Buscar
Nota

Tabata conta com Alckmin para conquistar voto evangélico para prefeitura de São Paulo

20 de outubro de 2023
17:00

Pré-candidata à prefeitura de São Paulo, a deputada federal Tabata Amaral (PSB-SP) conta com apoio do vice-presidente e correligionário Geraldo Alckmin para conquistar o voto evangélico na capital paulista. Alckmin tem boa interlocução com lideranças importantes no segmento na cidade, como o apóstolo Estevam Hernandes, da igreja Renascer em Cristo e do apóstolo César Augusto, à frente da igreja Fonte da Vida.

“Já marcamos conversas com oito lideranças evangélicas importantes de São Paulo”, disse Tabata Amaral, sem revelar nomes, durante jantar com jornalistas promovido pelo Gabinete Compartilhado, em São Paulo, na quinta-feira (19). O Gabinete Compartilhado é um grupo que reúne oito parlamentares de estados e partidos diferentes, todos da base do governo Lula, que compartilham uma equipe técnica incluindo assessores legislativos, jurídicos e cientistas de dados. 

Atualmente, além de Tabata Amaral, fazem parte do Gabinete Compartilhado o senador Alessandro Vieira (MDB-SE) e os deputados federais Amon Mandel (Cidadania-AM), Camila Jara (PT-MS), Duarte Jr. (PSB-MA), Duda Salabert (PDT-MG), Pedro Campos (PSB-PE) e Socorro Neri (PP-AC). 

Sem apoio de grandes denominações em São Paulo, como a Igreja Universal do Reino de Deus e a Assembleia de Deus, que são aliadas do atual prefeito Ricardo Nunes (MDB), Tabata Amaral, que é católica praticante, pretende conquistar o apoio de pastores à frente de congregações menores. 

“Tivemos um evento de filiação com aproximadamente 100 pessoas, entre pastores, membros da igreja e lideranças religiosas. Dessas 100 pessoas, 30 foram filiadas”, comentou. 

Ex-governador de São Paulo, Geraldo Alckmin também tem sido escalado por Lula (PT) para ampliar o apoio evangélico. Este mês, ele esteve em uma Convenção Nacional das Assembleias de Deus do Ministério Madureira, em Brasília (DF), que reuniu aproximadamente oito mil pastores. Uma pesquisa recente do Ipec mostrou que a desaprovação do governo é maior entre os evangélicos, com 32% do segmento avaliando a atual gestão como ruim ou péssima. Entre os católicos, a desaprovação é menor, de 21%. 

Alckmin também estaria fazendo conversas sobre o cenário das igrejas em São Paulo. O tema teria sido o foco do encontro dele com o deputado federal Cezinha Madureira (PSD-SP), da Assembleia de Deus Ministério Madureira, em setembro. Madureira também é uma das principais lideranças evangélicas no Congresso Nacional.

Edição:

Não é todo mundo que chega até aqui não! Você faz parte do grupo mais fiel da Pública, que costuma vir com a gente até a última palavra do texto. Mas sabia que menos de 1% de nossos leitores apoiam nosso trabalho financeiramente? Estes são Aliados da Pública, que são muito bem recompensados pela ajuda que eles dão. São descontos em livros, streaming de graça, participação nas nossas newsletters e contato direto com a redação em troca de um apoio que custa menos de R$ 1 por dia.

Clica aqui pra saber mais!

Quer entender melhor? A Pública te ajuda.

Notas mais recentes

Governo e bancada feminina da Câmara tentam aprovar Política Nacional de Cuidados


Governo define áreas de conflito que serão priorizadas em reforma agrária


Tocantins regularizou mais de 50 mil hectares com lei pró-grilagem questionada no STF


Frente ambientalista denuncia paralisação da Comissão de Meio Ambiente da Câmara


Ministra da Saúde cita dificuldades para vacinar Yanomami e adota meta de 70% até 2027


Faça parte

Saiba de tudo que investigamos

Fique por dentro

Receba conteúdos exclusivos da Pública de graça no seu email.

Artigos mais recentes