada à OEA (Organização dos Estados Americanos), em Washington, a fim de pedir que o julgamento do caso movido pelos familiares no Judiciário brasileiro contra o espólio do coronel do Exército Carlos Brilhante Ustra, torturador morto em 2015, seja monitorado e acompanhado no Brasil. O julgamento do processo, que tramita há 13 anos sem solução, pode ser retomado nesta terça-feira (15) na Quarta Turma do STJ (Superior Tribunal de Justiça).

Jornalista, estudante de história e militante do Partido Operário Comunista, Merlino foi assassinado em julho de 1971 aos 23 anos de idade ao sofrer tortura durante várias horas no DOI-CODI, o destacamento do Exército marcado pelos mais bárbaros casos de tortura, assassinato e desaparecimento forçado de opositores à ditadura militar em São Paulo. Durante quatro anos (1970-1974), o destacamento foi comandado por Ustra, atualmente saudado como “herói” pelo ex-presidente Jair Bolsonaro e pelo seu vice e atual senador, Hamilton Mourão.

O primeiro requerimento judicial da família Merlino em busca de punição contra os torturadores e reconhecimento da responsabilidade do Estado brasileiro no crime data de 1979. Em 2012, a Justiça de São Paulo julgou, em primeira instância, como procedente o pedido dos familiares a fim de condenar Ustra a pagar R$ 50 mil de indenização a título de danos morais à viúva e à irmã de Merlino, respectivamente Ângela Maria Mendes de Almeida, hoje com 84 anos, e Regina Maria Merlino de Almeida, 79. Além das duas, subscrevem a carta enviada agora à Comissão da OEA a jornalista Tatiana, sobrinha de Merlino, diversos familiares de mortos e desaparecidos na ditadura e organizações de direitos humanos.

A condenação, contudo, nunca foi levada a efeito pelo Judiciário. Em 2018, três anos após a morte de Ustra, seus familiares pediram o arquivamento do processo, o que foi acolhido pelo Tribunal de Justiça de São Paulo. A família Merlino recorreu ao STJ (Resp 2.054.390/SP). O relator do caso, ministro Marco Buzzi, manifestou na semana passada apoio à posição da família, mas o julgamento foi suspenso com a promessa de ser retomado nesta terça-feira.

Na carta à Comissão da OEA, os familiares lembram que, no sistema interamericano, o Brasil já foi condenado duas vezes pela Corte IDH (os casos do Araguaia, em 2010, e do jornalista Vladimir Herzog, em 2018). “Conforme afirmado em ambas as decisões, crimes de lesa humanidade como a tortura, o desaparecimento forçado e as execuções sumárias são imprescritíveis, e tampouco devem ser aplicadas leis de anistia. Cabe lembrar ainda que no caso Órdenes Guerras vs. Chile, de 2018, a Corte IDH [vinculada à OEA] afirmou que a imprescritibilidade se aplica também às ações civis de reparação.”

Além do monitoramento do processo e do julgamento no Brasil, os familiares pediram à Comissão da OEA que redija e divulgue “uma nota pública que dê notícia do conhecimento da proximidade do julgamento e reafirme: a necessidade de que seja reconhecida a imprescritibilidade das ações civis de reparação por violações graves de direitos humanos; os obstáculos de acesso à justiça para as mulheres na luta por direitos humanos; e a importância do direito à memória, verdade, justiça e reparação para a garantia da democracia”.

A carta foi dirigida à relatora sobre Memória, Verdade e Justiça da Comissão Interamericana de Direitos Humanos, Julissa Mantilla Falcón, e à secretária executiva da Comissão Interamericana de Direitos Humanos, Tania Reneaum Panszi.

Edição:

ELON MUSK é parça de Bolsonaro, Trump e benfeitor na Amazônia e no Rio Grande do Sul? Já se perguntou quais são as intenções de Elon Musk no Brasil? A Pública vai investigar os interesses e negócios do homem mais rico do mundo em nosso território. O magnata da tecnologia mundial promove desinformação e já é investigado por órgãos públicos em diversos países. O jornalismo independente da Pública pode trazer revelações inéditas sobre Elon Musk. Mas um trabalho desse tamanho só pode ser realizado com a ajuda de nossos leitores. Por isso precisamos de, pelo menos, 700 novos Aliados ao nosso lado nesta investigação, que vai render uma série de reportagens especiais.

Clique aqui e faça parte desta investigação!

Não é todo mundo que chega até aqui não! Você faz parte do grupo mais fiel da Pública, que costuma vir com a gente até a última palavra do texto. Mas sabia que menos de 1% de nossos leitores apoiam nosso trabalho financeiramente? Estes são Aliados da Pública, que são muito bem recompensados pela ajuda que eles dão. São descontos em livros, streaming de graça, participação nas nossas newsletters e contato direto com a redação em troca de um apoio que custa menos de R$ 1 por dia.

Clica aqui pra saber mais!

Quer entender melhor? A Pública te ajuda.

Notas mais recentes

WhatsApp: Após Brasil, Nigéria multa Meta em R$ 1,2 bi por violar dados de usuários


WhatsApp e a aposta da Meta: Privacidade do brasileiro vale menos que a de europeus


Tribunais de contas de estados omitem aquisições de programas espiões ao STF


Empresário que transportou mala de joias de Bolsonaro nos EUA participa do CPAC Brasil


Brumadinho: Familiares de vítimas buscam justiça no STJ, mas encontram gabinetes vazios


Faça parte

Saiba de tudo que investigamos

Fique por dentro

Receba conteúdos exclusivos da Pública de graça no seu email.

Artigos mais recentes