Agência de Jornalismo Investigativo

Documento diplomático mostra os esforços de grupos como a FIESP contra guerra comercial

30 de junho de 2011

Em 2009, depois de quase oito anos de batalhas jurídicas e diplomáticas, a Organização Mundial de Comércio autorizou o Brasil a retaliar os Estados Unidos em função dos subsídios concedidos pelo governo norte-americano aos produtores de algodão do país.

O valor total da retaliação poderia chegar ao total de US$ 829 milhões da compensação destinado ao fundo do algodão, acordado no ano passado, é de US$ 147,3 milhões (cerca de R$ 236,9 milhões) ao ano até 2012.

Empresários brasileiros, porém, temendo a eclosão de uma guerra comercial que envolveria outros setores da economia, procuraram intermediar uma solução negociada, de acordo com um telegrama diplomático de fevereiro de 2010, revelado pelo Wikileaks.

O documento cita a Amcham, Câmara Americana de Comércio, e a Federação de Indústrias de São Paulo (Fiesp). Conforme o telegrama, Luiz Gabriel Rico, CEO da AmCham-Brasil, se empenhava em ajudar a encontrar uma solução construtiva para a disputa e teria conversado sobre o assunto com o então ministro de Comércio, Miguel Jorge, e a secretária-executiva da Câmara de Comércio Exterior (Camex), Lygia Spindola.

Rico teria sugerido um “gesto de boa vontade” da parte dos Estados Unidos para dar espaço político ao governo brasileiro para evitar retaliação.

De acordo com Rico, a preocupação era de que a lista de produtos afetados pela retaliação brasileira fosse maior do que se imaginava. Segundo ele, os setores de tecnologia de informação e indústria farmacêutica estavam entre os que mais temiam “retaliações cruzadas”, que poderiam atingir setores de serviços e de propriedade intelectual.

Em um esforço para oferecer soluções concretas, Rico disse ao cônsul geral dos EUA que havia encomendado um estudo da consultoria Prospectiva, para descobrir que tipo de concessões poderiam ser oferecidas aos brasileiros interessados no mercado norte-americano, fornecendo uma base para as negociações.

A Fiesp também estaria conversando com setores da indústria brasileira – particularmente ligados a carne, etanol e algodão – para estudar o que interessaria como compensação.

A novela continua

Mesmo com todos os esforços do empresariado nacional, o governo brasileiro chegou a divulgar, no dia 8 de março de 2010, uma lista com cerca de 100 itens dos EUA que seriam sobretaxados no Brasil, incluindo paracetamol (que teria alíquota de improtação de28%), cremes de beleza (36%), algodão (100%), leitores de códigos de barras (22%), entre outros.

A dois dias da entrada em vigor da retaliação brasileira, o governo dos EUA cedeu e conseguiu o adiamento das represálias ao se comprometer com a retirada dos subsídios para exportação do algodão e com a criação de um fundo de US$ 147,3 milhões anuais até 2012, administrado pelo Instituto Brasileiro do Algodão (IBA), destinado a programas de pesquisa e apoio à produção.

No último dia 16 de junho, a Câmara dos Representantes dos EUA decidiu suspender o pagamento da compensação pelos subsídios, o que ainda precisa ser votado no Senado e sancionado pelo presidente Barack Obama. Caso prevaleça essa posição, o governo brasileiro já acenou que poderá retomar o processo de retaliação comercial.

Os documentos são parte de 2.500 relatórios diplomáticos referentes ao Brasil ainda inéditos, que foram analisados por 15 jornalistas independentes e estão sendo publicados nesta semana pela agência Pública.

 

Você precisa ser um aliado para comentar.
Fechar
Fechar
Só aliados podem denunciar comentários.
Fechar

Explore também

Americanos criticaram absolvição do coronel Ubiratan

9 de julho de 2011 | por

Em 2006, advogado do comandante do massacre do Carandiru conversou com diplomatas americanos

Força Nacional recebe ameaça e recua do sul do Amazonas

24 de abril de 2012 | por e

Escolta retira a líder rural que protegia e se retira do local do conflito ao descobrir plano de emboscada. Anistia Internacional lança campanha pedindo medidas urgentes

Pelo menos 17 governadores pedalaram impunemente

8 de junho de 2016 | por

A Pública analisou votos, pareceres e manifestações dos TCEs e MPCs entre 2013 e 2014 em 20 estados; os documentos mostram que os governadores infringiram a legislação mas ainda assim tiveram as contas aprovadas

Mais recentes

Ilona Szabó: “A direita está falando em renovação política para chegar ao autoritarismo”

23 de abril de 2019 | por

A especialista em segurança pública - exonerada dois dias depois de nomeada suplente do Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária por pressão das redes de direita - fala em razão e empatia para lidar com o ódio e a polarização da sociedade

Ocupar propriedade não é terrorismo, diz ex-Relator Especial da ONU

23 de abril de 2019 | por

Especialista que estabeleceu parâmetros internacionais para legislações diz que governo Bolsonaro deve usar Lei Anti-terrorismo de maneira “oportunista”

“Desfaça tudo essas reservas”, diz produtora a secretário em reunião de fazendeiros do Pará com governo federal

22 de abril de 2019 | por

Em encontro fechado no Ministério da Agricultura, ruralistas do Pará cobram do governo Bolsonaro – apoiado por eles desde a campanha – medidas contra política ambiental, e mesmo ilegais, como fim da fiscalização e revogações de UCs