AGÊNCIA DE REPORTAGEM E JORNALISMO INVESTIGATIVO

Recado dos pistoleiros: líder protegida pela Força Nacional encontra cão morto a bala

Ao voltar para casa, Nilcilene encontrou o cão de guarda assassinado e estirado no chão

A lavradora jurada de morte Nilcilene Miguel de Lima recebeu um recado do crime organizado do sul do Amazonas no dia 1 de março. Ao descer da viatura da Força Nacional, acompanhada de dois policiais, ela encontrou o seu cachorro morto com um tiro no ouvido estirado perto do portão.

“Eu tô apavorada, não tem condição de ficar aqui”, ela disse, por telefone, na manhã desta sexta-feira, 2 de março.  Jurada de morte, a lavradora tem proteção ostensiva pelo Programa de Proteção dos Defensores de Direitos Humanos desde outubro do ano passado.

Nem nove homens armados ao seu redor podem lhe garantir segurança em uma área dominada por madeireiros e grileiros, sem presença do Estado. Nilcilene enfrenta ameaças desde 2009, quando fez as primeiras denúncias de roubo de madeira e invasão de terras no assentamento do qual é líder (leia matéria completa aqui).

Quem achou o cachorro foi Raimundo Oliveira, marido dela. “Ele ficou em pânico, nao quis nem tirar o corpo do lugar de tanto medo. Agora tá cheio de urubu lá em casa”. O vira-lata “Chorinho” era o mais bravo dos quatro cachorros da casa e o primeiro a latir e correr para o portão quando alguém se aproximava.

Nilcilene teve que passar três dias fora e Raimundo ficou sozinho, sem a escolta. O casal acha que a ausência dos homens da Força Nacional foi notada pelos agressores. “Está muito perigoso. O Raimundo não está mais dormindo sozinho em casa. Quando eu saio, ele tem que se esconder na casa de alguém porque está correndo risco de vida”.

Assustados, Raimundo e Nilcilene não dormiram na noite passada. Ficaram ouvindo a movimentação dos madeireiros na estrada. “Fazia tempo que eu não via eles tirarem tanta madeira daqui. A serra comeu a noite toda, passaram mais de dez caminhões na estrada de casa”, diz Nilcilene.

Com o aumento das chuvas desse período, as estradas de terra que levam ao assentamento ficaram intransitáveis. A viatura da Força Nacional quebrou e Nilcilene foi obrigada a passar três noites na cidade de Acrelândia, onde fica a base da equipe policial. Por isso, Raimundo ficou sozinho em casa.

” Os madeireiros aproveitaram que a estrada está ruim e falaram pros produtores (os lavradores do assentamento) que eles consertam, desde que o povo pague com madeira. E o povo aceitou, tá todo mundo deixando eles pegarem madeira para consertar a estrada. No assentamento dá para ver as toras de árvore empilhadas. “.

O casal se preocupa com o momento em que o governo retirar a escolta. Os contratos do Programa de Proteção aos Defensores de Direitos Humanos duram três meses. O primeiro venceu em janeiro, mas a Comissão Pastoral da Terra intercedeu pela prorrogação.

“Se a escolta for embora, a gente tem que ir junto, se não eles vão me matar”.

 

Leia mais: Nilcilene, com escolta e colete à prova de balas: “eles vão me matar”

Trabalhadora próxima à líder é assassinada em Rondônia

Vídeo: pistoleiros perseguem famílias ligadas à líder 

O fazendeiro e o político, quem está por trás dos crimes?

Sul do Amazonas: confrontado por pistoleiros, governo recua

 

Relatos: “A ordem era tocar fogo com a gente dentro”

“Tem muita gente sumida, enterrada lá para dentro”

“Tomaram a frente, as fundiárias e depois as costelas”

Tags: , , ,

Comentários

Opte por Disqus ou Facebook

  • Cadê o estado? Por qual motivo exatamente, há anos, as
    mesmas pessoas seguem a devastar algo que é patrimônio de todos nós, sem que
    sofram qualquer tipo de punição? Estariam alguns de nossos parlamentares direta
    ou indiretamente envolvidos nestes crimes? Ora, se gasta bilhões para promover
    uma copa, enquanto simultaneamente há lugares onde a lei ainda não se faz
    presente… Isso é tão absurdo que me causa náuseas!

  •  

    Caso o estado tivesse algum interesse na resolução de tal
    problema, várias medidas razoáveis estariam imediatamente à disposição. Nosso Exército
    possui uma força elite chamada de Guerra na Selva. Vangloriam-se por defender a
    Amazônia, no entanto, o que vemos de fato, é uma floresta que se esvai pelas motosserras,
    tratores e pelo fogo.

    CADE O ESTADO?

  • Marinesalves_

    Acho muito engraçado esta reportagem da Dn: Ana aranha ela esteve entrevistando outras pessoas onde desmascarava dona Nilcilene. Pessoas estas que são moradoras do acetamento porque ñ aparece estas reportagem???
    so aparece desta senhora que mente descaradamente sou moradora do sul de labrea e  desconheço muita coisa que ela esta falando ok nos queremos é que as autoridades
    venha em nosso acetamento ouvir ok nos temos a falar  esta mulher gosta mesmo é de conflito ela é intrigada com quase todos os moradores do acetamento queremos providencia logo ela esta fazendo com que nos abandone nossas terras pra ir em bora atras de sobrevivência pq nem um financiamento sai pra nos por causa dela tudo que vem pra nos ela derruba com suas mentiras. 
    Na sua associação so existe 5 pessoas . Pessos esta que são de sua Igreja.

  • Dihones

     essa mulher inventa um monte de lorota……ela gosta é de aparecer ……o estado tem que visitar o local e colher depoimentos da comunidade….então a verdade vai prevalecer

  • Corisco

    Ae.. ate que ponto vale a pena defender a questão ambiental sendo que o proprio governo coloca em xeque a sua responsabilidade e comprometimento com a causa.

  • LUIZINHO

    será que as pessoas desse assentamento no sul da cidade de Lábrea no Amazonona não pertence a este estado brasileiro?,Governador,faça alguma coisa homem de Deus porque ai na cidade de Lábrea a coisa ta feia isso ai é pertence ao Brasil ou é terra de nimguém.?solicite ajuda de brasilia, mas vamos preender todos esses bandidos juntamente com seus pistoleiros.compartilho com outros comentarios de outros leitores cadê O ESTADO.
    AUTORIDADES BRASILEIRAS ATÉ QUANDO VAMOS LER NOTICIAS DE EXPLORADORES SEM LEI NA AMAZONIA

Supremas relações 7

| por | 18 de setembro de 2017

Processo trabalhista revela acesso à cúpula do Judiciário em troca de patrocínio de eventos de site jurídico. Gilmar Mendes tem conversa exposta em que trata sobre projetos de seu IDP