Buscar
Nota

Ministra da Saúde cita dificuldades para vacinar Yanomami e adota meta de 70% até 2027

9 de abril de 2024
16:00

Em entrevista coletiva no Palácio do Planalto nesta segunda-feira (8), a ministra da Saúde, Nísia Trindade, mencionou dificuldades para realizar uma cobertura vacinal completa dos indígenas Yanomami, em Roraima, e confirmou metas de um plano elaborado pelo Distrito Sanitário Especial Indígena Yanomami (Dsei), ao qual a Agência Pública teve acesso.

O plano cita 32 “resultados esperados” até 2027, entre os quais “alcançar 70% das crianças indígenas menores de 1 ano com esquema vacinal completo”. O documento traz também como meta “reduzir em 30%, até 2027, a taxa de mortalidade infantil indígena por causas evitáveis” no território Yanomami.

A Pública indagou à ministra se os números estavam corretos, se ela concordava com tais metas e por que a cobertura vacinal não seria maior. Segundo Trindade, os valores dependem das vacinas em curso.

“Por exemplo, [quando se] fala em HPV, a cobertura esperada é de 80%. Aí entram fatores de transmissão, do coletivo, além da proteção individual. No caso da população indígena… Eu iniciei, inclusive, no ano passado, a vacinação indígena no território Yanomami e farei o mesmo, nessa semana, no Oiapoque, onde começaremos também a vacinação indígena. É uma vacinação que tem suas características, o atingimento, dependendo das situações de isolamento das aldeias, ele passa com dificuldades, comparados com a população que não vive nas mesmas condições, então, a meta 70%, ela permite uma proteção máxima possível, considerando todos esses fatores.”

A respeito da meta da redução da mortalidade infantil, Trindade disse que ela é “exequível” e que o ministério passará a contar com um novo medicamento no tratamento da malária. Para atingir a meta, disse a ministra, “é muito importante lembrar que uma das causas importantes, além de desnutrição, tem sido a malária”.

“No território Yanomami, houve um aumento da malária […] ligado à própria existência do garimpo ilegal, por uma razão, que é o acúmulo de água em regiões que ficam como verdadeiras crateras. Isso leva a uma maior proliferação de mosquitos, fruto dessa ação de desmatamento.”

A ministra da Saúde disse ainda que o ministério começou a introduzir no território Yanomami “um novo medicamento para malária recomendado pelos principais especialistas com forte interação com o Ministério da Saúde, com aprovação na nossa comissão que incorpora as tecnologias”. O anúncio foi feito pelo ministério no ano passado.

O medicamento, denominado tafenoquina, deve ser aplicado em dose única, característica que, segundo a ministra, será de grande utilidade no território Yanomami, porque um problema recorrente é a desistência no caso dos medicamentos que necessitam de uma segunda dose de reforço.

“A crise sanitária atual resulta tanto da atuação do garimpo, que foi permitido, porque é um garimpo ilegal, então houve um descaso, para dizer o mínimo, em relação a essa situação, e, além disso, a desassistência, porque não estava ocorrendo a atenção à saúde Yanomami naquele território. E a questão da segurança, em parte, é um fator muito responsável por isso, uma vez que muitas unidades básicas de saúde no território Yanomami, polos de saúde indígena, encontravam-se fechadas por falta de condições de financiamento. Então, o problema era de uma grandeza muito grande.”

A respeito dos recursos do Ministério da Saúde necessários para o enfrentamento da emergência sanitária Yanomami, a ministra disse que, “por uma decisão política do presidente” Luiz Inácio Lula da Silva, a saúde indígena recebeu um incremento de R$ 700 milhões para o ano de 2024. Conforme anunciado pelo governo em outubro passado, neste ano a saúde indígena teve um orçamento total de R$ 2,6 bilhões, “74% a mais do que o ano de 2022”. 

Edição:

Não é todo mundo que chega até aqui não! Você faz parte do grupo mais fiel da Pública, que costuma vir com a gente até a última palavra do texto. Mas sabia que menos de 1% de nossos leitores apoiam nosso trabalho financeiramente? Estes são Aliados da Pública, que são muito bem recompensados pela ajuda que eles dão. São descontos em livros, streaming de graça, participação nas nossas newsletters e contato direto com a redação em troca de um apoio que custa menos de R$ 1 por dia.

Clica aqui pra saber mais!

Quer entender melhor? A Pública te ajuda.

Notas mais recentes

Familiares de mortos e desaparecidos vão denunciar Estado brasileiro à corte da OEA


Pressão: Indústria tabagista marca presença em audiência no Senado para liberar vapes


Bancada bolsonarista no Congresso barra avanço de projeto que institui educação climática


8/1: Bolsonaristas debatem dia do preso político e abrem espaço para suspeitos de crimes


Quilombolas marcham até o Congresso e cobram rapidez na titulação de terras


Faça parte

Saiba de tudo que investigamos

Fique por dentro

Receba conteúdos exclusivos da Pública de graça no seu email.

Artigos mais recentes