Agência de Jornalismo Investigativo

Tem alguma dúvida sobre a primeira edição do nosso programa de residências? Nós te explicamos

13 de Abril de 2016

(To read the english version, click here)

1. A bolsa de R$ 7 mil deve ser usada como?

Como o repórter e o veículo acharem melhor. Pode ser usada para bancar as despesas do repórter durante a residência, por exemplo. É importante lembrar que a bolsa será paga em reais quando o repórter chegar ao Brasil.

Se o repórter e o veículo decidirem usar a bolsa para pagar as passagens, a Agência Pública se encarregará de comprá-las (data e hora serão decididas pelo repórter) e o valor será descontado.

Na inscrição, o repórter deve enviar um plano de orçamento, explicando como e quanto pretende gastar no Brasil.

2. Posso usar parte da bolsa para meu pagamento?

Sim, o repórter pode optar por usar a bolsa como seu pagamento, tendo em mente que a Casa Pública não cobre gastos com transporte, alimentação ou contratação de quaisquer serviços.

3. Posso levar um fotógrafo?

Sim, mas o valor da bolsa continua sendo de 7 mil reais e terá que ser dividido para bancas as despesas do repórter e do fotógrafo.

4. Eu preciso fazer seguro dos equipamentos?

Não é obrigatório, mas tenha em mente que a Agência Pública não se responsabiliza em caso de dano ou roubo. Recomendamos fortemente que seja feito seguro dos equipamentos.

5. Que tipo de histórias eu posso propor?

Estamos em busca de histórias de violações de direitos humanos decorrentes dos megaeventos no Brasil sob o olhar de repórteres estrangeiros. Queremos mostrar aos outros países realidades que não podem ser ignoradas e problemas que afetam a população brasileira às vésperas dos Jogos Olímpicos.

Leia também: Agência Pública abre vagas para repórteres estrangeiros cobrirem Jogos Olímpicos

6. Posso propor reportagens de vídeo?

Sim, aceitamos reportagens nos mais diversos formatos. Estamos em busca de inovação.

7. Eu não falo português. Posso participar?

Sim. Aceitamos repórteres que falem ou português, ou inglês, ou espanhol.

8. Sou jornalista freelancer. Posso participar?

Jornalistas freelancers podem participar desde que tenham um veículo que se comprometa previamente a publicar a reportagem resultado da residência, a garantir o seguro-viagem do repórter e enviar a carta certificando vínculo com o jornalista.

9. Sou jornalista estrangeiro e já moro no Rio de Janeiro. Posso participar?

Não. A chamada é exclusiva para jornalistas de fora do Brasil, uma vez que a ideia é que o repórter more durante um mês na Casa Pública, usufruindo de toda sua estrutura e convivendo com outros repórteres.

10. O que a Pública considera um veículo independente?

Entendemos que são independentes os veículos que não possuem ligações com grandes grupos de mídia, grupos políticos, organizações ou empresas.

11. Posso inscrever só uma pauta? Caso queira inscrever mais, tenho que preencher o formulário duas vezes?

Você pode informar as pautas que quer fazer e que serão publicadas pelo veículo em que trabalha. As duas pautas devem ser informadas no mesmo formulário.

12. As datas da residência são flexíveis? Preciso ficar durante todo o período?

A residência deve obrigatoriamente ser feita entre os dias 20 de julho e 20 de agosto de 2016. O repórter deve fazer a residência por, no mínimo, 15 dias.

Comentários

Mais recentes

Uma ativista perseguida no governo Macri

18 de Janeiro de 2018 | por

Líder da Tupac Amaru, importante organização social da Argentina, Milagro Sala está presa em condições ilegais por crimes que não cometeu segundo organizações internacionais de direitos humanos

“Licitação de Dória traz muitos pontos duvidosos”, diz especialista em transporte

17 de Janeiro de 2018 | por

Em entrevista à Pública, o geógrafo Oliver França Scarcelli examina criticamente o novo edital para a concessão do serviço de ônibus em São Paulo

Sorteio do Supremo é caixa preta

16 de Janeiro de 2018 | por

STF não detalha procedimentos que definem o sorteio de processos entre ministros; levantamento de dados da última década revela equilíbrio, mas não há como descartar possíveis manipulações

Explore também

Sessão do plenário da Câmara

| De olho | PT e PSDB trocam de papel 13 anos depois

15 de Maio de 2016 | por

Disputas internas na base aliada por cargos, além da tradicional divisão do PMDB, somadas à declaração de guerra da nova oposição, ameaçam o aparente cenário de tranquilidade de Temer no Congresso

Exagerado, distorcido ou discutível

Redução da maioridade penal. Não é bem assim, Moreira!

21 de agosto de 2015 | por

“A redução da maioridade penal vai ser um divisor de águas no Brasil. A repercussão dessa redução vai, em curto e em médio prazo, reduzir a criminalidade no Brasil, já que o menor se sente o dono da situação, se sente o todo poderoso, dono da vida e da morte das pessoas.” – Edson Moreira (PTN-MG), deputado federal, no plenário, na quarta-feira (19)

PORTO PRÍNCIPE

27 de setembro de 2011 | por

Ensaio fotográfico da filmmaker Eliza Capai, que esteve em Porto Principe em abril de 2010