Uma vídeo-reportagem sobre as abordagens violentas da Polícia Militar nas periferias de São Paulo

Uma vídeo-reportagem sobre as abordagens violentas da Polícia Militar nas periferias de São Paulo

5 de dezembro de 2016
12:04
Este texto foi publicado há mais de 4 anos.

Pública colheu depoimentos de personagens que moram na periferia de São Paulo. Nas falas, um tema comum: a violência policial durante o chamado “enquadro”.

Além das vítimas, um PM da ativa resolveu falar sobre o assunto. “Na periferia você fica mais frio para algumas coisas. É diferente de quando você trabalha na Vila Madalena ou na Paulista”, diz.

Júlio César Fernandes Neves, Ouvidor da Polícia Militar, também falou a respeito. “O cidadão tem medo de denunciar o policial nessas situações”. 

Em 2015, a Polícia Militar de São Paulo fez mais de 3 milhões de abordagens na capital,  255 mil por mês, 8 mil por dia, 300 por hora, 5 por minuto.

Leia também: Abordagem policial é a “síndrome do pequeno poder”, diz PM

Enquadro from Agência Pública on Vimeo.

[relacionados]

Seja aliada da Pública

Todos precisam conhecer as injustiças que a Pública revela. Ajude nosso jornalismo a pautar o debate público.

Mais recentes

Proposta de Bolsonaro

Proposta de Bolsonaro “cria ambiente para faroeste digital”, diz presidente da SaferNet

23 de setembro de 2021 | por

Em entrevista, Thiago Tavares diz que Projeto de Lei enviado pelo presidente mira eleições de 2022 e pode ser usado para anular inquéritos no STF

A escola é para todes; desenho feito por criança trans de 7 anos representando dois adultos e duas crianças, escrito

A escola é para todes

22 de setembro de 2021 | por

1.700 estudantes trans já adotam o nome social no ensino básico, mas preconceito e agressões, dentro e fora de sala de aula, dificultam quebra do ciclo de exclusão

Mulheres protestando contra o Estatuto do Nascituro

Juíza nega aborto legal para menina vítima de estupro e teria exposto sentença no WhatsApp

21 de setembro de 2021 | por

Após sofrer perseguição de assistentes sociais e ter o aborto negado na Justiça, adolescente vítima de estupro precisou recorrer ao MP para acessar direito