A Pública disponibiliza hoje todos os documentos oficiais usados para a pequisa sobre a presença da Odebrecht em Angola

A Pública disponibiliza hoje todos os documentos oficiais usados para a pequisa sobre a presença da Odebrecht em Angola

13 de Maio de 2016
09:00

A partir de hoje pesquisadores e jornalistas poderão baixar e consultar centenas de documentos oficiais obtidos pela Pública durante a investigação sobre a presença da Odebrecht em Angola.

A reportagem obteve todos os despachos das embaixadas brasileiras em Luanda e Pretória que citam o BNDES entre 2005 e 2014. Todos os arquivos, em PDF e separados por ano, podem ser baixados neste link: DESPACHOS DAS EMBAIXADAS BRASILEIRAS.

Embora sejam documentos públicos, os despachos diplomáticos do Itamaraty não são disponibilizados  em nenhum site oficial.

Também estão disponíveis todos os Diários da República – publicação equivalente ao Diário Oficial da União no Brasil – que mencionam contratos e obras realizadas pelas empresas Odebrecht  Angola e OSEL Angola. Embora o governo angolano publique esses registros, eles só podem ser obtidos em papel, em Luanda. O comunicador angolano Araclines Damião compilou e escaneou todos os diários para a Pública, de modo a permitir acesso a esta rica documentação. Nosso agradecimento por esse grande esforço.

Os Diários da República podem ser baixados neste link:  DIÁRIOS DA REPÚBLICA DE ANGOLA

 

 

Seja aliada da Pública

Faça parte do nosso programa de apoio recorrente e promova jornalismo investigativo de qualidade. Doações a partir de R$ 10,00/mês.

Mais recentes

A mineração em terra indígena com nome, sobrenome e CNPJ

20 de fevereiro de 2020 | por , , , , e

Levantamento exclusivo revela explosão de processos desde 2019 e lista os beneficiários com mais pedidos minerários em TIs: políticos, cooperativas de garimpo e até um artista plástico paulista

PL da Mineração: “É como se o Estado decidisse legalizar o homicídio por não saber controlar”, diz subprocurador-geral da República

20 de fevereiro de 2020 | por

Em entrevista à Pública, Antônio Carlos Bigonha, que medeia a relação de indígenas com o Estado, alerta que, se há uma ideologia a ser defendida, é a ideologia da Constituição de 1988

Enquanto Brasil debate isenção de agrotóxicos, Europa tem imposto maior para os mais tóxicos

19 de fevereiro de 2020 | por e

STF decide hoje sobre benefícios ao comércio de agrotóxicos, isenções chegam a 10 bilhões de reais por ano