Apoie!

Seja aliada da Pública

Seja aliada

Agência de Jornalismo Investigativo

Uma nota para rebatê-las

21 de julho de 2017
14:42
Este texto foi publicado há mais de 3 anos.

A Agência Pública vem sendo alvo de fake news nas redes. As duas informações falsas mais comuns são:

Leonardo Sakamoto é dono da Pública

O jornalista Leonardo Sakamoto é membro do Conselho Consultivo da agência Pública desde 2011. Como diz o nome, esse Conselho tem papel consultivo, não decisório, e se reúne duas vezes por ano. A Agência Pública é uma ONG sem fins lucrativos fundada e dirigida por jornalistas mulheres.

A Pública é financiada por George Soros

A Agência Pública tem dois tipos de financiadores: fundações e público leitor, através de crowdfunding ou doações diretas. As fundações parceiras estão claramente identificadas em nosso site. A Open Society Foundation, fundada e dirigida por George Soros, é uma dessas parceiras, atualmente responsável pelo financiamento do “Museu do Ontem”, aplicativo que conta a história do Porto do Rio de Janeiro. Nenhum financiador interfere em nossas pautas nem tem acesso a nenhum conteúdo antes da publicação em nosso site.

Aproveitamos para destacar que o Truco – projeto de fact-checking da Agência Pública – tem como objetivo identificar informações falsas, exageradas ou distorcidas sobre questões de interesse público. Esse é o caso da checagem sobre o sistema prisional, alvo de recentes ataques. A intenção é qualificar o debate democrático, função primordial do jornalismo.

 

 

 

Seja aliada da Pública

Bom jornalismo é remédio contra o autoritarismo. Quer defender a democracia? Doe mensalmente para a Pública.

Truco

Este texto foi produzido pelo Truco, o projeto de fact-checking da Agência Pública. Entenda a nossa metodologia de checagem e conheça os selos de classificação adotados em https://apublica.org/truco. Sugestões, críticas e observações sobre esta checagem podem ser enviadas para o e-mail truco@apublica.org e por WhatsApp ou Telegram: (11) 99816-3949. Acompanhe também no Twitter e no Facebook. Desde o dia 30 de julho de 2018, os selos “Distorcido” e “Contraditório” deixaram de ser usados no Truco. Além disso, adotamos um novo selo, “Subestimado”. Saiba mais sobre a mudança.

Tags

Mais recentes

Farmácias venderam mais de 52 milhões de comprimidos do “kit covid” na pandemia

20 de abril de 2021 | por e

Hidroxicloroquina, propagandeada por Bolsonaro, teve mais de 1,3 milhão de caixas vendidas no país

Movimento de médicos que mistura aborto com cloroquina tem ligações com Ministério da Saúde

19 de abril de 2021 | por

“Ainda Há Bem” espalhou dez outdoors antiaborto e em defesa de um suposto tratamento precoce para Covid-19 em Fortaleza

Viveu uma situação de abuso sexual envolvendo a família Klein? Queremos te ouvir

15 de abril de 2021 | por

Você ou alguém que conhece viveu uma situação de violência ou abuso sexual envolvendo o fundador das Casas Bahia, outro membro da família Klein ou um grande empresário? A Pública quer te ouvir