Buscar
Nota

Diretor da Abin promete medidas para aumentar “rastreabilidade e transparência”

7 de setembro de 2023
10:52

Após anúncio de mudanças no Sistema Brasileiro de Inteligência (SISBIN) feito pelo governo federal nesta quarta (6), o diretor-geral da Agência Brasileira de Inteligência (Abin), Luiz Fernando Corrêa, prometeu mudanças quanto à “rastreabilidade e transparência” no trabalho da agência até dezembro. Houve uma série de escândalos recentes no órgão por falta de controle e transparência, em especial durante o governo Bolsonaro.

Entre outros casos, a Abin gastou mais de R$30 milhões em contratos secretos para aquisição de programas com possível uso ilegal só durante a gestão de Alexandre Ramagem, hoje deputado federal (PL-RJ), como já noticiado pela Agência Pública, e o suposto uso do órgão em favor do senador e filho do ex-presidente da República Flávio Bolsonaro (PL-RJ), como denunciou a Revista Época ainda em 2020.

“Até a parte secreta da inteligência tem de ter controle. Nós temos uma premissa: quem trabalha dentro da lei não tem medo de controle”, disse Corrêa, ex-diretor da Polícia Federal, à Agência Pública nesta quarta.

Estiveram presentes na sede da Abin para o evento desta quarta o vice-presidente da República, Geraldo Alckmin (PSB), o ministro da Defesa, José Múcio, o ministro de Justiça e Segurança Pública, Flávio Dino (PSB), o ministro do GSI, general da reserva do Exército Marcos Amaro, e a secretária-executiva da Casa Civil, Miriam Belchior.

Após a cerimônia, o diretor-geral da Abin afirmou que criou e mantém, desde maio passado, um grupo de trabalho com a Escola de Inteligência da agência para ouvir “especialistas de todo o mundo”, reunindo sugestões para melhorar a “rastreabilidade e transparência” do trabalho cotidiano dos agentes.

“Nós temos uma premissa: quem trabalha dentro da lei não tem medo de controle”, diz diretor da Abin

Corrêa disse que as conclusões serão apresentadas no próximo dia 7 de dezembro, em um evento em parceria com a Comissão Mista de Controle das Atividades de Inteligência (CCAI) do Congresso Nacional. De acordo com Corrêa, o plano é que este grupo forneça elementos para que os parlamentares “instrumentalizem um controle efetivo” sobre o órgão, sem dar mais detalhes.

“Se eu tiver uma atividade [de inteligência] com controle, eu tenho uma atividade com legitimidade, que é algo que se constrói com vários instrumentos – e a rastreabilidade é um deles”, afirmou o diretor-geral.

Segundo a Abin, as mudanças assinadas via decreto pelo presidente Lula (PT) nesta quarta (6) visam “modernizar” e “dinamizar o ambiente de cooperação, fortalecer o papel da Abin como órgão central [do sistema de inteligência] e aumentar a efetividade do assessoramento” feito pela agência.

Edição:
Caio de Freitas Paes/Agência Pública

Não é todo mundo que chega até aqui não! Você faz parte do grupo mais fiel da Pública, que costuma vir com a gente até a última palavra do texto. Mas sabia que menos de 1% de nossos leitores apoiam nosso trabalho financeiramente? Estes são Aliados da Pública, que são muito bem recompensados pela ajuda que eles dão. São descontos em livros, streaming de graça, participação nas nossas newsletters e contato direto com a redação em troca de um apoio que custa menos de R$ 1 por dia.

Clica aqui pra saber mais!

Quer entender melhor? A Pública te ajuda.

Notas mais recentes

Governo define áreas de conflito que serão priorizadas em reforma agrária


Tocantins regularizou mais de 50 mil hectares com lei pró-grilagem questionada no STF


Frente ambientalista denuncia paralisação da Comissão de Meio Ambiente da Câmara


Ministra da Saúde cita dificuldades para vacinar Yanomami e adota meta de 70% até 2027


Municípios em que JBS se instalou tiveram aumento da pobreza, aponta pesquisa


Faça parte

Saiba de tudo que investigamos

Fique por dentro

Receba conteúdos exclusivos da Pública de graça no seu email.

Artigos mais recentes