Agência de Jornalismo Investigativo

Lei Antiterrorismo e MP que aumenta imposto sobre ganho de capital também estão na pauta do Congresso

21 de fevereiro de 2016
16:00
Este texto foi publicado há mais de 5 anos.

A semana começa com dois projetos de lei trancando a pauta de votações da Câmara. O PL 3123/2015, de autoria do Executivo, fixa novas regras para o cálculo do teto salarial de servidores públicos e de agentes políticos. O objetivo é restringir ganhos acima do limite estabelecido por lei. Para isso, o projeto inclui no cálculo do teto salarial verbas que hoje elevam remuneração de servidores, como abonos, adicionais referentes a tempo de serviço e gratificações de qualquer natureza.

Também está na pauta de votações o polêmico projeto do Executivo da Lei Antiterrorismo (PL 2016/2015). A matéria tipifica o crime de terrorismo e tem sido alvo de críticas por parte de organizações de Direitos Humanos, por abrir brechas de interpretação que podem enquadrar como crime manifestações de movimentos sociais.

Na Câmara, o Conselho de Ética se reunirá na terça-feira (23), quando continuará a apreciar o processo que pede a cassação do mandato do presidente da Casa, Eduardo Cunha (PMDB-RJ). Na última reunião do colegiado, na quarta-feira (17), um pedido de vista coletivo dos deputados Wellington Roberto (PR-PB) e Zé Geraldo (PT-PA) adiou a votação do parecer preliminar do relator Marcos Rogério (PDT-RO).

Com o pedido de vista, o processo fica paralisado por dois dias úteis. Na terça-feira o conselho dará continuidade à discussão do parecer do relator que votou pela admissibilidade do processo. Marcos Rogério afirma que o presidente da Casa mentiu na CPI da Petrobras ao dizer que não possuía contas no exterior e destacou as denúncias realizadas nas delações premiadas relacionadas à Operação Lava Jato, em que Cunha é investigado por corrupção e lavagem de dinheiro.

Ainda nesta semana, o presidente do conselho, José Carlos Araújo (PSD-BA), e a Ordem dos Advogados do Brasil entrarão com um mandado de segurança no Supremo Tribunal Federal contra a decisão do vice-presidente da Mesa Diretora da Câmara, Waldir Maranhão (PP-MA). No início do mês o colegiado foi notificado porque Maranhão anulou a votação que deu andamento ao processo contra o presidente da Casa.

Na terça-feira, os líderes partidários devem se reunir com Cunha, quando voltarão a discutir a instalação das comissões permanentes. Na última semana a discussão não prosperou, pois o PP ainda precisa indicar um nome para assumir a liderança do partido na Câmara. Enquanto isso não for resolvido, a definição das 23 comissões permanentes da Casa não avança.

Ajuste fiscal

No Senado, a semana começa com uma medida provisória trancando a pauta de votações. A MP 692/2015 tem validade até o dia 29 de fevereiro e aumenta o imposto sobre ganho de capital para pessoas físicas. A matéria faz parte da iniciativa de ajuste fiscal do governo e tem como objetivo aumentar a arrecadação. Para isso a MP estabelece que quando o ganho de capital for de até R$ 5 milhões, o imposto será de 15%. Para lucros entre R$ 5 milhões e R$ 10 milhões, a alíquota será de 17,5%. Acima de R$ 10 milhões e até R$ 30 milhões, de 20%. Por fim, acima de R$ 30 milhões, 22,5%.

Outros quatro projetos tramitam em regime de urgência na Casa. Dois deles envolvem a exploração de petróleo: o PLS 131/2015 e o PLS 400/2014. O primeiro, de autoria do senador José Serra (PSDB-SP), acaba com a obrigatoriedade de a Petrobras atuar com participação mínima de 30% nas operações do pré-sal. Já o PLS 400/2014 garante à União o percentual mínimo de 18% do petróleo excedente no regime de partilha. Atualmente esse limite pode ser definido por edital.

Também está na pauta de votações a Lei de Responsabilidade das Estatais, o PLS 555/2015. O projeto integra a chamada Agenda Brasil e promove mudanças na gestão de empresas públicas e sociedades de economia mista da União, estados e municípios, alterando regras de licitações, contratos e formas de fiscalização.

Por fim, também tramita em regime de urgência o Projeto de Resolução do Senado 84/2007, de autoria da Comissão de Assuntos Econômicos, que trata do limite global para o montante da dívida consolidada da União.

Também há previsão de reunião do Conselho de Ética do Senado na quarta-feira (24), quando será apreciado o pedido da defesa do senador Delcídio do Amaral (PT-MS) para substituir o relator do caso, senador Ataídes Oliveira (PSDB-TO). Para os advogados do ex-líder do governo no Senado, o tucano não pode permanecer na relatoria por falta de isenção do PSDB no caso. A defesa considera que DEM e PSDB formaram um “bloco parlamentar” ao apoiar – mesmo sem subscrever – a representação contra Delcídio movida pela Rede e pelo PPS. De acordo com o regimento do Conselho de Ética, o relator não pode ser filiado ao partido político representante ou ao partido político do representado.

Seja aliada da Pública

Todos precisam conhecer as injustiças que a Pública revela. Ajude nosso jornalismo a pautar o debate público.

Mais recentes

Imagem mostra área alagada e com risco de desabamento, graças às chuvas intensas

2022 e clima: “Não precisamos esperar o futuro, o clima já está mudando”, diz pesquisador

21 de janeiro de 2022 | por

Eventos climáticos extremos serão cada vez mais extremos — e rotina —, diz José Marengo, climatologista classificado pela Reuters como um dos cientistas mais influentes do mundo

Em uma sala de uma unidade de saúde, enfermeiras aplicam teste de coronavírus em pacientes

2022 e a pandemia: Ômicron, vacinas e o futuro da covid-19 no Brasil segundo pesquisadores

20 de janeiro de 2022 | por e

Entrevistamos três cientistas para saber se estamos no início do fim da pandemia ou não, quais as perspectivas para os próximos meses e os riscos que a covid-19 ainda reserva

De modelo internacional à extinção: como morre uma política pública

19 de janeiro de 2022 | por , e

Programa de diversificação do cultivo de tabaco que beneficia agricultores do setor foi alterado no governo Bolsonaro. Detalhe: o programa era referência internacional