Uma vídeo-reportagem sobre as abordagens violentas da Polícia Militar nas periferias de São Paulo

Uma vídeo-reportagem sobre as abordagens violentas da Polícia Militar nas periferias de São Paulo

5 de dezembro de 2016
12:04
Este texto foi publicado há mais de 5 anos.

Pública colheu depoimentos de personagens que moram na periferia de São Paulo. Nas falas, um tema comum: a violência policial durante o chamado “enquadro”.

Além das vítimas, um PM da ativa resolveu falar sobre o assunto. “Na periferia você fica mais frio para algumas coisas. É diferente de quando você trabalha na Vila Madalena ou na Paulista”, diz.

Júlio César Fernandes Neves, Ouvidor da Polícia Militar, também falou a respeito. “O cidadão tem medo de denunciar o policial nessas situações”. 

Em 2015, a Polícia Militar de São Paulo fez mais de 3 milhões de abordagens na capital,  255 mil por mês, 8 mil por dia, 300 por hora, 5 por minuto.

Leia também: Abordagem policial é a “síndrome do pequeno poder”, diz PM

Enquadro from Agência Pública on Vimeo.

[relacionados]

Seja aliada da Pública

Investigar as ameaças à democracia é nossa forma de protegê-la.

Mais recentes

Presidente da República, Jair Bolsonaro recebendo Honras Militares ao desembarcar na Academia Militar das Agulhas Negras (AMAN)

Partido militar: mais de 1,5 mil candidatos militares concorrem nas eleições neste ano

16 de agosto de 2022 | por e

Candidatos militares somam patrimônio multimilionário; 158 declararam R$ 1 milhão ou mais de bens, incluindo generais do governo Bolsonaro, como Pazuello

Candidatos religiosos declararam patrimônio milionário nas eleições

16 de agosto de 2022 | por , , e

Juntos, 36 postulantes que usam títulos religiosos declararam mais de R$ 79 milhões em bens. Lista de milionários inclui aliados de Bolsonaro, como o pastor Marco Feliciano (PL-SP)

Ex ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Blairo Maggi

Em Mato Grosso, quem manda nas eleições é o agro

16 de agosto de 2022 | por

Rei da soja, Blairo Maggi manobra governador Mauro Mendes, apoia Geller ao Senado e adere a Lula deixando MT sem alternativa política ao agronegócio