Preso preventivamente, delegado diz que "testemunhas teriam colocado" Oseney e seu irmão, Amarildo, no local do crime

Preso preventivamente, delegado diz que "testemunhas teriam colocado" Oseney e seu irmão, Amarildo, no local do crime

Receba nossas reportagens que tratam de temas urgentes para o planeta no seu e-mail. Assine a newsletter Pública Socioambiental.

Nesta terça-feira, 14 de junho, foi preso preventivamente Oseney da Costa de Oliveira, vulgo “Dos Santos”, de 41 anos, por suspeita de participação junto com seu irmão, Amarildo da Costa de Oliveira, vulgo “Pelado”, no caso do desaparecimento do jornalista Dom Phillips e do indigenista Bruno Pereira.

A prisão, registrada com exclusividade pela equipe da Agência Pública na delegacia de Atalaia do Norte (AM), ocorreu por ele ser suspeito de “homicídio qualificado”, segundo informações da polícia à imprensa. 

O delegado Alex Peres disse ainda, na frente da delegacia, que Oseney foi preso na cidade de Atalaia do Norte, na rua do Quixito. Indagado sobre a suposta participação do suspeito sob apuração, o delegado respondeu “efetiva”.

A respeito das motivações que o levaram a solicitar a prisão, o delegado respondeu: “Testemunhas. Elas colocaram os dois no local, supostamente, onde ocorreu o crime”. Perguntado sobre qual seria o crime sob investigação, o delegado disse “Suposto homicídio qualificado”.

Mais cedo, a Polícia Federal e a Polícia Civil de Atalaia do Norte realizaram uma operação na comunidade São Rafael, onde reside Amarildo, o “Pelado”, irmão de Oseney. 

No local, apreenderam objetos dos moradores, dentre eles um remo. Segundo o delegado Alex Perez, alguns moradores foram ouvidos informalmente. 

Remo apreendido pela polícia durante operação

Em nota, o comitê de crise formado por diversos órgãos públicos, informou que Oseney da Costa de Oliveira será interrogado e encaminhado para audiência de custódia na Justiça de Atalaia do Norte. A nota informa ainda que “houve o cumprimento de 02 (dois) mandados de busca e apreensão expedidos pelo Poder Judiciário em Atalaia do Norte/AM, tendo sido apreendidos alguns cartuchos de arma de fogo e um remo, os quais serão objeto de análise”.

As buscas

A Agência Pública apurou que o comitê de crise decidiu que as buscas se concentrarão até o final da tarde de amanhã, 15 de junho, no local em que foram encontrados pertences pessoais de Bruno Pereira e Dom Phillips. Caso outros itens não sejam localizados, as buscas deverão partir para outras partes a serem indicadas por indígenas ou ampliar o raio da procura a partir do ponto onde os itens foram encontrados. 

O mau cheiro detectado no local, a princípio considerado um indício da presença de corpos naquele mesmo ponto, pode ter sido gerado pela decomposição de outros materiais orgânicos nos igapós, acelerada pela seca do rio, que teria baixado cerca de 60 cm naquele ponto do rio Itaquaí desde o domingo da semana passada, dia 5.

Angustiados, familiares de Pelado e Dos Santos aguardam notícias

“A gente apoia o trabalho da polícia.” A fala embargada de choro foi gravada pela Agência Pública na noite da detenção de Oseney da Costa Oliveira, o “Dos Santos”, suspeito de participação no desaparecimento de Dom Phillips e Bruno Pereira na última terça-feira. A reportagem ouviu três familiares de Amarildo da Costa Oliveira, o “Pelado”, enquanto Dos Santos estava detido na delegacia de Atalaia do Norte (AM). 

“Todo mundo aqui trabalha com pesca, somos pessoas simples. Queria que achassem esse pessoal”, disse outro familiar. Eles não quiseram ser identificados. Disseram estar angustiados pela falta de notícias da investigação da Polícia Civil e Federal e dizem se somar aos apelos de busca pelo jornalista britânico Dom Philips e o indigenista Bruno Pereira, desaparecidos há dez dias.

Sem muitas palavras, disseram estar sendo ignorados pela imprensa. “É a família contra a mídia inteira”, resumiu outro familiar.

Seja aliada da Pública

Todos precisam conhecer as injustiças que a Pública revela. Ajude nosso jornalismo a pautar o debate público.

O especial Vale do Javari — terra de conflitos e crime organizado é uma série de reportagens da Agência Pública com apoio do Amazon Rainforest Journalism Fund (Amazon RJF) em parceria com o Pulitzer Center

*Atualização às 14:25 de 15/06/2022: Inserimos entrevista com familiares dos suspeitos.

Avener Prado/Agência Pública
Avener Prado/Agência Pública
Avener Prado/Agência Pública
José Medeiros/Agência Pública
José Medeiros/Agência Pública

Mais recentes

Comitiva de parlamentares ouviu de lideranças indígenas que pessoas têm “alvo nas costas”

30 de junho de 2022 | por e

Em reunião com parlamentares, indígenas denunciam que órgãos federais como o Exército, Marinha, Polícia Federal, Ibama e Incra são ausentes do Vale do Javari

Exército fotografa tela de computador e jornalista da Agência Pública após perguntas

30 de junho de 2022 | por e

Fotografias foram tiradas pelas costas do jornalista após perguntas não respondidas por general em Atalaia do Norte (AM); exército não comentou episódio

Presos acusados do assassinato de Bruno e Dom são levados de barco pela polícia civil e federal para o local do crime, a fim de reconstituir a ordem dos fatos.

Polícia reconstitui assassinato para testar versões de acusados e testemunhas

30 de junho de 2022 | por e

Mais de 20 policiais federais e civis, além de peritos criminais federais, estão envolvidos na reconstituição do assassinato de Bruno e Dom