Buscar
Nota

TCU fará apuração própria sobre desastre da Braskem em Maceió

8 de abril de 2024
17:00

Em resposta à representação apresentada pelo senador Renan Calheiros (MDB-AL) em maio do ano passado, o Tribunal de Contas da União (TCU) decidiu investigar os danos ambientais causados pela Braskem em Maceió (AL). A situação afetou mais de 20 mil famílias em 2018.

A representação do senador acusa a Braskem de evitar responsabilidades por meio de acordos fraudulentos com o Ministério Público de Alagoas. O senador solicita que o tribunal determine e apure os valores e o prejuízo causado pela empresa devido à exploração de sal-gema em Maceió.

A Braskem foi apontada por Calheiros como responsável por causar danos ambientais significativos ao longo de 40 anos na cidade. O despacho do TCU, assinado pelo ministro Aroldo Cedraz, determina que se apure o pedido do senador, assim como uma possível insuficiência dos valores pagos pela empresa para reparação dos danos causados. Cedraz determinou ainda a apuração sobre a quantificação do impacto ambiental que abrange áreas sensíveis, como ecossistemas aquáticos, solos e comunidades locais.

O despacho de 4 de abril reconhece a gravidade da situação e determina medidas importantes para a apuração e responsabilização. A representação de Calheiros aponta a ausência da Advocacia-Geral da União (AGU) nas negociações e destaca a competência exclusiva da AGU nesse contexto. A Pública apurou que esses acordos são firmados entre partes que têm legitimidade para tanto e que, no entendimento da AGU, o Ministério Público tem legitimidade para firmar esses acordos. A União, através da AGU, só entraria nesses acordos ou no acompanhamento desses acordos quando há interesses da União envolvidos na discussão. Caso contrário, são acordos que são firmados entre o município e a empresa. Às vezes, entre o Ministério Público, porque tem questões de interesse público e direito transindividual envolvido. “Tudo depende efetivamente de quem faz o acordo”, informou reservadamente uma fonte da AGU. 

Entre outros pontos, o despacho do ministro do TCU Aroldo Cedraz reconhece a gravidade da situação e determina medidas para a apuração e responsabilização da Braskem:

  • Apuração de Responsabilidade: O ministro Cedraz autoriza a Auditoria de Agricultura, Pecuária e Meio Ambiente (AudAgroAmbiental) a conduzir investigações detalhadas. Essa unidade técnica especializada do TCU terá a missão de identificar os responsáveis pelos danos ambientais. Isso inclui não apenas a empresa Braskem, mas também eventuais omissões de outras agências e órgãos fiscalizadores;
  • Quantificação dos Danos: A Auditoria de Agricultura, Pecuária e Meio Ambiente também deverá quantificar o débito ambiental. Esse cálculo é fundamental para determinar a extensão dos danos causados e para estabelecer uma base sólida para a reparação. A avaliação considerará não apenas os danos materiais, mas também os impactos sociais e culturais;
  • Enfoque na Dimensão Ambiental: O documento ressalta que a matéria tratada é eminentemente ambiental, e não apenas relacionada ao setor de mineração. Essa ênfase reforça a necessidade de especialistas com expertise no assunto, capazes de avaliar os aspectos técnicos, científicos e jurídicos envolvidos.
Senadores vão apurar as causas e apontar possíveis responsáveis pelo afundamento de bairros da capital alagoana em função da atividade da petroquímica

CPI da Braskem

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que também apura o desastre causado pela Braskem em Maceió iniciou seus trabalhos há um mês. O senador Renan Calheiros (MDB) deixou o colegiado em fevereiro, antes do início dos trabalhos.

Calheiros, autor do requerimento para a instalação da comissão e responsável pela coleta de assinaturas, acreditava ser o relator lógico da CPI. No entanto, o PT, que se opôs à criação do colegiado, agora detém a relatoria. Durante a coleta de assinaturas, apenas o senador Paulo Paim (PT) assinou o requerimento pelo partido. Rogério Carvalho (PT), relator da CPI, não havia assinado o documento, segundo informou a equipe do senador Renan Calheiros. Procurado para comentar, Rogério Carvalho não retornou até a publicação. 

Na próxima quarta-feira (10), está marcado o depoimento do vice-presidente da Braskem, Marcelo Arantes de Carvalho. No entanto, o ministro Dias Toffoli do Supremo Tribunal Federal (STF) concedeu um habeas corpus que dá a possibilidade de o dirigente da petroquímica ficar em silêncio em perguntas que possam incriminá-lo na CPI.

Três senadores, em caráter reservado, falaram à Pública sobre a preocupação de que a CPI possa ter o mesmo desfecho de outra, a das Americanas, que terminou sem indiciamentos.

A Pública procurou o senador Renan Calheiros através da sua assessoria, que afirmou que o senador estava em agenda no interior de Alagoas e por isso não seria possível um posicionamento até a publicação.

Edição:
Gésio Passos/Agência Brasil

Não é todo mundo que chega até aqui não! Você faz parte do grupo mais fiel da Pública, que costuma vir com a gente até a última palavra do texto. Mas sabia que menos de 1% de nossos leitores apoiam nosso trabalho financeiramente? Estes são Aliados da Pública, que são muito bem recompensados pela ajuda que eles dão. São descontos em livros, streaming de graça, participação nas nossas newsletters e contato direto com a redação em troca de um apoio que custa menos de R$ 1 por dia.

Clica aqui pra saber mais!

Quer entender melhor? A Pública te ajuda.

Notas mais recentes

Familiares de mortos e desaparecidos vão denunciar Estado brasileiro à corte da OEA


Pressão: Indústria tabagista marca presença em audiência no Senado para liberar vapes


Bancada bolsonarista no Congresso barra avanço de projeto que institui educação climática


8/1: Bolsonaristas debatem dia do preso político e abrem espaço para suspeitos de crimes


Quilombolas marcham até o Congresso e cobram rapidez na titulação de terras


Faça parte

Saiba de tudo que investigamos

Fique por dentro

Receba conteúdos exclusivos da Pública de graça no seu email.

Artigos mais recentes