Escritório especializado em administrar offshores nas Ilhas Virgens Britânicas “devolveu” empresa de filhos de Marco Polo Del Nero, investigado no Fifagate

Escritório especializado em administrar offshores nas Ilhas Virgens Britânicas “devolveu” empresa de filhos de Marco Polo Del Nero, investigado no Fifagate

6 de outubro de 2021
10:00

Esta reportagem faz parte do Pandora Papers, projeto do Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos (ICIJ) que reúne mais de 600 repórteres de 151 veículos em 117 países e territórios. O Pandora Papers investigou milhões de documentos de paraísos fiscais em todo o mundo. No Brasil, participaram da apuração Agência Pública, revista piauí, Poder360 e Metrópoles. Esta reportagem foi produzida por Allan de Abreu (reportagem), Fernanda da Escóssia (edição), Plinio Lopes (checagem), Ana Martini (revisão), José Roberto de Toledo (coordenação do projeto) e André Petry (direção de redação).

O advogado Marco Polo Del Nero vivia o apogeu naqueles idos de outubro de 2014. Seis meses antes, o criminalista que fez fama e fortuna na cartolagem paulista fora escolhido para suceder José Maria Marin no comando da CBF (Confederação Brasileira de Futebol) a partir de abril do ano seguinte. Enquanto vivia a expectativa de assumir o comando da maior entidade esportiva do país, com patrimônio líquido de 427 milhões de reais na época, Del Nero, à época vice-presidente da CBF e integrante do comitê executivo da Fifa desde 2012, empilhava conquistas amorosas, invariavelmente lindas modelos muito mais jovens do que ele, já então um septuagenário (73 anos). Naquelas semanas de outubro, a namorada da vez era a ex-musa do Bahia Carol Muniz, então com 28 anos, que havia posado nua para a revista Sexy meses antes.

Entre um passeio e outro com Muniz a bordo do seu iate, Del Nero articulava, com os seus dois filhos, a criação da offshore Finview Investments Limited, nas Ilhas Virgens Britânicas, em nome dos dois: o advogado Marco Polo Del Nero Filho, na época com 44 anos, sócio do pai em um escritório de advocacia no bairro paulistano de Cerqueira César; e Marcus Vinicius Del Nero, 39 anos, publicitário e bacharel em direito. Com conta no banco Morgan Stanley em Miami, a Finview foi formalmente criada em 7 de outubro de 2014 com capital de 10 milhões de dólares: 50 mil ações de 200 dólares cada, das quais Del Nero Filho tinha 49,5 mil, e o irmão, 500.

Uma semana depois, em 14 de outubro, Del Nero Filho criou em Orlando, Flórida, outra empresa com nome parecido: a Finview Real Estate, de investimento imobiliário – no início daquele ano, em janeiro, Del Nero, Teixeira e Marin voaram juntos para Orlando no jatinho da CBF, conforme descobririam tempos depois os senadores membros da CPI do Futebol. Del Nero Filho informou à Junta Comercial da Flórida o endereço da offshore nas Ilhas Virgens para o envio de correspondências da Finview de Orlando.

Não era a primeira vez que Del Nero e os filhos mantinham negócios na Flórida. Em e-mails apreendidos em computadores do cartola pela Polícia Federal em 2012 na Operação Durkheim, que investigou um esquema de crimes tributários e evasão de divisas, Del Nero pede para o filho Marco procurar uma gerente do HSBC de Miami para “saber da possibilidade de se montar um negócio, o que ela acha e etc. etc.” “Saiba também do seu saldo”, finaliza o cartola. Del Nero acabaria indiciado pela PF pelos crimes de violação de sigilo funcional e associação criminosa, por ter comprado ilegalmente, de um funcionário de operadora de telefone, extratos de chamadas feitas por uma ex-namorada. No entanto, os crimes acabaram prescritos na Justiça.

O namoro de Del Nero pai com a modelo Carol Muniz não chegaria ao ano seguinte: ainda em novembro de 2014, após uma viagem à Turquia para acompanhar um jogo da seleção brasileira, o casal anunciou a separação. Já as duas Finviews, de Orlando e das Ilhas Virgens, teriam sobrevida um pouco maior, como revelam documentos sigilosos obtidos pelo Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos (ICIJ), organização que reúne mais de seiscentos profissionais e veículos de imprensa no mundo, entre eles a piauí. O conjunto dos documentos, batizado de Pandora Papers, reúne 11,9 milhões de papéis obtidos pelo consórcio junto a catorze escritórios especializados na abertura de offshores em diversos paraísos fiscais, mas o grosso das informações vem das Ilhas Virgens Britânicas.

Para abrir a empresa, a família Del Nero contratou o escritório de advocacia panamenho Alcogal, sigla de Alemán, Cordero, Galindo & Lee, especializado na criação e gestão de offshores pelos paraísos fiscais da América Central e Caribe. Uma semana após a criação da offshore, a Alcogal fez uma avaliação interna de risco da nova empresa, levando em consideração a probabilidade de a Finview ser utilizada para lavagem de dinheiro. O resultado foi um risco médio (4, na escala de 1 a 9). Apesar do sinal amarelo, a Alcogal manteve negócio com os Del Nero. Mas tudo mudaria após a manhã de 27 de maio de 2015, quando a polícia suíça e o FBI invadiram o hotel Baur au Lac, em Zurique, onde os dirigentes das principais federações de futebol do mundo se reuniam para o congresso anual da Fifa. Enquanto Marin era preso em um dos quartos do luxuoso hotel, Del Nero, que assumira o comando da CBF no mês anterior, saiu discretamente pelos fundos do Baur au Lac. No dia seguinte, rumou para o aeroporto de Zurique, de onde partiu em um voo comercial de volta a São Paulo. 

Seria sua última viagem internacional – desde então, Del Nero evita deixar o Brasil, temeroso de ser detido em algum outro país e extraditado para os Estados Unidos, onde foi indiciado, com outros cartolas latino-americanos, incluindo Marin e Ricardo Teixeira, por fraude, lavagem de dinheiro, extorsão e obstrução de Justiça, acusado de ter recebido propinas milionárias de empresas de marketing esportivo, incluindo a brasileira Traffic, do empresário J. Hawilla. No entanto, apenas Marin foi preso e condenado a quatro anos de prisão pela Justiça norte-americana. As ações penais contra Del Nero e Teixeira seguem paralisadas na Corte Federal do Brooklyn, em Nova York.

O envolvimento de Del Nero no escândalo do Fifagate preocupou o escritório panamenho Alcogal. Oito dias após as prisões do FBI no hotel suíço, o Alcogal enviou um ofício ao banco Morgan Stanley de Miami informando que deixaria de administrar a offshore dos Del Nero nas Ilhas Virgens. Na semana seguinte, em 12 de junho, o próprio escritório tomou a iniciativa de informar a Agência de Investigação Financeira (FIA, na sigla em inglês), do governo das Ilhas Virgens Britânicas, sobre a existência da Finview Investments. O documento não informa nenhuma transação financeira específica, mas afirma que os beneficiários da Finview são filhos de Del Nero, um dos alvos do FBI no Fifagate (o cartola só seria formalmente indiciado em novembro daquele ano), e que a Finview das Ilhas Virgens havia sido citada em reportagem do site ESPN sobre a Finview de Orlando no dia 3 de junho.

Os filhos do cartola encerrariam a offshore em 10 de agosto de 2015. Pelos documentos disponíveis na base do ICIJ, não se sabe o destino dos 10 milhões de dólares. Já a Finview de Orlando só seria fechada em setembro de 2020. Dois anos antes, reportagem do jornal Folha de S.Paulo mostrou que o mesmo contador da Finview na Flórida também cuidou de uma empresa em Miami de um dos sócios da Propaganda Estática Internacional, contratada por Del Nero na CBF para explorar as placas de publicidade no campo nos jogos da seleção brasileira nas eliminatórias da Copa do Mundo no Catar, em 2022. Pelo contrato, a Propaganda se comprometeu a pagar à entidade 45 milhões de reais.

Del Nero deixou o comando da CBF em abril de 2018, quando a Fifa anunciou o seu banimento definitivo do futebol, acusado pelo comitê de ética da entidade de ter recebido suborno na condição de membro do comitê executivo da entidade e de presidente da CBF. No seu lugar assumiu Rogério Caboclo, um aliado dele. Apesar da decisão da Fifa, o ex-presidente da confederação brasileira segue dando as cartas na entidade – e a frase, aqui, também é literal, já que Del Nero costuma reunir semanalmente os diretores da CBF em sua casa no Rio para discutir os rumos da entidade, em meio a rodadas de carteado regadas a uísque. Meses após romper com o padrinho, Caboclo deixou o comando da CBF em maio deste ano, acusado de assédio sexual – o próprio Del Nero atuou nos bastidores para tirar de cena o antigo aliado.

Em nota, Del Nero disse que a Finview das Ilhas Virgens foi “devidamente declarada” pelos filhos dele à Receita Federal brasileira, mas não enviou à reportagem nenhum documento que comprove essa afirmação, conforme solicitado pela piauí, nem informou a origem dos 10 milhões de dólares aportados na Finview. “Informo que não possuo nenhuma empresa, que não sou beneficiário final ou tenho qualquer tipo de ativo no exterior”, disse. Em relação ao Fifagate, o ex-presidente da CBF informou que “apesar de todas as alegações, nenhum único benefício econômico foi encontrado ou comprovado em meu favor”. “Quero destacar que não cometi nenhum tipo de crime imputável pela legislação brasileira. Nenhuma investigação, ação, denúncia ou condenação foi feita com base nas alegações extraterritoriais e baseadas em nenhuma comprovação de benefício pessoal ocorreram contra a minha pessoa no Brasil, onde permaneço em minha condição de cidadão primário, inocente e de bons antecedentes do ponto de vista jurídico.” Procurados pela piauí, os filhos do cartola não se manifestaram.

Seja aliada da Pública

Todos precisam conhecer as injustiças que a Pública revela. Ajude nosso jornalismo a pautar o debate público.

Mais recentes

Brasileiros indocumentados não encontram onde morar e vivem de doações nos EUA

Brasileiros indocumentados não encontram onde morar e vivem de doações nos EUA

27 de outubro de 2021 | por

2021 bate recorde em número de brasileiros tentando atravessar a fronteira entre EUA e México; aumento de fluxo afeta a busca por trabalho e encarece o aluguel

“Ataque aos índios não veio agora”, diz procurador da 1ª condenação por genocídio no país

“Ataque aos índios não veio agora”, diz procurador da 1ª condenação por genocídio no país

26 de outubro de 2021 | por

Luciano Mariz Maia, que atuou na primeira condenação por genocídio no Brasil, comenta pedido de indiciamento do presidente Jair Bolsonaro, descartado pela CPI do Senado

A crise dos indígenas Avá-Guarani desterrados por Itaipu

A crise dos indígenas Avá-Guarani desterrados por Itaipu

25 de outubro de 2021 | por

Em meio à miséria e à tentativa de retomada do território, os suicídios de jovens indígenas aumentam a emergência social da etnia que vive às margens do rio Paraná