Agência de Jornalismo Investigativo

Marina Amaral

Marina Amaral é jornalista desde 1984 com passagens pelas redações da Folha de S. Paulo, revista Globo Rural, TV Record e TV Cultura. A partir de 1997, passou a atuar no jornalismo independente, participando da fundação da Revista Caros Amigos, da qual foi repórter especial e editora executiva até 2007. Nesse período conquistou um Prêmio Herzog pelo conjunto de reportagens publicadas em Caros Amigos (1998) e uma menção honrosa em conjunto com o jornalista João de Barros (2004). Entre 2008 e 2009, coordenou uma equipe de 13 jornalistas em levantamento inédito sobre Direitos Humanos no Brasil, a pedido da Secretaria Nacional de Direitos humanos e atuou como repórter no livro “Jornal Movimento, uma reportagem”. Desde 2011 é diretora e co-fundadora da Agência Pública.


Mais recentes

HAITI: "Aba Minustah"

27 de setembro de 2011 | por e

Às vésperas de mais uma renovação da missão de paz, manifestantes pedem a saída das tropas da ONU comandadas pelo Brasil; documentos confirmam rumores de golpe contra Aristide

Parte II: O papel do Brasil é "impor a paz"

27 de setembro de 2011 | por e

Segundo fonte, tropas brasileiras foram contatadas pelo Comando Sul americano antes da queda de Aristide; estratégia de pacificação nas favelas haitianas serviram de base para as UPPs

Parte III: Mais abusos, menos punições

27 de setembro de 2011 | por e

Relatórios da controladoria da ONU revelam outros abusos sexuais envolvendo soldados da Minustah; para ex-diretora, soldados repatriados não são devidamente punidos

Parte IV: No horizonte, a retirada das tropas…

27 de setembro de 2011 | por e

Ex-representante da OEA reclama de interferência políticae diz que missão de segurança perdeu sentido depois do terremoto

Amorim: a pedra no meio do caminho

18 de agosto de 2011 | por e

Documentos do Wikileaks revelam como o serviço diplomático americano elaborou uma estratégia para (não) lidar com o ex-chanceler e hoje ministro da Defesa Celso Amorim, tido como "esquerdista".

ARAGUAIA: o massacre que as Forças Armadas querem apagar

20 de junho de 2011 | por e

Em meio ao debate sobre o sigilo eterno de documentos, a Pública revisita uma das histórias mais obscuras do período militar: a repressão à guerrilha do Araguaia

FORÇADOS A MATAR

20 de junho de 2011 | por e

No processo do Araguaia, o silêncio oficial dos militares contrasta com as muitas vozes dos camponeses sobre uma história de crueldade e medo

VÍDEO: 5 mil cruzeiros por cabeça no Araguaia

20 de junho de 2011 | por e

Veja o vídeo produzido a partir de depoimentos de ex-colaboradores do exército. Muitos continuam calados por sofrerem ameaças até hoje.

APAGANDO O RASTRO

20 de junho de 2011 | por e

Ex-soldados relatam as “Operações Limpeza” a fim de esconder os corpos dos guerrilheiros assassinados durante a repressão à Guerrilha do Araguaia

Ex-soldados dizem que Romeu Tuma participou de combate à guerrilha

20 de junho de 2011 | por e

O ex-diretor do Dops teria sido visto várias vezes no Araguaia na época da repressão aos militantes do PCdoB

“O terrorismo de Estado persiste até hoje”, diz juíza

20 de junho de 2011 | por e

Leia entrevista com a juíza que comanda a tomada de depoimentos dos camponeses da região do Araguaia

CABEÇAS CORTADAS, CORPOS INSEPULTOS

20 de junho de 2011 | por e

As versões sobre a morte dos guerrilheiros do Araguaia nem sempre coincidem. Até hoje não se sabe exatamente quantos tiveram as cabeças cortadas e os corpos abandonados