Agência de Jornalismo Investigativo

Deputados examinam proposta que foi alterada pelo Senado e torna o processo mais rígido; parlamentares entram em recesso e voltam a trabalhar só dia 2 de fevereiro

18 de dezembro de 2016

Apesar da expectativa dos parlamentares sobre o recesso do fim de ano, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), decidiu convocar sessões plenárias para esta segunda (19) e terça-feira (20) para finalizar a tramitação do projeto de lei complementar (PLP 257/2016) que define a renegociação da dívida dos estados.

O texto foi alterado pelos senadores, que estabeleceram contrapartidas mais rígidas para a revisão de acordo dos estados que declararam calamidade financeira – Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e Minas Gerais.

Com as mudanças, esses estados só poderão participar do Regime de Recuperação Fiscal, que suspende as dívidas, se aprovarem, na forma de lei estadual, um plano de recuperação com medidas de ajuste fiscal. Os senadores também possibilitaram, no texto do PLP, a redução de jornada de trabalho atrelado à diminuição proporcional dos salários.

[relacionados]

Também na ordem do dia das sessões convocadas para esta semana a proposta de emenda à Constituição (PEC 209/2012) que disciplina o acatamento do recurso especial pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ).

Conhecida como PEC dos Recursos, a proposta obriga o advogado a demonstrar relevância jurídica nos recursos especiais levados ao STJ que contestem decisões de outros tribunais inferiores.

No Senado, parlamentares aceleraram os trabalhos na última semana e conseguiram fechar a pauta de votações estabelecida como prioritária pelo presidente da Casa, Renan Calheiros (PMDB-AL). No dia 15, uma sessão do Congresso foi realizada para a promulgação da proposta de emenda à Constituição (PEC 55/2016) que limita os gastos públicos da União nos próximos 20 anos.

A matéria era vista como essencial pela equipe do governo de Michel Temer para a recuperação da economia, e recebeu esforço concentrado da base aliada ao peemedebista para ser aprovada antes do recesso parlamentar.

Nesta semana, a previsão é que os senadores já deixem a capital em direção aos estados para as festividades de fim de ano. As Casas do Legislativo voltam a trabalhar em conjunto apenas no dia 2 de fevereiro de 2017.

Truco no Congresso

Este texto foi produzido pelo projeto Truco no Congresso, feito em parceria com o site Congresso em Foco entre agosto de 2015 e dezembro de 2016. As classificações adotadas nas checagens são cartas, que diferem dos selos usados na nova fase do projeto Truco, iniciada em fevereiro de 2017.

Comentários

Mais recentes

35 anos depois do deputado Juruna, indígenas continuam sem representação política no país

25 de Abril de 2018 | por

Segundo TSE, candidatos indígenas correspondem a apenas 0,34% do total; preconceito da sociedade e falta de apoio financeiro estão entre os motivos da baixa participação

Indígenas enfrentam a maior ofensiva parlamentar em 20 anos

24 de Abril de 2018 | por e

Levantamento revela que as proposições anti-indígenas avançaram mais do que outras

Microbolsas: Proponha sua pauta sobre violência policial e intervenção militar

23 de Abril de 2018 | por

Serão distribuídas quatro bolsas de R$ 7 mil para investigar as causas e impactos da violência policial no Brasil e de intervenções militares como a do Rio de Janeiro

Explore também

Ademir da Guia: "O importante é o título"

10 de agosto de 2012 | por

Na quinta entrevista da série do Copa Pública com atletas e ex-atletas, o ex-jogador do Palmeiras diz que o que importa é a vitória e, apesar de candidato a vereador, evita falar em política de esporte

Furos, perseguição e mulheres no comando: a cara do novo jornalismo na América Latina

20 de julho de 2017 | por

Relatório realizado pela SembraMedia traz informações sobre 100 sites do Brasil, México, Argentina e Colômbia

Em Fortaleza, plebiscito do Acquário volta à pauta depois de protestos

5 de julho de 2013 | por

Três anos depois do governo anunciar a criação de um aquário de 258 milhões de reais em Fortaleza, a população da capital cearense está perto de dizer se quer ou não a obra