Buscar
Nota

Projeto de senador do PT que dá porte de armas a agentes socioeducativos avança no Senado

29 de fevereiro de 2024
17:00

A Comissão de Direitos Humanos (CDH) do Senado aprovou nesta quarta-feira (28) o Projeto de Lei 4.256/19, que autoriza o porte de armas de fogo para agentes socioeducativos, responsáveis por garantir a integridade e a proteção de adolescentes em conflito com a lei internados em instituições socioeducativas, como a Fundação Casa em São Paulo. O projeto é de autoria do senador Fabiano Contarato (PT-ES) e teve parecer favorável do relator Eduardo Girão (Novo-CE). 

O texto altera o Estatuto do Desarmamento (Lei 10.826/03) para permitir o porte de armas aos agentes de segurança socioeducativos em todo o território nacional, “em condições a serem estabelecidas por regulamento específico, que determinará seu uso não ostensivo e os modos pelos quais o porte de arma atenderá à finalidade de atendimento aos adolescentes”.

Em seu relatório, Girão afirmou que os agentes são “constantemente ameaçados por elementos que integram quadrilhas, muitas delas comandadas, infelizmente, por menores infratores”. O senador destacou que o projeto mantém a vedação de que esses servidores entrem armados em instituições de internação para adolescentes infratores. 

Embora pertençam a grupos distintos, Contarato e Girão trocaram elogios durante a discussão da proposta na reunião da CDH. O ex-líder do PT no Senado afirmou que o colega da oposição, “sempre preocupado com o bem estar integral da criança e do adolescente, fez modificações significativas para atender à real finalidade do projeto de lei”. Já o parlamentar cearense declarou que a iniciativa era “importante, justa e meritória”. 

Em discurso, Contarato, ex-delegado da Polícia Civil do Espírito Santo, defendeu a atuação dos profissionais que atuam na segurança e afirmou se entristecer quando vê uma “parcela significativa da população criminalizando” esses agentes. 

“Nós temos que sair um pouco desta discussão teleológica, muito mais academicista, sem entender qual é a realidade que nós passamos lá diuturnamente dentro do sistema prisional, seja para as pessoas que são maiores e imputáveis, seja para os inimputáveis ou para aquela criança ou adolescente que violou qualquer norma, praticando um ato infracional”, declarou. 

O projeto foi elogiado também pelo senador bolsonarista Magno Malta (PL-ES). Ele classificou as instituições socioeducativas como “escolas técnicas do crime” e defendeu a necessidade de o agente de segurança estar armado para sua própria proteção e de sua família.

Para o conselheiro do Fórum Brasileiro de Segurança Pública e policial federal Roberto Uchôa, a proposta se desvirtua do objetivo inicial do Estatuto do Desarmamento, de restringir o acesso a armas de fogo a agentes de segurança pública e militares. “Infelizmente, desde 2003 a gente vem assistindo a várias legislações ampliando o acesso ao porte de armas de fogo. […] Se cada categoria apresentar suas razões e conseguir o porte de arma de fogo, a gente vai se tornar uma sociedade altamente armada”, pontua o pesquisador. 

Ele rebate o argumento de que armar agentes de segurança socioeducativos é necessário para protegê-los. Segundo Uchôa, há um equívoco na premissa, já que “arma concedida pelo poder público deve ser considerada um instrumento de trabalho, e não para defesa pessoal”. 

O pesquisador destaca ainda que, para esse fim, a Polícia Federal tem a prerrogativa de analisar cada caso individualmente e conceder o porte: “Se [por exemplo] algum servidor da Funai tem realmente situações que demandam e que apresentem um perigo real pra ele, ele pode solicitar o porte de armas na Polícia Federal. E vai ser concedido depois de uma análise individual de caso a caso. O que não pode, e que eu considero um equívoco, é, diante de situações pontuais, conceder porte de armas a toda uma categoria profissional”.  

Aprovada simbolicamente na CDH, a proposta segue para a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado em caráter terminativo, ou seja, sem necessidade de discussão no plenário da Casa antes de ser enviada para análise da Câmara. 

Edição:

Não é todo mundo que chega até aqui não! Você faz parte do grupo mais fiel da Pública, que costuma vir com a gente até a última palavra do texto. Mas sabia que menos de 1% de nossos leitores apoiam nosso trabalho financeiramente? Estes são Aliados da Pública, que são muito bem recompensados pela ajuda que eles dão. São descontos em livros, streaming de graça, participação nas nossas newsletters e contato direto com a redação em troca de um apoio que custa menos de R$ 1 por dia.

Clica aqui pra saber mais!

Quer entender melhor? A Pública te ajuda.

Notas mais recentes

Tocantins regularizou mais de 50 mil hectares com lei pró-grilagem questionada no STF


Frente ambientalista denuncia paralisação da Comissão de Meio Ambiente da Câmara


Ministra da Saúde cita dificuldades para vacinar Yanomami e adota meta de 70% até 2027


Municípios em que JBS se instalou tiveram aumento da pobreza, aponta pesquisa


TCU fará apuração própria sobre desastre da Braskem em Maceió


Faça parte

Saiba de tudo que investigamos

Fique por dentro

Receba conteúdos exclusivos da Pública de graça no seu email.

Artigos mais recentes