Agência de Jornalismo Investigativo

Rappers cariocas denunciam remoções e comparam a especulação imobiliária no Rio à da ilha que sedia Nova York

10 de maio de 2012

“Ninguém aqui respeita o que eu posso sentir/a dor não tem voz, nos obrigam a partir/e se você tem coração então pense o momento/com seu filho no colo cair tijolo e cimento/fecharam os olhos para área existente/a cultura local sendo expulsa do presente/isso aqui não é comédia é muita tristeza/a história soterrada por muitas empresas/Olha a sujeira que está acontecendo/a Manhattan brasileira”

É assim que o rapper carioca Fábio Prestes enxerga os despejos e as remoções que estão acontecendo neste momento no Rio de Janeiro por conta dos preparativos da cidade para a Copa de 2014. Ele conta que passou a se familiarizar (e se indignar) com o tema porque trabalha como iluminador no barracão da escola de samba Pimpolhos da Grande Rio, que fica na zona portuária da cidade, próximo ao Morro da Providência: “Começamos a nos movimentar para divulgar tudo que estava acontecendo nos arredores e assim pude participar também de uma reunião com o pessoal do Forum Comunitário do Porto na quadra da Gamboa para me integrar mais sobre o assunto”.

Passando o recado em forma de rima, Fábio se juntou ao produtor e dj Machintal e juntos criaram o rap “Manhattan Brasileira”. Ele diz que a música foi resultado de pesquisa, relatos dos moradores e também do que sente, vê e busca: “são sentimentos, percepções, indignação e justiça”.

Aqui você pode ler o que o Copa Púlica já falou sobre o Morro da Providência e abaixo assistir o vídeo feito por Fábio e Machintal. No pé da matéria, vai a letra do rap e um link para outras músicas do Projeto Prestes da dupla:

Ninguém aqui respeita o que eu posso sentir
a dor não tem voz nos obrigam a partir
e se você tem coração então pense o momento
com seu filho no colo caí tijolo e cimento
fecharam os olhos para área existente
a cultura local sendo expulsa do presente
isso aqui não é comédia é muita tristeza
a história soterrada por muitas empresas
Olha a sujeira que está acontecendo
a Manhattan Brasileira do seu bolso crescendo
sendo ótimo lugar para especulação
com grandes eventos atraíndo a multidão
esse é o Rio de Janeiro com mais um exemplo
a zona portuária a locação do momento
passa o Pereira passa o Paz
no porto maravilha é remoção demais
escrevem nas casas SMH
a tinta nazista que vai te marcar
dizem que vão fazer o seu cadastro
dias depois derrubam seu barraco
espera um instante ali vem o meu valor
trouxeram a grana com muito amor
um cheque social de 400 reais
o que fazer com isso Eduardo Paz?
Ninguém aqui respeita o que eu posso sentir
a dor não tem voz nos obrigam a partir
e se você tem coração então pense o momento
com seu filho no colo caí tijolo e cimento
fecharam os olhos para área existente
a cultura local sendo expulsa do presente
isso aqui não é comédia é muita tristeza
a história soterrada por muitas empresas
O aluguel aqui não para de aumentar
o povo brasileiro que não têm onde morar
grandes construções em paralisia
e o mosquito da dengue com direito a moradia
vejam só a tamanha calamidade
o balcão de negócios que virou essa cidade
Copa , Olimpíadas Filmagens de Hollywood
sem dinheiro para o bombeiro para educação e para saúde
tem bueiro estourando cuidado ao caminhar
o salto em distância começou a funcionar
o jogo já existe e é fétido o valor
a natureza do Rio revela sua dor
leva bem rápido feito sua ganância
olha o que a água tem deixado de lembrança!
e a Avalanche continua com o falso progresso
quando pensa em destruir eu construo meus versos
Ninguém aqui respeita o que eu posso sentir
a dor não tem voz nos obrigam a partir
e se você tem coração então pense o momento
com seu filho no colo caí tijolo e cimento
fecharam os olhos para área existente
a cultura local sendo expulsa do presente
isso aqui não é comédia é muita tristeza
a história soterrada por muitas empresas.

http://soundcloud.com/projeto-prestes

 

O blog Copa Pública é uma experiência de jornalismo cidadão que mostra como a população brasileira tem sido afetada pelos preparativos para a Copa de 2014 – e como está se organizando para não ficar de fora.

Mais recentes

O promotor que desafia os poderosos de Minas Gerais

24 de setembro de 2018 | por

“As ameaças contra mim se concretizaram”, diz promotor de justiça e defesa do patrimônio público, afastado do cargo por decisão de Dias Toffoli

Prorrogado o prazo de inscrições para as Microbolsas Fome

21 de setembro de 2018 | por

Agência Pública e Oxfam Brasil vão receber propostas de pauta sobre fome no país até dia 30 de setembro; quatro repórteres serão selecionados para receber a bolsa de R$ 7 mil e mentoria da Pública

Quem matou e quem mandou matar Jairo de Sousa?

21 de setembro de 2018 | por

A morte do radialista é o segundo caso investigado pela equipe da Abraji dentro do Programa Tim Lopes

Truco!

#leitegate: Eduardo Leite rompeu contrato com Banrisul para obter verbas do PAC

25 de setembro de 2018

Enquanto prefeito de Pelotas, candidato ao Piratini pelo PSDB diz que fez acordo judicial com o banco estadual porque o município poderia ficar impedido de receber financiamento federal para obras de infraestrutura. Ofício do Tesouro Nacional confirma informação

Hospitais filantrópicos realizaram 67% das cirurgias “difíceis” do SUS no Paraná

24 de setembro de 2018

Hospitais públicos atendem mais a média complexidade, deixando a oferta de leitos e a alta complexidade para as instituições filantrópicas

Correto, Anastasia: Minas Gerais teve dois primeiros lugares no IDEB em 2013

24 de setembro de 2018

Ex-governador cita corretamente os dados da pesquisa que avalia o desempenho dos alunos

Explore também

“Não sou sortudo” – mais de mil feridos pelos ataques da CIA

15 de agosto de 2011 | por

Mais de mil pessoas foram feridas em ataques de aviões pilotados pela CIA

“A ordem era tocar fogo com a gente dentro”

29 de fevereiro de 2012 | por

Assentada foi expulsa da terra depois de sofrer ameaças e ver seu barraco ser queimado em um incêndio criminoso

A pedido do Departamento de Estado, empresa americana veio ao Brasil pesquisar "terrorismo"

8 de abril de 2013 | por

De acordo com os telegramas, entre 4 e 22 de fevereiro de 74, a RAND, empresa de pesquisa, veio ao Brasil estudar casos de sequestros políticos