Apoie!

Seja aliada da Pública

Seja aliada

Agência de Jornalismo Investigativo

Em cenário de incertezas, presidente afastado da Câmara tenta evitar cassação em duas frentes: no Conselho de Ética e na CCJ. No Senado, desvinculação das receitas da União e impeachment dominam a pauta

12 de junho de 2016

O futuro político do presidente afastado da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), estará em jogo nesta semana em dois colegiados: o Conselho de Ética, que vota o parecer pela cassação de seu mandato, e a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), onde seus aliados tentam livrá-lo da punição máxima. Com o avanço das investigações da Operação Lava Jato sobre seus negócios, Cunha tem perdido apoio significativo de aliados nos últimos dias. No Senado, a comissão do impeachment retoma os depoimentos de testemunhas de acusação e de defesa no processo de julgamento da presidente afastada Dilma Rousseff. Os senadores também discutem a proposta aprovada pelos deputados de desvincular até 30% das receitas da União.

A força de Eduardo Cunha será posta à prova nesta terça-feira (14), quando os integrantes do Conselho de Ética se reúnem para analisar o parecer do relator Marcos Rogério (DEM-RO), que defende a cassação do mandato do deputado afastado por ter mentido à CPI da Petrobras ao negar manter contas bancárias no exterior. A maior expectativa está no voto da deputada Tia Eron (PRB-BA). Ao assumir a cadeira no Conselho, a deputada foi recebida como aliada de Cunha. A partir daí, começou a ser pressionada nas redes sociais para votar a favor da cassação do presidente afastado. Na semana passada, Tia Eron faltou à reunião em que o relator apresentou seu parecer, o que reforçou suspeitas sobre sua posição.

Integrante da Igreja Universal do Reino de Deus, a deputada é muito próxima do presidente do partido, o pastor Marcos Pereira, atual ministro da Indústria e Comércio Exterior. Caso ela vote com o relator, a votação ficará empatada e a decisão será transferida ao presidente do colegiado, José Carlos Araújo (PR-BA), adversário de Cunha.

Disputa na CCJ

Entretanto, não é só o voto de Tia Eron que pode embaralhar a história. Na Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ), a votação do parecer sobre o rito do processo de cassação do mandato parlamentar no plenário da Câmara pode aliviar a situação de Cunha. Mas a proposta sofre resistência. A votação na comissão foi adiada três vezes durante a última semana. Partidos como o PT, o PSDB, o DEM, o Psol e o PCdoB já se posicionaram contra a mudança. Nova sessão foi marcada para esta terça (14), às 14h30.

A resposta à consulta protocolada pelo presidente interino Waldir Maranhão (PP-MA) e relatada pelo deputado Arthur Lira (PP-AL) pode aliviar a pena prevista no parecer feito por Marcos Rogério no Conselho de Ética. Aliado de Cunha, Lira propõe que o Plenário examine um projeto de resolução, em vez do parecer do Conselho, caso o colegiado recomende a cassação do peemedebista.

A resolução pode sugerir a suspensão por, no máximo, seis meses ou a perda do mandato. Arthur Lira também avaliou ser possível a apresentação de emendas ao projeto de resolução durante a votação plenária, desde que esses sejam favoráveis ao deputado alvo do processo disciplinar. Adversários de Cunha já anunciaram que vão apresentar relatório paralelo para derrubar a recomendação de Lira e trabalhar para postergar a votação na CCJ.

Acusação versus defesa

A comissão especial do impeachment do Senado vai receber nove testemunhas logo no início da semana. Para esta segunda-feira (13), estão convocados Leonardo Albernaz, secretário de Macroavaliação Governamental do Tribunal de Contas da União (TCU); Tiago Alvez Dutra, secretário de Controle Externo do TCU; Marcus Pereira Aucélio, ex-subsecretário de Política Fiscal do Tesouro Nacional; e Esther Dweck, ex-secretária da Secretaria de Orçamento e Finanças. No encontro de terça-feira (14), serão ouvidos Luciano Coutinho, ex-presidente do BNDES; Marcelo Saintive, ex-secretário do Tesouro Nacional; André Nassar, secretário de Política Agrícola do Ministério da Agricultura; Gilson Bittencourt, ex-secretário adjunto da Casa Civil da Presidência da República; e Marcelo Amorim, ex-coordenador-geral de Programação Financeira do Tesouro Nacional.

Os depoimentos começaram no último dia 8. Está prevista ainda a convocação de 40 testemunhas indicadas pela defesa da presidente afastada Dilma Rousseff. Dos quatro depoentes ouvidos na semana passada, dois foram indicados pela acusação e outros dois pela defesa. De acordo com o cronograma de trabalhos aprovado no último dia 6, a etapa de oitivas terminará no dia 20.

Desvinculação das receitas

Também deve ser discutida no plenário a proposta de emenda à Constituição (PEC) que permite a desvinculação de até 30% das receitas da União para ajudar o governo a cumprir a meta de resultado primário. Em valores, a autorização para o governo equivale a um montante entre R$ 117 bilhões e R$ 120 bilhões para este ano.

Como a aprovação da medida é uma das prioridades do governo interino de Michel Temer, assim como na Câmara, muitos esforços serão realizados pelos senadores para que a proposta seja votada o quanto antes. Renan Calheiros enfatizou que a análise da PEC no Senado “será a mais rápida possível”.  Deputados petistas e aliados de Dilma votaram contra a proposta, alegando que a mudança vai retirar recursos da educação e da saúde.

No plenário do Senado, a medida provisória (MP 715/16) que destina R$ 316,2 milhões para o pagamento de parcelas do Benefício Garantia-Safra tranca a pauta de votações. A MP auxilia cerca de 440 mil famílias de agricultores familiares da área de atuação da Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste (Sudene) atingidos pela seca entre 2014 e 2015, um dos piores períodos de estiagem já registrados no país nos últimos 50 anos.

Combate à corrupção

Depois de ganhar um “bolo” de Waldir Maranhão na última quinta-feira, a Frente Parlamentar Mista de Combate à Corrupção volta ao gabinete da presidência da Câmara nesta terça-feira, agora em companhia de representantes do Ministério Público Federal e de entidades da sociedade civil, para reivindicar o andamento do projeto de lei (PL 4850/16) que estabelece medidas para o combate à corrupção e aos crimes contra o patrimônio público e o enriquecimento ilícito de agentes públicos.

Embora tenha marcado audiência com a frente parlamentar, Maranhão faltou ao encontro e deixou os parlamentares esperando por uma hora em seu gabinete. O grupo reivindica a instalação de uma comissão especial para examinar a proposta idealizada pela força-tarefa da Operação Lava Jato e que recebeu a assinatura de mais de 2 milhões de pessoas. O texto reúne 20 propostas de mudança legislativa distribuídas em dez eixos principais. Entre outras alterações, prevê penas mais rígidas para crime de corrupção, dificulta a anulação de processos e facilita a recuperação de recursos desviados.

CPI do DPVAT

A Câmara deve instalar na próxima quinta (16) uma comissão parlamentar de inquérito para investigar fraudes nos repasses do Seguro de Danos Pessoais Causados por Veículos Automotores de Via Terrestre (DPVAT). O DPVAT é responsável por garantir indenização às vítimas de acidentes de trânsito no caso de morte ou invalidez e o custeio de despesas médicas. A comissão foi criada para investigar denúncias sobre a atuação de quadrilhas especializadas em forjar acidentes, e como foi administrado o dinheiro arrecadado com o seguro entre 2000 e 2015.

Em 2015, o seguro arrecadou mais de R$ 8 bilhões, mas a estimativa de desvio desse montante é de até 25% do total. Foi a deputada Raquel Muniz (PSD-MG) quem pediu a criação da CPI. Ela enfatizou que o tema é de interesse público, já que 45% dos recursos do DPVAT são aplicados no Sistema Único de Saúde (SUS).

Seja aliada da Pública

Faça parte do nosso novo programa de apoio recorrente e promova jornalismo investigativo de qualidade. Doações a partir de R$ 10,00/mês.

Comentários de nossos aliados

 Ver comentários

Esta é a área de comentários dos nossos aliados, um espaço de debate para boas discussões sobre as reportagens da Pública. Veja nossa política de comentários.

Carregando…
Você precisa ser um aliado para comentar.
Fechar
Só aliados podem denunciar comentários.
Fechar

Explore também

Microbolsas: Agora é sua vez de investigar projetos de energia no Brasil

27 de outubro de 2014 | por

A partir de hoje, o Greenpeace se junta à Pública para realizar a 4ª edição do Concurso de Microbolsas de Reportagem. Temas deste ano são hidrelétricas e pré-sal

Reunião da CCJ da Câmara em que foi aprovado o substitutivo do PL Espião.

PL Espião ameaça liberdade na internet

7 de outubro de 2015 | por

Projeto avança na Câmara e será analisado agora pelo plenário; entidades defendem que internautas se mobilizem para garantir que não haja retrocessos

Brasil será “paraíso dos agrotóxicos”, diz pesquisador

2 de julho de 2018 | por

Para Fernando Carneiro, da Fiocruz, deixar o registro de novos produtos a cargo de Ministério da Agricultura, como prevê projeto de lei, representa perigo para a população brasileira

Mais recentes

“Tenho acesso direto aos assessores de Mourão”, diz presidente do Clube Militar

25 de maio de 2019 | por

Às vésperas da manifestação pró-governo, general Eduardo Barbosa defende a ditadura militar, a economia liberal de Paulo Guedes e até Flávio Bolsonaro, investigado no caso Queiroz: “Causa estranheza ao se ver tanta relevância no caso”

Manifestações podem definir futuro de Bolsonaro no Congresso

24 de maio de 2019 | por

A Pública conversou com parlamentares sobre a crise entre governo e Congresso; ceticismo predomina, mas o resultado das ruas no dia 26 terá peso decisivo no futuro dessas relações

Dois anos do massacre de Pau D’Arco: mandantes ainda impunes e ameaça de despejo

24 de maio de 2019 | por

Em entrevista à Pública, a advogada Andréia Silvério, da CPT de Marabá, conta que os sobreviventes da chacina que vitimou dez trabalhadores ocupantes da fazenda Santa Lúcia em Pau D’Arco (PA) não receberam nenhum apoio do Estado, e que novos conflitos são iminentes

Login para aliados

Participe e seja aliado.

Fechar