Agência de Jornalismo Investigativo

O ex-embaixador dos EUA no Brasil criticou a justiça brasileira e a impunidade.

30 de março de 2011
14:44
Este texto foi publicado há mais de 10 anos.

Nós não esperamos que o governo Lula encaminhe algo nos dois anos e meio restantes, e não é claro que alguém influente esteja preparado para levantar o padrão”, diagnostica Sobel na mensagem, intitulada: “será que todos os os escândalos de corrupção importam?”

Nela, Clifford Sobel critica a postura das instituições brasileiras diante da corrupção no país. “O desfile constante de escândalos de corrução envolvendo agentes do governo e políticos, geralmente acabando em impunidade, resulta de fatores que perpetuam o status qho, incluindo instituições fracas, o status especial de políticos e o comportamento eleitoral”, descreve o diplomata no sumário do telegrama.

Sobel equaciona a impunidade e corrupção no Brasil como sendo frutos de aplicação
fraca das leis, sobrecarga do judiciário, falta de verbas para agências e pressão
política.O funcionamento do Ministério Público é criticado por Sobel. “O Ministério
Público, um agente investigativo federal independente com poderes abrangentes, é
reconhecido como quase sempre livre de corrupção, no entanto é comum que se envolva
tarde demais em investigações ou falhe em agir.”, relata o telegrama.

Para o diplomata, as CPI’s constituiam um dos principais mecanismos de investigação e
também careciam de eficácia. “Absolvições por falta de provas ou por motivos políticos
são comuns, e mesmo quando uma CPI conclui que um crime foi cometido, ela não tem
como aplicar a lei ou poderes legais”, explica Sobel.

Relatório de um assinante de revistas – Na mensagem, Clifford Sobel desfia uma breve
história americana da corrupção brasileira através das manchetes. Com base em revistas semanais, Sobel contabiliza 38% dos senadores e 36% dos deputados federais como acusados de crimes sérios ou já condenados. “As acusações são compra de votos, uso de propaganda eleitoral proibida e apropriação de dinheiro público”, relata o telegrama.

Lançando mão de dados da mídia, Sobel conta 3.712 pessoas presas pela Polícia federal
por corrupção entre 2003 e 2006, dentre elas 1.098 seriam agentes públicos. “Destes,
apenas 432 (cerca de 11%), foram condenados”, diz o telegrama onde está listado uma
série de escândalos da época.

Dentre os casos de corrupção detalhados estão o uso abusivo dos cartões corporativos, os casos da Varig e da VarigLog, a Operação Navalha, os empréstimos do BNDES
intermediados por Carlos Lupi e Paulinho da Força, o escândalo de Jader Barbalho na SUDAM, o mensalão de Zeca do PT, o esquema de Álvaro Lins na polícia civil carioca, e as operações Megabyte no Distrito Federal e João-de-Barro que agia em obras do PAC em 8 unidades federativas.

Foro privilegiado e ficha limpa

O telegrama nota esforços no país para uma política mais ética no país. Dentre eles está a extinção do foro privilegiado no julgamento de autoridades e o impedimento da candidatura de políticos condenados criminalmente. “Apesar dos sinais positivos, não existe um esforço concentrado em resolver as falhas sistemáticas que criam um ambiente tão viável à corrupção”, comenta Sobel.

O embaixador americano em Brasília via no foro privilegiado um dos principais
mecanismos de impunidade no país. “Autoridades federais eleitas, além de oficiais
de alto escalão do poder executivo e membros do judiciário, são designados a terem
seus casos julgados na Suprema Corte (STF) ou no Supremo Tribunal de Justiça,
mas o primeiro nunca condenou ninguém em uma acusação de corrupção”, detalha
a mensagem que explica que politicos podem protelar as ações através de manobras
jurídicas. O telegrama sublinha o julgamento dos 40 réus do Mensalão como sendo a
oportunidade do STF “quebrar este recorde depressivo” e conta apenas 5 condenações
por corrupção por parte do STJ.

Seja aliada da Pública

Todos precisam conhecer as injustiças que a Pública revela. Ajude nosso jornalismo a pautar o debate público.

Mais recentes

“Ataque aos índios não veio agora”, diz procurador da 1ª condenação por genocídio no país

“Ataque aos índios não veio agora”, diz procurador da 1ª condenação por genocídio no país

26 de outubro de 2021 | por

Luciano Mariz Maia, que atuou na primeira condenação por genocídio no Brasil, comenta pedido de indiciamento do presidente Jair Bolsonaro, descartado pela CPI do Senado

A crise dos indígenas Avá-Guarani desterrados por Itaipu

A crise dos indígenas Avá-Guarani desterrados por Itaipu

25 de outubro de 2021 | por

Em meio à miséria e à tentativa de retomada do território, os suicídios de jovens indígenas aumentam a emergência social da etnia que vive às margens do rio Paraná

Aplicativos de delivery: a nova faceta do trabalho infantil

Aplicativos de delivery: a nova faceta do trabalho infantil

20 de outubro de 2021 | por e

Durante dois meses, repórteres da Agência Pública acompanharam a rotina de adolescentes que se arriscam no trabalho para aplicativos de entrega