Rappers cariocas denunciam remoções e comparam a especulação imobiliária no Rio à da ilha que sedia Nova York

Rappers cariocas denunciam remoções e comparam a especulação imobiliária no Rio à da ilha que sedia Nova York

10 de maio de 2012
08:00
Este texto foi publicado há mais de 10 anos.
Especial: Copa Pública

“Ninguém aqui respeita o que eu posso sentir/a dor não tem voz, nos obrigam a partir/e se você tem coração então pense o momento/com seu filho no colo cair tijolo e cimento/fecharam os olhos para área existente/a cultura local sendo expulsa do presente/isso aqui não é comédia é muita tristeza/a história soterrada por muitas empresas/Olha a sujeira que está acontecendo/a Manhattan brasileira”

É assim que o rapper carioca Fábio Prestes enxerga os despejos e as remoções que estão acontecendo neste momento no Rio de Janeiro por conta dos preparativos da cidade para a Copa de 2014. Ele conta que passou a se familiarizar (e se indignar) com o tema porque trabalha como iluminador no barracão da escola de samba Pimpolhos da Grande Rio, que fica na zona portuária da cidade, próximo ao Morro da Providência: “Começamos a nos movimentar para divulgar tudo que estava acontecendo nos arredores e assim pude participar também de uma reunião com o pessoal do Forum Comunitário do Porto na quadra da Gamboa para me integrar mais sobre o assunto”.

Passando o recado em forma de rima, Fábio se juntou ao produtor e dj Machintal e juntos criaram o rap “Manhattan Brasileira”. Ele diz que a música foi resultado de pesquisa, relatos dos moradores e também do que sente, vê e busca: “são sentimentos, percepções, indignação e justiça”.

Aqui você pode ler o que o Copa Púlica já falou sobre o Morro da Providência e abaixo assistir o vídeo feito por Fábio e Machintal. No pé da matéria, vai a letra do rap e um link para outras músicas do Projeto Prestes da dupla:

Ninguém aqui respeita o que eu posso sentir
a dor não tem voz nos obrigam a partir
e se você tem coração então pense o momento
com seu filho no colo caí tijolo e cimento
fecharam os olhos para área existente
a cultura local sendo expulsa do presente
isso aqui não é comédia é muita tristeza
a história soterrada por muitas empresas
Olha a sujeira que está acontecendo
a Manhattan Brasileira do seu bolso crescendo
sendo ótimo lugar para especulação
com grandes eventos atraíndo a multidão
esse é o Rio de Janeiro com mais um exemplo
a zona portuária a locação do momento
passa o Pereira passa o Paz
no porto maravilha é remoção demais
escrevem nas casas SMH
a tinta nazista que vai te marcar
dizem que vão fazer o seu cadastro
dias depois derrubam seu barraco
espera um instante ali vem o meu valor
trouxeram a grana com muito amor
um cheque social de 400 reais
o que fazer com isso Eduardo Paz?
Ninguém aqui respeita o que eu posso sentir
a dor não tem voz nos obrigam a partir
e se você tem coração então pense o momento
com seu filho no colo caí tijolo e cimento
fecharam os olhos para área existente
a cultura local sendo expulsa do presente
isso aqui não é comédia é muita tristeza
a história soterrada por muitas empresas
O aluguel aqui não para de aumentar
o povo brasileiro que não têm onde morar
grandes construções em paralisia
e o mosquito da dengue com direito a moradia
vejam só a tamanha calamidade
o balcão de negócios que virou essa cidade
Copa , Olimpíadas Filmagens de Hollywood
sem dinheiro para o bombeiro para educação e para saúde
tem bueiro estourando cuidado ao caminhar
o salto em distância começou a funcionar
o jogo já existe e é fétido o valor
a natureza do Rio revela sua dor
leva bem rápido feito sua ganância
olha o que a água tem deixado de lembrança!
e a Avalanche continua com o falso progresso
quando pensa em destruir eu construo meus versos
Ninguém aqui respeita o que eu posso sentir
a dor não tem voz nos obrigam a partir
e se você tem coração então pense o momento
com seu filho no colo caí tijolo e cimento
fecharam os olhos para área existente
a cultura local sendo expulsa do presente
isso aqui não é comédia é muita tristeza
a história soterrada por muitas empresas.

http://soundcloud.com/projeto-prestes

 

O blog Copa Pública é uma experiência de jornalismo cidadão que mostra como a população brasileira tem sido afetada pelos preparativos para a Copa de 2014 – e como está se organizando para não ficar de fora.

Precisamos te contar uma coisa: Investigar uma reportagem como essa dá muito trabalho e custa caro. Temos que contratar repórteres, editores, fotógrafos, ilustradores, profissionais de redes sociais, advogados… e muitas vezes nossa equipe passa meses mergulhada em uma mesma história para documentar crimes ou abusos de poder e te informar sobre eles. 

Agora, pense bem: quanto vale saber as coisas que a Pública revela? Alguma reportagem nossa já te revoltou? É fundamental que a gente continue denunciando o que está errado em nosso país? 

Assim como você, milhares de leitores da Pública acreditam no valor do nosso trabalho e, por isso, doam mensalmente para fortalecer nossas investigações.

Apoie a Pública hoje e dê a sua contribuição para o jornalismo valente e independente que fazemos todos os dias!

Mais recentes

Garimpo ilegal utilizou base da Funai que deveria proteger Yanomami, mostra ofício inédito

27 de janeiro de 2023 | por

Documento de 2021 cita helicópteros clandestinos, homens armados e garimpo utilizando estrutura do governo dentro da TI

Gravações colocam governador do MT sob suspeita de tramar contra jornalista

26 de janeiro de 2023 | por

Infiltrado no esquema, repórter denunciou intenção de atingir o colega, Alexandre Aprá, que desagradava governador

Primeiras imagens do STF mostram facilidade de bolsonaristas na invasão ao Tribunal

25 de janeiro de 2023 | por

Policiais não barraram acesso de grupos golpistas; Polícia Judicial deixou vulnerável prédio principal