Buscar
Nota

Governo define áreas de conflito que serão priorizadas em reforma agrária

17 de abril de 2024
04:00

Na retomada da reforma agrária anunciada nesta segunda-feira (15), o governo Lula colocou a regularização de terras que são palco de violentos conflitos no campo entre as prioridades. A secretária-executiva do Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA), Fernanda Machiavelli, disse que há pelo menos 20 áreas inseridas nos planos iniciais do governo para a primeira etapa do programa Terra da Gente, lançado para ampliar o acesso a terras.

“Estas áreas já entram no programa de pacificação, com a aquisição das terras por meio de acordos e também via adjudicação [transferência de propriedades de devedores à União, devido a inadimplência]”, afirmou Machiavelli à Agência Pública. Segundo o governo Lula, haveria pelo menos R$ 520 milhões garantidos para a retomada da reforma agrária em 2024.

O presidente do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), César Aldrighi, detalhou a priorização das áreas definidas pelo órgão como partes de “conflitos agudos”.

“Identificamos um grande conjunto de grupos em conflito principalmente com setores empresariais da celulose no sul da Bahia, próximo à divisa com o Espírito Santo. Ainda na Bahia, também reconhecemos áreas prioritárias no norte, próximo à divisa com Pernambuco”, disse Aldrighi à Pública.

O presidente do Incra incluiu também na lista inicial de prioridades áreas no Paraná, “com mais de 80 acampamentos históricos dos sem-terra”, segundo ele, em São Paulo e também no Maranhão: “Cada caso é único, então avaliamos qual tipo de solução devemos adotar – se existem dívidas dos proprietários com o governo, se estão dispostos a vender as terras, e por aí vai”.

Em entrevista concedida à Pública em dezembro de 2023, a diretora da Câmara de Conciliação Agrária do órgão, Maíra Coraci Diniz, já havia destacado Bahia e Maranhão como estados com muitos conflitos agrários naquele ano. Além dos dois, a ex-defensora pública também destacou a gravidade de disputas fundiárias na Amazônia e no Cerrado, especialmente nos estados do Pará e Rondônia.

O presidente do Incra explicou que a identificação das áreas conflituosas teve o apoio de duas diretorias do governo focadas nesse tema. Além da própria Câmara de Conciliação do Incra, o Departamento de Mediação e Conciliação de Conflitos Agrários do MDA – dirigido pela ex-juíza federal Cláudia Dadico – também auxiliou na avaliação de prioridades sob a ótica dos conflitos.

Edição:

Não é todo mundo que chega até aqui não! Você faz parte do grupo mais fiel da Pública, que costuma vir com a gente até a última palavra do texto. Mas sabia que menos de 1% de nossos leitores apoiam nosso trabalho financeiramente? Estes são Aliados da Pública, que são muito bem recompensados pela ajuda que eles dão. São descontos em livros, streaming de graça, participação nas nossas newsletters e contato direto com a redação em troca de um apoio que custa menos de R$ 1 por dia.

Clica aqui pra saber mais!

Quer entender melhor? A Pública te ajuda.

Notas mais recentes

Familiares de mortos e desaparecidos vão denunciar Estado brasileiro à corte da OEA


Pressão: Indústria tabagista marca presença em audiência no Senado para liberar vapes


Bancada bolsonarista no Congresso barra avanço de projeto que institui educação climática


8/1: Bolsonaristas debatem dia do preso político e abrem espaço para suspeitos de crimes


Quilombolas marcham até o Congresso e cobram rapidez na titulação de terras


Faça parte

Saiba de tudo que investigamos

Fique por dentro

Receba conteúdos exclusivos da Pública de graça no seu email.

Artigos mais recentes