Agência de Jornalismo Investigativo

Projeto de checagem da Agência Pública entra em nova fase, com novo sistema de classificação e maior abrangência, para dar conta da avalanche de dados falsos

15 de fevereiro de 2017
16:04
Este texto foi publicado há mais de 5 anos.

A quantidade de informações falsas em circulação tem aumentado assustadoramente na internet.

Antes, diríamos que isso vale um Zap. Agora, classificamos a frase que abre este texto como Verdadeira. O Truco – projeto de fact-checking (checagem) da Agência Pública ­– acaba de entrar em uma nova fase, com o objetivo de ampliar a verificação e fiscalização do discurso público. Para dar mais clareza no resultado das nossas checagens, aposentamos as cartas e adotamos um novo sistema de classificação.

Diante da importância que o fact-checking tem adquirido no jornalismo mundial, decidimos dar um passo além e inserir a checagem na nossa produção cotidiana. Agora as checagens são consideradas mais um gênero do jornalismo investigativo produzido pela Pública. O Truco integra a International Fact-Checking Network (IFCN), rede organizada pelo Instituto Poynter que reúne os principais sites de fact-checking do mundo.

As checagens do Truco também passam a contar com o selo de verificação de fatos do Google, cujo lançamento na América Latina foi anunciado nesta quarta-feira (15). Com isso, artigos de fact-checking passam a ser destacados na busca do Google News. “O selo também estará disponível no modo notícias dentro da busca. Isso significa que, quando fizer uma pesquisa no Google e clicar na aba ‘Notícias’ ou realizar uma busca direto no site do Google Notícias, você encontrará artigos com a indicação ‘Verificação de fatos’”, explica o Google em seu comunicado.

Desde que foi criado, em agosto de 2014, o Truco teve focos bem específicos. Nossa primeira missão foi analisar as falas dos candidatos a presidente no horário eleitoral, em uma das campanhas mais disputadas da história. No ano seguinte, passamos a acompanhar os discursos de autoridades no Congresso Nacional com o Truco no Congresso, em parceria com o Congresso em Foco. Em 2016, também fiscalizamos os candidatos a prefeito de cinco capitais: São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Recife (em parceria com a Marco Zero Conteúdo) e Belém (em parceria com o Outros 400).

Na nova etapa, o Truco pela primeira vez passará a analisar frases de qualquer origem. Políticos de todos os partidos vão continuar sob o nosso foco, mas também estaremos de olho em outras autoridades e personalidades públicas, além de analisarmos informações que circulam pela rede. Selecionamos para verificação apenas frases relevantes e que estejam pautando debates na sociedade. O objetivo do projeto continua o mesmo: aprimorar a democracia e o discurso público, tornando as pessoas mais responsáveis pelo que dizem e pelos dados que usam.

Nossa metodologia também não sofreu alterações. Entramos em contato com o autor da afirmação e pedimos a fonte utilizada, para depois confrontá-la com outras fontes, oficiais ou não. Se necessário, consultamos especialistas. O resultado dessa investigação vai revelar se a frase é verdadeira, sem contexto, contraditória, discutível, distorcida, exagerada, impossível de provar ou falsa.

Nas três primeiras fases, o Truco usava cartas para classificar as afirmações checadas, com nomes bem-humorados. O problema é que nem sempre era fácil para o leitor entender o resultado da verificação logo de cara. Em julho de 2016, passamos a adotar um esquema de cores e legendas para traduzir o significado de cada uma das cartas no Truco no Congresso, com resultados positivos. Seguimos na mesma linha na cobertura das eleições de 2016 e resolvemos dar um passo além nessa mudança. Com isso, passamos a adotar selos, desenhados pelo ilustrador Alexandre De Maio.

Agora, usamos uma personagem, a Coringa do baralho de cartas, com diferentes expressões e cores, acompanhada de uma legenda de fácil entendimento. As mesmas classificações usadas antes foram mantidas, com alguns ajustes. Como o “Não é bem assim” incluía “Discutível”, “Distorcido” e “Exagerado”, as três categorias agora estão separadas. Também passamos a adotar um novo selo “Impossível provar”, que permitirá analisarmos frases para as quais não há dados disponíveis. Com isso, temos oito selos para usarmos nas nossas investigações.

Veja, a seguir, como ficou o novo sistema de classificação, comparado com o anterior. Todas as informações sobre o projeto e sobre as suas versões anteriores estão disponíveis na página de apresentação do Truco. Eles falam, nós checamos.

 

Impossível provar
Nova classificação incluída no Truco

Precisamos te contar uma coisa: Investigar uma reportagem como essa dá muito trabalho e custa caro. Temos que contratar repórteres, editores, fotógrafos, ilustradores, profissionais de redes sociais, advogados… e muitas vezes nossa equipe passa meses mergulhada em uma mesma história para documentar crimes ou abusos de poder e te informar sobre eles. 

Agora, pense bem: quanto vale saber as coisas que a Pública revela? Alguma reportagem nossa já te revoltou? É fundamental que a gente continue denunciando o que está errado em nosso país? 

Assim como você, milhares de leitores da Pública acreditam no valor do nosso trabalho e, por isso, doam mensalmente para fortalecer nossas investigações.

Apoie a Pública hoje e dê a sua contribuição para o jornalismo valente e independente que fazemos todos os dias!

Mais recentes

Saiba quem é e o que disse o policial legislativo do Senado investigado por atos golpistas

3 de fevereiro de 2023 | por

Alexandre Hilgenberg é servidor desde 1996; no dia 8 de janeiro ele pediu apoio a invasão do Congresso em suas redes

Parlamentares participam de sessão na Câmara dos Deputados

As igrejas que dominam a nova ala evangélica na Câmara

2 de fevereiro de 2023 | por

Assembleia de Deus, Batista e IURD reúnem 58% dos 93 parlamentares evangélicos empossados na atual Legislatura

Agricultor Neri Gomes de Souza mostra sua plantação no assentamento Roseli Nunes

Agrotóxicos colocam em risco produção agrofamiliar em assentamento no Mato Grosso

2 de fevereiro de 2023 | por e

Relatório aponta contaminação da água de rios, poços, chuva e até caixa d'água da escola por 10 tipos de agrotóxicos