Agência de Jornalismo Investigativo

Leia o relato dos bastidores da reportagem sobre a Transposição do Rio São Francisco

6 de fevereiro de 2014

A proposta de pauta sugerida ao Reportagem Púbica foi percorrer o Eixo Leste do Projeto de Integração do São Francisco, verificar o andamento das obras e levantar problemas que devem ser resolvidos antes da chegada das águas ao destino final, no Estado da Paraíba.

As visitas aos canteiros de obras devem ter a autorização do Ministério da Integração Nacional. Iniciamos o contato via assessoria de comunicação social; depois passamos a conversar com a responsável no Ministério. De acordo com nossas solicitações, ela sugeriu um roteiro de quatro dias. A equipe foi acompanhada todo o tempo por supervisores técnicos locais. Saímos de João Pessoa, na Paraíba, no dia 8 de dezembro de 2013, de carro, para Salgueiro, a 500 km de distância. Era o início de uma jornada de seis dias de viagem (incluindo a volta) em estradas não pavimentadas, num total de 1.480 km.

Na segunda-feira, a representante da empresa CMT Engenharia e o gaúcho Eduardo Melloni, da empresa Ecoplan, fizeram uma apresentação geral do projeto da transposição e, depois do almoço, visitamos a Estação de Bombeamento 1 e o canal de captação das águas, no Lago de Itaparica (rio São Francisco). Pernoitamos em Petrolândia, município-base de onde foram contratados a maioria dos trabalhadores do ponto de partida do Eixo Leste. A manhã seguinte começou quente, e a representante da CMT nos acompanhou até o canteiro de obras, onde encontramos outro supervisor que percorreu conosco cerca de 20 km. Ele se negou a responder perguntas, alegando não ter autorização para conceder entrevistas à imprensa.

O dia foi de muito sol e poeira, e pouca água. Este é o trecho onde as obras estão mais adiantadas. Almoçamos no canteiro de obras próximo a Custódia, onde conhecemos o analista de infraestrutura Marcílio Lira, campinense, do Ministério do Planejamento, que serviu de porta-voz dos argumentos do Ministério sobre novas licitações, e nos levou aos povoados de Caiçara e Salgado, cujas áreas rurais são cortadas pelos canais da transposição.

Na quarta-feira, dia 11 de dezembro de 2013, encontramos com outro supervisor de obras, Adílson Leal, também da Ecoplan. Antes mesmo de pegarmos a estrada de apoio das obras, paramos em Rio da Barra, outra comunidade próxima dos canais, onde não corre água das torneiras nas residências há mais de cinco anos. Ali também entramos em contato com agricultores que tiveram suas casas indenizadas. Passamos por mais reservatórios, estações de bombeamentos, aquedutos até que finalmente alcançamos o local de onde partirá o túnel que cruzará o limite entre Pernambuco e a Paraíba, no Eixo Leste.

O calor e a poeira não eram mais novidade. O que nos surpreendia era a esperança da população de algum dia poder abrir as torneiras de suas casas e verem água potável escorrer sem parar. A busca por água de boa qualidade já está na rotina do povo: a espera pelo dia que vem o caminhão pipa, a caminhada até as cisternas públicas com os recipientes, o retorno para casa de carroça ou à pé, carregando os baldes; o banho de bacia e as tarefas da cozinha sendo realizadas usando uma caneca.

Monteiro é uma cidade pólo do Cariri paraibano com graves problemas de saneamento. Quando estávamos fotografando o Rio Paraíba de cima da ponte na entrada da cidade, um cidadão se aproximou e questionou o objetivo do trabalho. Era um ex-funcionário da Companhia de Esgotos da Paraíba, a Cagepa, que trabalhava em Monteiro e tinha conhecimento da deficiência de toda a rede de esgotos da cidade. Prontamente, ele nos conduziu por uma série de locais que comprovaram a necessidade urgente de renovação da antiga rede de esgotos, onde os dejetos são lançados sem tratamento no rio Paraíba.

De Monteiro, seguimos o curso do rio Paraíba até o reservatório Poções. De lá continuamos em direção à Camalaú, região onde o rio deverá ser perenizado. A paisagem remetia ao conceito de “Seca Verde”: um sem-fim de arbustos esbranquiçados e o leito seco de um rio.

Na quinta-feira o pernoite foi em Campina Grande, de onde partimos para Itabaiana, outro município com sérias dificuldades no tratamento de esgotos. Ali participamos de uma das reuniões do Fórum de Defesa do Rio Paraíba, presidida pelo ambientalista João Batista da Silva, que expôs outra ameaça ambiental ao rio Paraíba: a extração mecanizada de areia do leito do rio.

De Itabaiana seguimos para o canteiro de obras do ramal da transposição Vertentes Litorâneas – Acauã-Araçagi, onde tivemos o acompanhamento de Bruno Moura, engenheiro do consórcio Acauã, formado pelas empresas Queiroz Galvão, Via e Marquise. Visitamos um trecho de 20 kms, de Itabaiana até o reservatório Acauã, de onde a água será captada para desaguar em Araçagi, a 112 km dali.

Em Acauã demos por encerrado o trajeto, mas continuamos com investigações posteriores, com entrevistas a fontes complementares a reportagem que vocês leem agora.

Leia mais

Transposição do rio São Francisco: via de mão única

Uma viagem ao canteiro de obras

Na Contramão da Transposição

O povo contra os areeiros

Uma viagem ao canteiro de obras

Explore também

Assentados no fim do mundo

6 de agosto de 2012 | por

Todo assentado sempre diz que, apesar do sofrimento sob os barracos de lona, da violência policial e da tensão nas marchas e ocupações, a luta é ainda maior depois de se chegar ao próprio lote. Conhecendo a realidade de São Gabriel se descobre por quê

A Transposição, um projeto dos tempos do Império

6 de fevereiro de 2014 | por

Cíclicos como as secas no Nordeste, projetos de combate à falta d'água surgem e desaparecem há mais de três séculos

A terra das mortes sob encomenda

17 de outubro de 2016 | por e

De cada três assassinatos na zona rural paraense, dois são no sul e sudeste do estado; impunidade e morosidade no ordenamento fundiário perpetuam a pistolagem

Mais recentes

“Vale não ofereceu lista identificando terceirizados de Brumadinho até hoje”, diz sindicalista

21 de fevereiro de 2019 | por

Eduardo Armond, representante dos sindicatos unificados afirmou à Pública que a Vale quer "dividir para reinar" e que as indenizações devem ser acordadas na justiça do trabalho

De bombom envenenado a bilhetes ameaçadores, as histórias de juízes jurados de morte

21 de fevereiro de 2019 | por

Dos mais de cem juízes ameaçados no país em 2017, 76 viviam sob proteção; a Pública entrevistou quatro deles em diferentes estados para saber dos impactos na sua rotina e de suas famílias

“Vinda do Mecanismo é de extrema urgência”, diz presidente do Conselho Estadual de Direitos Humanos do Ceará

20 de fevereiro de 2019 | por

Em entrevista à Pública, Beatriz Rego Xavier cobra fiscalização de denúncias de violações nas cadeias cearenses; relatos envolvem mortes não confirmadas, tortura e prisões arbitrárias; dossiê com as denúncias recebidas será divulgado nesta quinta-feira