Apoie!

Seja aliada da Pública

Seja aliada

Agência de Jornalismo Investigativo

A Pública atravessou o Corredor Logístico de Nacala de oeste a leste para investigar, nas aldeias, o impacto dos programas brasileiros em Moçambique

10 de maio de 2016
Texto: | Infográficos:

Um cortejo ocupa a estrada na entrada da vila de Metangula fazendo o ar vibrar com os ilulus, os gritos de alegria dos macuas, o maior grupo etnolinguístico do norte do país, ao qual pertencem 47,5% da população de Niassa, também território dos ajauas (ou yaos) e dos nhanjas.

Envoltas nas tradicionais capulanas estampadas, as mulheres trazem a cabeça coberta por turbantes e véus islâmicos. Os homens usam o taqyah (a touca tradicional) e a túnica. É a comemoração do Eid Al-Fitr, o feriado que marca o fim do Ramadã, o mês sagrado de jejum dos muçulmanos.

A 150 quilômetros dali, na capital de Niassa, se vê também as cabeças cobertas das famílias que passam nas ruas tranquilas, com a maioria das lojas e restaurantes fechados. Segundo os dados do Plano Estratégico Provincial Niassa 2017 (PEP 2017), 61% dos habitantes da província se declaram muçulmanos, enquanto no país todo eles representam apenas 17,9%.

O Islã chegou a Niassa pelos mercadores árabes e suaílis que, a partir do século XII, vieram da costa norte em busca de marfim – os portugueses só entrariam na região 500 anos depois. A religião assumiu ritos e crenças preexistentes e se adaptou à família poligâmica dos macuas, tornando-se predominante em todo o norte de Moçambique.

Os dois principais projetos brasileiros se encontram no território macua, mais exatamente no Corredor de Nacala, o cinturão agrícola cortado pelo Corredor Logístico de Nacala (NCL), criado pela Vale para exportar carvão, mas estratégico para o ProSavana – um programa de cooperação triangular que une Japão, Brasil e Moçambique (leia a reportagem “Capitalismo selvagem à brasileira”). Como cereja do bolo, a Odebrecht construiu um aeroporto internacional em Nacala – a cidade portuária – com um financiamento de 125 milhões de dólares do BNDES.

Durante três semanas a Pública percorreu o Corredor de Nacala, partindo de Lichinga, onde fica um dos campos experimentais da Embrapa – que testa a adaptação de sementes trazidas do Brasil ao solo moçambicano. O objetivo do ProSavana é desenvolver a agricultura de Moçambique introduzindo as culturas de grãos que hoje dominam o cerrado brasileiro.

Seguindo o mapa e clicando nas cidades assinaladas, você acompanha a viagem e as descobertas da Pública, que investigou o impacto dos projetos brasileiros em Moçambique, nas aldeias onde quase ninguém fala português. A ajuda veio de lideranças locais da União Nacional dos Camponeses (Unac) e do jornalista moçambicano Jeremias Vunjanhe, que nos acompanhou por todo o trajeto. De Lichinga (no extremo norte) a Nacala (extremo leste), seguimos conversando com os camponeses nas aldeias do Niassa e de Nampula, visitando comunidades expulsas e afetadas pela cessão de terras a projetos de investimento estrangeiro, como o ProSavana. Encerramos a viagem na baía de Nacala, formada pelas águas do Índico, no ponto em que o corredor logístico da Vale embarca para a Ásia as mercadorias extraídas das minas e das terras do povo de Moçambique.

(Crédito da imagem destacada: Alexandre Campbell)

Seja aliada da Pública

Faça parte do nosso novo programa de apoio recorrente e promova jornalismo investigativo de qualidade. Doações a partir de R$ 10,00/mês.

Comentários de nossos aliados

 Ver comentários

Esta é a área de comentários dos nossos aliados, um espaço de debate para boas discussões sobre as reportagens da Pública. Veja nossa política de comentários.

Carregando…
Você precisa ser um aliado para comentar.
Fechar
Só aliados podem denunciar comentários.
Fechar

Explore também

Para os Awá-Guajá, trem da Vale é o "barulho do terror"

28 de fevereiro de 2013 | por

Uma das tribos mais ameaçadas do mundo não conhecia os brancos até recentemente. Mas na reserva do Gurupi (MA) o impacto do pólo minerador-exportador põe em risco seu modo de vida

Os jagunços cercam os guaranis

25 de novembro de 2015 | por

Quem está matando os índios no Mato Grosso do Sul? Por que essas mortes se repetem? Para responder a essas perguntas a Pública escalou um repórter experiente que conta aqui suas descobertas no mundo ameaçado dos guarani-kaiowá

Entenda os passos do processo de impeachment contra Dilma no Congresso

Os caminhos do impeachment

17 de março de 2016 | por

Entenda o passo a passo do processo de impeachment que tramita no Congresso contra a presidente Dilma Rousseff (PT)

Mais recentes

“Tenho acesso direto aos assessores de Mourão”, diz presidente do Clube Militar

25 de maio de 2019 | por

Às vésperas da manifestação pró-governo, general Eduardo Barbosa defende a ditadura militar, a economia liberal de Paulo Guedes e até Flávio Bolsonaro, investigado no caso Queiroz: “Causa estranheza ao se ver tanta relevância no caso”

Manifestações podem definir futuro de Bolsonaro no Congresso

24 de maio de 2019 | por

A Pública conversou com parlamentares sobre a crise entre governo e Congresso; ceticismo predomina, mas o resultado das ruas no dia 26 terá peso decisivo no futuro dessas relações

Dois anos do massacre de Pau D’Arco: mandantes ainda impunes e ameaça de despejo

24 de maio de 2019 | por

Em entrevista à Pública, a advogada Andréia Silvério, da CPT de Marabá, conta que os sobreviventes da chacina que vitimou dez trabalhadores ocupantes da fazenda Santa Lúcia em Pau D’Arco (PA) não receberam nenhum apoio do Estado, e que novos conflitos são iminentes

Login para aliados

Participe e seja aliado.

Fechar