Agência de Jornalismo Investigativo

Checamos se PMs quebraram entrada de edifício público durante manifestação contra as reformas trabalhista e da Previdência

26 de maio de 2017
17:44
Este texto foi publicado há mais de 5 anos.
Vídeo falso mostra policiais quebrando vidros em Brasília.
Vídeo falso mostra policiais quebrando vidros em Brasília. Foto: Reprodução

Os protestos contra as reformas trabalhista e da Previdência que ocorreram em Brasília nesta quarta-feira (24) terminaram em confronto. Policiais militares do Distrito Federal foram inclusive flagrados atirando contra manifestantes com armas de fogo. Um dia depois, um vídeo passou a circular nas redes sociais, com PMs quebrando vidros na entrada de um edifício da capital federal. Em um post, no Facebook, há o seguinte texto: ‘[vale-replay] “A PM interveio democraticamente quando vândalos mascarados, terrorista e baderneiros cometeram atos violentos de vandalismo e quebra-quebra’. Outro diz o seguinte: “A polícia também aderiu as ações diretas #AçõesDiretasJá”. O Truco – projeto de fact-checking da Agência Pública – analisou a gravação e descobriu que ela é falsa.

FalsoO vídeo não traz muitas pistas sobre o local onde foi gravado. No canto superior esquerdo está escrito “Camera 04”. Mais perto do final, o ângulo muda e surge “Camera 03”. Quando um dos policiais levanta o escudo, no meio do quadro, lê-se “Policia”. Até aí, nada indica que não tenha sido feito no Brasil. Quando o policial mais no topo da gravação ergue o escudo, no entanto, surge uma inscrição incomum em qualquer PM daqui: “PNB”. Uma pesquisa simples no Google Imagens, com os termos “PNB” e “policia” mostra que se trata da Polícia Nacional Bolivariana, da Venezuela.

Uma observação mais atenta permite perceber também que, logo no início da gravação, há uma data e um horário: 05/01/2017 06:31:27 PM. Como a hora aparece em formato americano, é muito provável que a data seja 1º de maio – ou seja, mais de três semanas antes das manifestações que ocorreram em Brasília. Nesse dia, houve grandes protestos na Venezuela. Outra pesquisa, agora no YouTube, revela uma versão do vídeo disponível desde pelo menos o dia 17 de maio A reportagem encontrou também uma reportagem que cita a gravação, de 13 de maio, no jornal El Tiempo. O texto explica que as cenas viralizaram pelo Twitter.

O vídeo foi captado em meio à última onda de protestos contra o governo de Nicolás Maduro na Venezuela, que já dura 55 dias. Mais de 50 pessoas – entre apoiadores e opositores ao governo – morreram em confronto com a polícia, por armas letais, enquanto caminhavam em locais próximos ou durante saques a estabelecimentos comerciais. Outros vídeos que circulam na internet mostram a Polícia Nacional Bolivariana quebrando e queimando suas próprias motos para incriminar manifestantes.

Aqui no Brasil, um dos posts com as imagens espalhou-se rapidamente pelas redes sociais e, no momento da publicação desta checagem, já tinha mais de 850 mil visualizações e 32 mil compartilhamentos no Facebook. Embora o vídeo seja verdadeiro, a reportagem descobriu que foi gravado em outro país, em uma outra data. As evidências são mais do que suficientes para mostrar que se trata de mais uma notícia falsa.

Entenda mais sobre a metodologia e sobre os selos de classificação adotados pelo Truco no site do projeto. Sugestões, críticas e observações sobre esta checagem podem ser enviadas para o e-mail truco@apublica.org.

Precisamos te contar uma coisa: Investigar uma reportagem como essa dá muito trabalho e custa caro. Temos que contratar repórteres, editores, fotógrafos, ilustradores, profissionais de redes sociais, advogados… e muitas vezes nossa equipe passa meses mergulhada em uma mesma história para documentar crimes ou abusos de poder e te informar sobre eles. 

Agora, pense bem: quanto vale saber as coisas que a Pública revela? Alguma reportagem nossa já te revoltou? É fundamental que a gente continue denunciando o que está errado em nosso país? 

Assim como você, milhares de leitores da Pública acreditam no valor do nosso trabalho e, por isso, doam mensalmente para fortalecer nossas investigações.

Apoie a Pública hoje e dê a sua contribuição para o jornalismo valente e independente que fazemos todos os dias!

Truco

Este texto foi produzido pelo Truco, o projeto de fact-checking da Agência Pública. Entenda a nossa metodologia de checagem e conheça os selos de classificação adotados em https://apublica.org/truco. Sugestões, críticas e observações sobre esta checagem podem ser enviadas para o e-mail truco@apublica.org e por WhatsApp ou Telegram: (11) 99816-3949. Acompanhe também no Twitter e no Facebook. Desde o dia 30 de julho de 2018, os selos “Distorcido” e “Contraditório” deixaram de ser usados no Truco. Além disso, adotamos um novo selo, “Subestimado”. Saiba mais sobre a mudança.

Mais recentes

“PL do Lobby” aprovado na Câmara prejudica fiscalização de esquemas como as rachadinhas

5 de dezembro de 2022 | por

Proposta derruba resolução que permite o monitoramento das contas de pessoas próximas a políticos, ministros e juízes

Questões da Transição: Por dentro da guerra entre Trump e seus generais

1 de dezembro de 2022 | por , e

Como o general Mark Milley e outros lidaram com a ameaça à segurança nacional representada por Trump após a derrota

Governo de MG avaliza exploração na Serra do Curral após negativa da AGU

29 de novembro de 2022 | por

Mineradoras Gute Sicht e Fleurs Global são investigadas pela PF e atuam sem licenciamento ambiental