Militante cobra crítica da esquerda e do movimento LGBT sobre o caráter político e econômico por trás do padrão familiar e aponta o desmonte de políticas públicas para pessoas trans

Militante cobra crítica da esquerda e do movimento LGBT sobre o caráter político e econômico por trás do padrão familiar e aponta o desmonte de políticas públicas para pessoas trans

6 de março de 2020
16:35

Amanda Palha é militante, travesti, educadora popular e assessora parlamentar. Uma fala provocadora (no melhor sentido da palavra) no debate “Família, religião e política” durante o Seminário Internacional “Democracia em colapso?”, em outubro de 2019, atraiu ataques de grupos religiosos e de extrema direita. Na ocasião, Amanda questionou a tentativa contínua de parte do movimento LGBT em dizer que não é uma ameaça à família tradicional e suavizar o atrito com conservadores: “Cabe a radicalização nossa também, de afirmar com todas as letras o que é uma estratégia política crítica anti-sistêmica: ‘ah, vocês querem destruir a família…’ sim. Queremos. Porque se a gente não quiser, não vai ser ameaça. E se a gente não perceber isso, a direita faz questão de corrigir nossa burrice, porque eles falam isso pra gente. ‘Vocês só são ameaça se quiserem mexer na família. Se quiserem desregrar o sexo e desnormatizar o desejo’ e a gente diz o quê? Que não quer ser ameaça?”

Em entrevista à Agência Pública, Amanda fala sobre o episódio e diz não querer nota de apoio e sim que o movimento LGBT e a esquerda se posicionem a respeito desses temas. Comenta também o desmonte das políticas públicas voltadas às pessoas trans e diz que acha importante levar pautas concretas às ruas no 8 de março (dia internacional das mulheres): “A gente não mobiliza a nossa classe por abstração, ninguém sai de casa por abstração. O que é sair em defesa da democracia? O que é a pauta da democracia no concreto da vida das mulheres da nossa classe? O que é naquela região, naquela cidade, naquele estado, discutir a perda de direitos das mulheres? O discurso abstrato não agrega, não convida, não mobiliza politicamente” e conclui: “A gente não pode ver a revolução como um grande acontecimento que, de um dia pro outro, desceu do céu. É um processo de construção cotidiana, de organização e fortalecimento de classe e das lutas”.

Por que você acha que a defesa da família heteronormativa é uma pauta tão importante e forte para esse governo e também para outros governos de extrema direita que estão se erguendo em outras partes do mundo hoje?

Eu acho que são duas coisas que caminham meio juntas. Uma coisa é a dimensão macroeconômica e política da questão. O fato de que a família convencional não é um padrão de família à toa. Ele está muito ligado às condições básicas de constituição do capitalismo, fruto dos processos de acumulação primitiva etc. Num momento pós crise de 2008, com a necessidade da burguesia de reorganizar a economia mundial e retomar o crescimento econômico, a família no molde convencional é uma forma ótima de organizar a vida como um todo. Isso porque ela se baseia justamente num trabalho doméstico não pago, não remunerado, que reduz o valor da força de trabalho. A cadeia de produção do capital, que não começa na fábrica mas começa na família, com a produção da mercadoria força de trabalho, ganha com a defesa da família convencional, com a submissão da mulher e tudo mais.

Uma outra dimensão disso, sem dúvida, é a moral ideológica. O pressuposto de humanidade que mantém o sistema de gênero e a família na sua forma convencional, a expressão máxima do sistema de gênero, também norteia todas as noções morais e éticas das discussões contemporâneas. No sentido de que, tanto o racismo mas também a adequação ao gênero, são pressupostos de humanidade do ser social, você é humano porque você constitui família, porque você é um homem cisgênero e heterossexual, ou uma mulher cis e heterossexual, numa relação de dominação. Isso fortalece e legitima a roda social como um todo. Defender a família na sua forma convencional não é só defender a família, é defender os valores modernos, os valores cristãos e liberais.

Naquele debate realizado pela Boitempo, você fez uma colocação de que o movimento feminista e o LGBT têm tentando, desde a década de 1990, se justificar de que não quer destruir a família, que quer casar também, constituir a própria família, “a gente só quer amar” em resposta aos ataques dos conservadores, no sentido de reforçar que “não somos uma ameaça”. E aponta que isso é um retrocesso político, que a esquerda precisa se radicalizar. Pode falar um pouco sobre isso?

É complexo e, como militância, a gente precisa fazer essa crítica. É entender que a dimensão que a família tem para a vida individual também é muito pesada. O fato de que a família é pressuposto de humanidade, significa a negação do acesso à família pra gente que é LGBT, para as mulheres negras e para as pessoas de uma forma geral, que são marginalizadas, um não acesso à vida pública e aos direitos. É compreensível que a defesa da família ou de outros modelos de família apareçam no movimento. Mas conforme o cerco se fecha e você vai perdendo a conexão com perspectivas revolucionárias de transformação social, você vai perdendo a crítica sistêmica, vai abrindo mão da crítica e se prende à dimensão cotidiana. E na dimensão cotidiana, não tem como dizer que a família não é importante. Assim como trabalhar é importante, ninguém vai dizer que não é importante. Mas dizer que trabalhar é importante, não nos impede de enxergar o que o trabalho assalariado significa para a reprodução mundial do capital. O mesmo é com a família. Reconhecer que o acesso à família é um legitimador de direitos e que a negação à família faz parte da violência contra à população LGBT e contra às mulheres negras, não pode nos impedir de entender o que a família efetivamente significa para a ordem social. Isso tem a ver, no movimento LGBT por exemplo, com o quanto dos anos 1980 para os anos 1990 o movimento se afastou da esquerda e a esquerda se afastou do movimento. Um movimento que passa a ser hegemonizado pela influências liberais. E todo tipo de análise sistêmica acaba indo pelo ralo e você fica com a dimensão cotidiana. Mas isso precisa ser retomado, sem sombras de dúvida, porque não dá pra fazer uma crítica sistêmica à LGBTfobia sem questionar a família, você não consegue sair da superfície da questão. Parece que é só uma coisa de acesso a direitos. E mesmo para a esquerda, que também tem problemas em fazer a discussão de família, fica sempre aquela discussão rasa de “a luta LGBT é importante porque tem trabalhadores que são LGBTs” ou “é importante a luta da mulher porque parte da classe é de mulheres”, mas não é só por isso. É porque tem uma dimensão sistêmica na misoginia, no patriarcado, na LGBTfobia. O ponto de acesso para chegar nessa dimensão sistêmica é a crítica à família.

Você inclusive foi muito atacada por essa fala. Como está isso?

Deu uma diminuída agora, felizmente. Recebi ameaças, saíram vídeos, saiu num portal fundamentalista e tudo mais. Agora eu tô me organizando para lidar com isso, produzindo alguns textos pra fazer a discussão, resolvendo juridicamente algumas ações que vão ter que ser resolvidas, porque envolvem violações graves de direitos, por pessoas públicas e parlamentares. Mas eu queria dizer uma coisa também que tenho refletido sobre isso. No ápice das mensagens e ameaças, começaram a pipocar muitas notas de apoio, e eu fiquei extremamente brava com isso, muito incomodada. Porque não é isso, não é nota de apoio. A grande questão não é a gente dizer “tudo bem aquela companheira fazer tal crítica, a gente apoia ela”, a questão é que ou a gente assume mesmo a discussão, se posiciona, ou nada. Vai ser sempre assim: LGBT, mulheres e pessoas negras se fodendo sozinhas por fazer discussões que a esquerda não tem coragem de fazer porque pega mal. Então ou a gente assume coletivamente o processo da crítica ou indivíduos que não têm a opção de deixar a crítica pra depois vão continuar se fodendo sozinhos.

E até isso, esses ataques que você sofreu – e que obviamente não deveria ter sofrido – mostram o quanto é importante a gente provocar essas discussões…

Exato. Isso evidencia o quanto o assunto é sensível.

Nós estamos vivendo um momento em que não podemos mexer com certas coisas e com certas crenças, não podemos causar incômodos. A justificativa é a de que precisamos dialogar com essas pessoas e por isso não podemos questionar as suas crenças. Você acha que, de fato, não é possível dialogar com as pessoas a partir de outros lugares que não seja por exemplo a religião? A gente não pode falar a partir de raça, classe, precarização do trabalho, violência policial? A gente tem que falar com as pessoas sempre a partir das crenças e da religião delas?

Tem algo nisso que sempre me incomodou, que é um certo distanciamento que faz com que o senso comum da militância trate a classe trabalhadora como burra. E a dificuldade em fazer a discussão mesmo no âmbito religioso, de entender o papel da religião e o que é a religião na cabeça da nossa classe, produz um preconceito de que, se a pessoa é religiosa, ela está imune a qualquer discussão crítica. Ela deixa de ser um sujeito alvo de discussão crítica, até que se supere a religião. Primeiro você precisa resolver a relação da pessoa com a religião, pra depois você discutir política. Isso me parece um desconhecimento de como a cabeça da nossa classe funciona.

Para citar um exemplo, a gente tem em Pernambuco um movimento grande em prol da legalização e regulamentação da produção de cannabis, que é protagonizado por mães, mulheres da classe trabalhadora, mães periféricas e negras, que têm contato com a discussão sobre maconha a partir da necessidade do uso medicinal. E sem dúvida, parte dessas mães tem origem religiosa, mas tem uma questão que é inescapável que é a realidade batendo, que faz a gente criticar e olhar o mundo de outra forma. E não tem pessoas pra quem mais a realidade tá batendo do que a nossa classe periférica e negra. Essa ideia de que não dá pra tocar em pontos sensíveis com a nossa classe, porque vai afastar, me parece um profundo desconhecimento da realidade. Precisamos de discussões políticas profundas, de questionamentos mais anti-sistêmicos. E particularmente, eu acho que não faltam exemplos na nossa história recente. O próprio bolsonarismo precisa ser entendido nesse sentido também. Tem a dimensão fascista do pensamento bolsonarista, que certamente é atraente para o senso comum, mas ele também pega a nossa classe em um momento de necessidade de radicalização. Não que o bolsonarismo seja radical, mas ele tem uma retórica radical, ele se vende como anti-sistêmico. Por que a gente da esquerda não tá conseguindo disputar essa necessidade de discussão anti-sistêmica na nossa classe? Isso é uma questão também.

E tem a violência do Estado, a violência policial, a pobreza, a precarização do trabalho… Outras coisas que não necessariamente têm a ver com religião. No entanto, estamos vendo partidos de esquerda criarem núcleos evangélicos. Você acha que é por aí?

Eu acho importante desfazer essa polarização entre a esquerda e evangélicos. Eu estou trabalhando em um mandato de esquerda em Recife e parte da nossa equipe é evangélica. E a gente tem discutido muito a importância de desfazer essa falsa impressão de “evangélicos versus o progresso”. Paralelo a isso, nós temos lá em Pernambuco uma frente evangélica pelos direitos, frente evangélica progressista, movimento negro evangélico, que fazem uma discussão progressista. A gente não pode legitimar e dar aval para um movimento que fundamentalistas fazem de utilizar a religião como fonte de suas pretensões políticas. E ao invés de mostrar o que é religioso e o que é político, eles falam que é religioso sim e a que qualquer disputa é contra a religião. Não é por aí, não é contra a religião.

Você está vendo hoje resistência por parte do movimento social, do movimento feminista e LGBT ao governo Bolsonaro?

Vejo, acho que cada um na sua possibilidade de ação está se movimentando. Quais estratégias são mais ou menos eficazes, é uma discussão também que iria por outro caminho. Agora, eu me preocupo muito no quanto a gente se fecha no Bolsonaro. É fundamental enfrentar o Bolsonaro, mas também é fundamental entender que ele não é um cara muito louco que conseguiu o poder por acaso. De novo, aquela discussão de não perder de vista o olhar macro-sistêmico da questão, porque tirar o Bolsonaro pura e simplesmente, não é uma solução em si. Quem fica no lugar? Quem vai assumir esse papel dele? Porque ele não está sozinho, ele representa um conjunto de interesses. Não é acidental, o Bolsonaro é uma figura genial para parte da burguesia porque, se ele der certo ou errado, ele dá bom.

Em São Paulo, nós estamos vendo uma reestruturação com o fechamento de vários espaços que atendem LGBT, você tem visto isso acontecer no resto do país? E você acha que mudou alguma coisa no atendimento às pessoas trans com a Damares Alves no ministério?

Veja, ainda é um pouco cedo para dizer que isso se atribui a ela. Com o contexto geral, de fato, tem acontecido retrocessos de todos os tipos. Em Pernambuco, a gente tem serviços parados e estacionados, dificuldade em fazê-los funcionar por falta de verba e repasse – o espaço trans do HC tá parado. Mas aí que tá, o HC tá parado há 2 anos, esse fechamento se intensifica mas não nasce agora. Existe intensificação do retrocesso nos serviços e nas políticas públicas para pessoas trans, que também têm a ver com o fortalecimento das bancadas fundamentalistas nas casas legislativas. O meu receio de fazer essa discussão é de não parecer que estava tudo bem antes, porque não estava. A gente vem em uma escalada de perdas de direitos que não começa com o Bolsonaro, é anterior. Por isso a importância de olhar o governo Bolsonaro de forma mais macro. Ele vem representando um grupo de interesses que já vem mostrando as caras desde antes.

Que vem ganhando força a cada legislatura. No Congresso nós temos vários projetos de lei que estão sendo criados ou desarquivados para barrar inclusive os direitos que já existem para pessoas trans…

Exato. E a gente começou falando disso na primeira pergunta. É entender que isso é importante para o momento político e econômico mundial. Não vamos esquecer do veto ao “kit gay” ainda na gestão da presidenta Dilma. Isso foi pré-impeachment.

A gente teve uma convocação para irem às ruas no 15 de março, em prol do governo e contra o Congresso. Tivemos com isso um chamamento à resistência ainda maior para o 8 de março. Eu queria saber quais são as pautas que você acha mais importante pra gente levar para a rua agora.

Pergunta difícil! Não sei te responder sobre pautas especificamente, até porque a construção do 8M não é genérica, cada estado, cidade, grupo, tem as suas questões que funcionam como mediações na dimensão das emergências e do que se aparece como pauta. É importante saber essas mediações. Não dá, e acho que isso é um problema que perpassa toda a esquerda e que acaba aparecendo muito, pra ser genérico, abstrato. É um discurso que a gente quer manter revolucionário, mas que vai ficando cada vez com menos conteúdo concreto. A gente não mobiliza a nossa classe por abstração, ninguém sai de casa por abstração. O que é sair em defesa da democracia? O que é a pauta da democracia no concreto da vida das mulheres da nossa classe? O que é, naquela região, naquela cidade, naquele estado, discutir a perda de direitos das mulheres? O discurso abstrato não agrega, não convida, não mobiliza politicamente. Essa é uma das dificuldades que a esquerda vem enfrentando, mas que os movimentos sociais com formas específicas de funcionamento, têm mais facilidade em trabalhar. O movimento feminista, historicamente, faz isso com mais facilidade. Que é transcrever o projeto político para as necessidades concretas. Esse é o desafio, como a gente transcreve a nossa compreensão do momento macro da sociedade e do retrocesso que a gente vem vivendo, em questões concretas e objetivas da nossa população. Afinal de contas, é isso que faz a gente ir pra rua, que movimenta politicamente. A gente não pode ver a revolução como um grande acontecimento que, de um dia pro outro, desceu do céu. É um processo de construção cotidiana, de organização e fortalecimento de classe e de lutas.

Seja aliada da Pública

Faça parte do nosso programa de apoio recorrente e promova jornalismo investigativo de qualidade. Doações a partir de R$ 10,00/mês.

Esta entrevista faz parte do especial 8M: Mulheres latinas enfrentam onda conservadora. Acesse aqui todas as entrevistas.

Mais recentes

Amor e revolução

31 de março de 2020 | por

Aos 80 anos, Angela Mendes de Almeida conta sua busca pela verdade sobre a morte do companheiro assassinado aos 23 anos pela ditadura, o jornalista Luiz Eduardo Merlino

Coronavírus e o bolso: “Ninguém que está vivo no Brasil hoje viu algo tão sério”

30 de março de 2020 | por , , e

Garçons, vendedora, jardineiro, aeronauta: os relatos de trabalhadores suspensos ou que perderam empregos e os de empresários com seus negócios interrompidos pelo avanço da pandemia

Sem teste para coronavírus, mortes em serviço de óbitos de São Paulo são registradas como “causa indeterminada”

27 de março de 2020 | por e

Governo liberou registro de óbito indeterminado para proteger trabalhadores legistas durante pandemia; estado não tem condições para testar todos os corpos