Agência de Jornalismo Investigativo

Baixe gratuitamente o e-book, que reúne série finalista do Prêmio Gabriel García Márquez em 2013

29 de outubro de 2014

Na manhã do dia 15 de junho de 2012, um helicóptero Robinson da Polícia Nacional paraguaia sobrevoou um terreno de 2 mil hectares no município de Curuguaty, próximo à fronteira com o Mato Grosso do Sul. Lá embaixo cerca de 70 camponeses – incluindo mulheres e crianças – ocupavam a terra no auge de uma disputa com o poderoso Blas N. Riquelme, ex-presidente do conservador Partido Colorado. O sobrevôo do helicóptero foi apenas o primeiro sinal: logo depois, centenas de policiais das forças de elite, da polícia montada e de grupos antimotins entraram no terreno para exigir a saída dos sem-terra. Seguiu-se um intenso tiroteiro e em poucos minutos 17 pessoas – 6 policiais e 11 camponeses – foram assassinadas num dos episódios mais brutais da história recente do Paraguai. No palácio presidencial em Assunção, Fernando Lugo imediatamente reuniu ministros e os comandantes do Exército, da Armada e da Aeronáutica. Seu chefe de gabinete, Lopez Perito, resumiu a urgência da situação: “Presidente, esse é o início do impeachment”. Uma semana depois Fernando Lugo, primeiro presidente de esquerda a chegar ao poder em um dos países mais pobres da América do Sul, foi deposto num impeachment que durou menos de 24 horas, por esmagadora maioria de 39 votos a 4 no Senado. “Eu sabia que iria terminar assim”, diria Lugo à Agência Pública, dois meses depois. “O poder, mesmo, nunca foi meu”.

CapaO livro “O Bispo e Seus Tubarões” reconta essa tragédia que mudou o destino político do país vizinho, episódio a episódio. Escrito pela jornalista Natalia Viana, uma das diretoras da Pública, a série foi finalista do Prêmio Gabriel García Márquez, da Fundación Nuevo Periodismo Iberoamericano, no ano passado.

Atualizado, o e-book recebeu uma introdução do premiado jornalista Mauri König, que investigou Horácio Cartes, atual presidente do Paraguai. Cartes foi o maior articulador da derrubada de Lugo dentro do Partido Colorado. “O vice que tramou pelas costas assumiu seu curto mandato em 22 de junho de 2012 e, muito pronto, o Paraguai se viu com um novo presidente, eleito em abril de 2013 e empossado em agosto do mesmo ano. Decerto os paraguaios supunham ter feito bom negócio. Afinal, Horacio Cartes apresenta-se como homem bem sucedido à frente de suas empresas e do clube de futebol Libertad, 3º colocado da Libertadores em 2006. Mas vejamos com que tinta se escreveu a história daquele que viria a ocupar o lugar de Lugo no Palácio de los López”, escreve Mauri König. “Ele é o homem por trás do contrabando do cigarro, um negócio que desbanca o narcotráfico em algumas fronteiras sul-americanas e começa a redesenhar a geopolítica do crime organizado. (…) Cartes é o maior beneficiado pelo contrabando. Responde por 30% de toda a produção paraguaia. Os paraguaios fumam só 2%. O resto assegura ao país o papel de maior provedor latino-americano de cigarro pirata. Cinco das 11 marcas produzidas por Cartes responderam por 79 milhões de maços apreendidos no Brasil entre 2010 e 2013, metade de todo o cigarro ilegal confiscado no país”.

Como os demais e-books da Pública, “O Bispo e Seus Tubarões” pode ser baixado gratuitamente em diversos formatos:

PDF

EPUB – Compatível com a maioria dos e-readers, incluindo o Kobo, da Livraria Cultura, e os aplicativos iBooks (iPad, iPhone e Mac), da Apple, e Google Play Livros (Android).

MOBI – Compatível com Kindle, da Amazon (e-readers e aplicativo)

Explore também

"Eu quero um desfecho justo”, diz jovem negro preso no show do Coldplay

17 de novembro de 2017 | por

Gabriel dos Santos Vieira, 27 anos, alega ter sido vítima de preconceito racial após ser retirado algemado do Allianz Parque

A Pública ouviu os deputados federais sobre o que pensam do impeachment, eleições e reforma da previdência

24 de maio de 2017 | por , , , e

A maioria é a favor do impeachment (46,35%), das eleições diretas (47,6%) e contrários a reforma da previdência (64,43%). Dos 511 deputados em exercício, 211 responderam à enquete

Convênio médico pode tudo?

29 de maio de 2018 | por

A Pública investiga por que as empresas de planos de saúde – há seis anos recordistas de reclamações dos consumidores – ganharam tanto poder no país em que 70% da população utiliza o SUS, que sofre com encolhimento de verbas

Mais recentes

Como a internet está matando a democracia

19 de março de 2019 | por

Em entrevista à Pública, o pesquisador e autor inglês Jamie Bartlett diz que hoje em dia cuidar do nosso comportamento online é mais importante que votar

Um ministro em órbita

18 de março de 2019 | por

Falta de articulação política de Pontes, titular do Ministério da Ciência e Tecnologia, um dos “patinhos feios” do Planalto, preocupa comunidade científica, que aguarda implantação de projetos

Atmosfera em universidades brasileiras preocupa organização internacional que protege acadêmicos ameaçados

18 de março de 2019 | por

Em entrevista à Pública, pesquisadora do Scholars at Risk diz que tem sido procurada por professores que querem deixar o país temendo pela própria vida