Buscar

Cidade da região metropolitana de Porto Alegre passa pela terceira enchente desde 2023 – esta é de longe a pior delas

Reportagem
12 de maio de 2024
04:00

Destroços nas ruas, águas em bairros inteiros, lama, resgates, tumultos, medo e insegurança. Este é o cenário nas ruas de São Leopoldo, região metropolitana de Porto Alegre. A cidade se soma aos 431 municípios gaúchos atingidos pelo temporal que assolou o estado. Números que por si sós já são alarmantes, mas a urgência aumenta quando nomes, vozes, rostos e histórias são acrescentadas à maior calamidade do Rio Grande do Sul.

Não é a primeira vez que os moradores de São Leopoldo passam por enchentes. Em junho e novembro de 2023, o comerciante Adenir Ferri, de 49 anos, também teve sua casa atingida. “A água foi mais baixa, foi mais simples. Conseguimos levantar os móveis, depois voltamos para casa, limpamos, tocamos a vida, compramos o que tinha estragado, pintamos a casa… tocamos a vida normal”, relembra. Agora, a situação foi mais grave. A água quase atingiu o teto da casa, a força foi tanta que o impacto dos móveis e objetos levados pela enchente estragou o forro da residência.

Confira a cronologia da crise no Rio Grande do Sul

Resto de granizo após temporal no Rio Grande do Sul em 27 de abril de 2024
Prefeitura de Porto Alegre a esquerda e o Mercado Municipal a direita, alagados, após chuva intensa no Rio Grande do Sul
SINIMBU, RS, BRASIL, 03.05.2024 - Sinimbu, estado da cidade, trabalho de limpeza e dos voluntários, reunião das autoridades locais.
RS, BRASIL- 5.5.2024 - Operação de resgate com o helicóptero do Corpo de Bombeiros na Região Metropolitana
27 a 28 de abril
30 de abril a 1 de maio
2 a 3 de maio
4 a 5 de maio
6 a 9 de maio
10 a 13 de maio
27 a 28 de abril

Desde março, a MetSul Meteorologia vem alertando sobre chuvas intensas de abril e maio. No sábado, dia 27 de abril, algumas regiões sofreram impactos de chuvas e granizo. No dia seguinte, a Defesa Civil contabilizou impactos em 15 municípios.

30 de abril a 1 de maio

Na terça-feira, o Rio Grande do Sul registrou as primeiras mortes devido aos temporais. Na quarta-feira, o número de mortes aumentou para 11. Em todo o estado, casas, pontes e outras construções foram arrastadas pela força da água.

2 a 3 de maio

Na quinta-feira, o Rio Grande do Sul decretou estado de calamidade pública. Uma barragem rompeu parcialmente, e outras quatro apresentavam risco. Até sexta-feira, já haviam sido registradas 39 mortes.

4 a 5 de maio

O Rio Grande do Sul enfrenta a maior tragédia de sua história. Na manhã de domingo, o presidente Lula, acompanhado pelos presidentes da Câmara e do Senado, e pelo vice-presidente do STF, sobrevoou Porto Alegre de helicóptero.

6 a 9 de maio

As mortes chegam a 107 e os desaparecidos a 136, números que continuam aumentando. A quantidade de afetados passa de 1,3 milhão, em mais de 300 cidades impactadas. O número de pessoas desalojadas supera 164 mil, e há ainda 67 mil desabrigados.

10 a 13 de maio

Com final de semana chuvoso, mortes chegam a 147. Desabrigados já passam de 600 mil em 447 municípios afetados.

Dentro da casa ainda alagada, o comerciante busca o que salvar de seus pertences. Durante a noite ele trabalha em uma pizzaria de São Leopoldo e agora usa os dias para tentar reconstruir a vida que foi levada pela força da água. Uma vida que não será mais a mesma, que agora está marcada pelo medo e insegurança de viver o pesadelo novamente.

Pela terceira vez em 10 meses, Adenir Ferri faz a limpeza da casa atingida pela enchente
  • Quarto destruído pela enchente
  • Vista do banheiro de Ademir, onde a água quebrou dois vidros
  • As marcas na parede externa mostram os diferentes estágios da enchente

“Aqui está o meu quarto. Eu vou limpar, vou pintar, vou mobiliar e deitar aqui de novo. Agora eu não vou mais me sentir seguro aqui. Teve água até o teto, eu não vou mais dormir tranquilo aqui. A minha vontade agora é de ir para o lugar mais longe possível de qualquer rio, córrego, valão, longe da água. Foi muito traumatizante, foi muito difícil. A água subiu muito rápido aqui e a gente não conseguiu fazer nada, nada… só conseguiu sair”, conta o morador da Rua Frederico Mayer, bairro Feitoria.

Eram quase 17h do sábado, 4 de maio, quando a enchente começou a invadir a rua Potteinstein. Às 19h, quando a faxineira Eliani Queiroz saiu de casa, a água já estava no pátio. Há quatro dias, a moradora volta para casa todos os dias na tentativa de reconstrução, realizando limpeza e tentando salvar seus pertences. “Da cozinha deu para salvar o fogão, da sala a TV e do quarto o que sobrou foi um cobertor”, conta Eliani. A água atingiu praticamente todo o primeiro andar da casa em que mora há quatro meses, no bairro Feitoria. 

Ao mostrar os estragos deixados pela água, Eliani puxa uma toalha de banho vermelha com uma grande mancha marrom do topo de uma pilha de roupas molhadas e explica: “As roupas todas aqui para lavar, uma mais manchada que a outra. As que estão em cima estão menos sujas”. O caminho pela casa não vem acompanhado de menos estragos, as marcas da água nas paredes ultrapassam 1,5 metro.

Eliani é uma das 395,6 mil vidas gaúchas que precisaram deixar seus lares para fugir das águas da enchente, segundo dados da Defesa Civil.

Uma tragédia que assola também sua família. Seus irmãos, também moradores da região, precisaram sair às pressas. Suas casas foram totalmente tomadas pelo volume da água, que mesmo com a baixa do nível do rio segue dentro das residências de muitos moradores. Foi na sexta-feira, dia 3 de maio, que a água invadiu a casa da irmã, que buscou abrigo com Eliani. No sábado, todos precisaram sair da região e encontraram refúgio na casa de parentes de cidades próximas, Esteio e Sapucaia.

A antiga cama, inutilizada pela água
Os pertences de Eliane retirados da casa
Desde o dia 4 de maio, Eliani Queiroz está fora de casa por conta da enchente que atingiu a sua residência
O fogão foi uma das coisas salvas, Eliane prepara o almoço
Ela volta para o local todos os dias para fazer a limpeza e na tentativa de salvar seus pertences

Na casa da faxineira, o momento é de reconstrução. Na terça-feira, 7 de maio, Eliani começou a limpeza de tudo o que sobrou. A principal preocupação no momento é com a contaminação pelo que a água deixou. “Mais é o perigo da água, as doenças, a sujeira que vem junto. Já as coisas materiais, vamos fazendo mutirão, vamos vendo, vamos nos virando para reconquistar. Eu quero mais é saúde pra todo mundo”, fala com esperança a moradora.

Histórias, perdas e danos

As marcas de lama na camiseta e a caneta que usava na faculdade, os cadernos não foram encontrados
As marcas de lama na camiseta e a caneta que usava na faculdade; os cadernos não foram encontrados

Na hora de contabilizar perdas, há aquilo que se pode recuperar e aquilo que não volta mais. Adenir, que é estudante, buscava entre as águas seus materiais de aula, cadernos e anotações. “Eu tô caminhando pra cá e pra lá, já devo ter pisado em cima […] Eu não achei meu caderno, o meu computador molhou, eu não encontro minha CNH, meu RG… coisas antigas da família que eu guardava, nada restou”, suspira. Na rua, Adenir encontra uma caneta esferográfica, que reconhece como sua. Durante a entrevista, ele carrega a caneta no bolso, quase como uma espécie de símbolo, algo para se apegar em meio ao caos. “Minhas plantinhas morreram todas”, avalia com tristeza o comerciante, em meio a estimativa de danos.

Entre aqueles que perderam tudo, a dor se mostra maior sobre aquilo que não se pode recuperar. Márcia Adriana Matteus, 54 anos, lamenta entre lágrimas a perda de registros importantes da sua vida e da sua família. “O pior não é os bens materiais, eu estou há três dias entrando aqui, meus diplomas estão todos ali, todos molhados. Minhas fotos de infância, minha vida, meu passado, toda a minha história. Estava tudo aqui dentro, fotos dos meus filhos quando eram pequenos, fotos da minha mãe, que já faleceu, fotos de quando eu era criança. Eu não consegui recuperar nada, está tudo molhado… É a história da gente que não tem como recuperar, móveis a gente recupera, a gente trabalha de novo e consegue.”

Márcia também perdeu tudo, a água subiu até mais ou menos 1 metro do segundo andar da casa onde vive sozinha na rua Celso Thomaz Cunha Justo, na Feitoria. Dois de seus três filhos, que vivem na região, também perderam tudo. O mais novo, de 23 anos, estava construindo a vida, havia mobiliado a casa há dois meses. “A gente pensa, como é que vai pagar agora? Ele trabalha de motoboy, perdeu tudo. Ficou só com a geladeira”, relata a mãe.

A força da enchente tornou o cenário irreconhecível. “Não sobrou nada, quebrou tudo. Está horrível, parece que entrou um monstro dentro de casa”, conta Márcia, que saiu de casa ainda na quinta-feira, 2 de maio. 

São Leopoldo teve 180 mil atingidos 

Barcos se cruzam no bairro Vicentina, completamente embaixo d’água

No sábado em que a água invadiu a Feitoria, a prefeitura municipal decretou situação de calamidade pública na cidade. Na madrugada, o rio dos Sinos, que corta e abastece o município, atingiu a marca de 8,2 metros, um recorde histórico.  

Aproximadamente 180 mil habitantes da cidade foram afetados direta ou indiretamente pelas cheias. Destes, cerca de 12 mil encontram-se alojados em abrigos do município, e estima-se que mais de 100 mil pessoas estejam desalojadas. Os outros 88 mil cidadãos que tiveram que deixar seus lares buscaram abrigo em parentes e amigos que moram nas regiões não afetadas ou nas cidades próximas. Os dados são da prefeitura, que conta com 88 abrigos catalogados até o momento, que acolhem também 2.800 animais resgatados.

Espaço onde os desabrigados dormem no Centro de Eventos
Espaço onde os desabrigados dormem no Centro de Eventos
Hospital veterinário de campanha
Hospital veterinário de campanha também recebe atingidos
Menino carrega cobertas e colchões para uma parte alta do Ginásio Municipal Celso Morbach
Cerca de 12 mil encontram-se alojados em abrigos do município

Um estudo do ClimaMeter, coletivo internacional de cientistas que analisa extremos meteorológicos logo após sua passagem, revela que a crescente nos estragos não é à toa. As mudanças climáticas causaram um aumento em 15% nas fortes chuvas que assolaram o estado do Rio Grande do Sul. Isso ajuda a explicar a catástrofe histórica que o estado enfrenta, um fenômeno sem precedentes. A pesquisa utiliza dados demográficos de padrões climáticos do final do século XX (1979 a 2001), comparando-os com as primeiras décadas do século XXI (2002 a 2023).

  • Mantimentos sendo levados, alguns dias atrás o caminho era impossível ser feito a pé
  • Resgate na Av. João Corrêa
  • Mulher aguarda enquanto homens trazem mantimentos e cães em águas d'água às margens da BR-116
  • Bombeiros observam moradores que não quiseram sair dos seus apartamentos
  • Populares observam o nível do Rio dos Sinos antes da enchente no Centro
  • Prédio residencial submerso

Previsão do tempo é alerta para a população

Apesar de as águas do rio dos Sinos continuarem baixando, a previsão é de mais chuva até domingo, 12 de maio. O alerta é para que as pessoas em regiões atingidas fiquem atentas ao nível da água, que pode voltar a subir. Até o fechamento desta reportagem, a medição do rio dos Sinos em São Leopoldo era de 5,73 metros às 12h do sábado, baixando 1 centímetro por hora. 

Edição: , | Fotógrafo:
Thales Renato/Agência Pública
Thales Renato/Agência Pública
Thales Renato/Agência Pública
Thales Renato/Agência Pública
Thales Renato/Agência Pública
Thales Renato/Agência Pública
Thales Renato/Agência Pública
Thales Renato/Agência Pública
Thales Renato/Agência Pública
Samuel de Souza/Agência Pública
Samuel de Souza/Agência Pública
Samuel de Souza/Agência Pública
Samuel de Souza/Agência Pública
Thales Renato/Agência Pública
Thales Renato/Agência Pública
Thales Renato/Agência Pública
Thales Renato/Agência Pública
Thales Renato/Agência Pública
Thales Renato/Agência Pública
Thales Renato/Agência Pública
Thales Renato/Agência Pública
Thales Renato/Agência Pública
Thales Renato/Agência Pública

Não é todo mundo que chega até aqui não! Você faz parte do grupo mais fiel da Pública, que costuma vir com a gente até a última palavra do texto. Mas sabia que menos de 1% de nossos leitores apoiam nosso trabalho financeiramente? Estes são Aliados da Pública, que são muito bem recompensados pela ajuda que eles dão. São descontos em livros, streaming de graça, participação nas nossas newsletters e contato direto com a redação em troca de um apoio que custa menos de R$ 1 por dia.

Clica aqui pra saber mais!

Quer entender melhor? A Pública te ajuda.

Faça parte

Saiba de tudo que investigamos

Fique por dentro

Receba conteúdos exclusivos da Pública de graça no seu email.

Artigos mais recentes